Logo E-Commerce Brasil

Produtos de giro rápido podem auxiliar no crescimento do e-commerce, aponta NIQ Ebit

Por: Júlia Rondinelli

Editora-chefe da redação do E-Commerce Brasil

Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero e especialização em arte, literatura e filosofia pela PUC-RS. Atua no mercado de <nowrap>e-commerce</nowrap> desde 2018 com produção técnica de conteúdo e fomento à educação profissional do setor. Além do portal, é editora-chefe da revista E-Commerce Brasil.

De acordo com o 48º Webshoppers, levantamento realizado pela NIQ Ebit, os produtos de giro rápido (FMCG, sigla em inglês para Fast-Moving Consumer Goods) tiveram uma ligeira diminuição de participação de faturamento bruto total nas vendas online no primeiro semestre de 2023 em comparação ao desempenho registrado nos canais digitais.

No entanto, o movimento não assusta os especialistas do mercado, que consideram as vendas de categorias de produtos de giro rápida promissores para o e-commerce.
Isso porque tais itens são considerados aqueles consumidos diariamente, que precisam de uma reposição constante, como mercadorias voltadas para higiene, beleza, alimentação e bebidas, petshop, entre outros.

As vendas online de categorias de giro rápido representaram no primeiro semestre de 2021 apenas 3,3% do total, mas Luiz Davison, Gerente de Customer Success de e-commerce da NIQ no Brasil, afirma que “embora o offline domine em termos de faturamento, há uma clara oportunidade de crescimento online para atender à demanda dos consumidores”

Categorias de destaque

A pesquisa cita como destaque os utensílios de cozinha, contabilizados como “bazar”, liderando a fatia de compras online, com 15% das vendas totais do e-commerce. Higiene e beleza também se destacam e representam 8% das vendas.

Outros segmentos com menor expressividade começam a despontar e chamar alguma atenção dos especialistas com o que Davison categoriza como uma “janela considerável para fortalecer essas categorias no ambiente online”.

Alimentos (0,4%), produtos de petshop (2,2%) e bebidas (4,4%) mostram sinais de crescimento e apresentam oportunidades de expansão no ambiente digital.

Canais de vendas

Segundo a análise comparativa da pesquisa, a porcentagem de consumidores que utilizam aplicativos de entregas de forma exclusiva para compras de giro rápido passou de 6% em 2022 para 15% em 2023. Além disso, a quantidade de shoppers que usam os aplicativos atrelados a outros canais chega a 59%.

Dos consumidores que utilizam em algum ponto da jornada o aplicativo, a porcentagem chega a 74% em 2023. Quando questionados sobre as compras de farmácia e supermercados, ⅓ dos consumidores já compraram em algum momento pelos aplicativos.

“Com pouco mais de 1/3 das respostas positivas quanto a sua utilização, os aplicativos de farmácias e supermercados apresentam oportunidades. Além das categorias FMCG apresentarem performances melhores que as demais no cenário online, os shoppers destes segmentos buscam em suas jornadas de compra alternativas para abastecimento e reposição. Ou seja, há espaço para que marcas e varejistas aproveitem essas necessidades recorrentes com soluções que agreguem valor. E os aplicativos, sempre conectados com o shoppers, podem servir como uma boa interface para isso”, observa o executivo.

Os principais motivadores para para adoção dos aplicativos de entregas é a possibilidade de obter frete grátis, promoções e outras facilidades. “Há, sem dúvida, uma oportunidade significativa para o varejo direcionar suas estratégias online visando atrair mais consumidores”, conclui o porta-voz.

Black Friday batendo à porta

Com a ligeira redução das compras online no segmento, mas com o otimismo das categorias apresentadas na pesquisa, a NIQ projeta um desafio para o segundo semestre de 2023, no qual muitas expectativas serão depositadas sobre a Black Friday.

Apesar do recuo de 7,3% nas vendas brutas do primeiro semestre e da queda de 2,1% das vendas em junho, julho apresentou uma recuperação promissora, segundo dados preliminares da empresa.