Logo E-Commerce Brasil

Brasil tem previsão de destaque no social commerce em 2024

Por: Ângelo Vicente

CEO e Fundador da SELIA Fullcommerce Powered by Luft

Mestre em Ciências e Gestão de Tecnologia, pelo MIT Sloan School of Management (2023). Fundador da e-Cadeiras e da SELIA Fullcommerce, onde exerce o cargo de CEO atualmente. Com uma trajetória de mais de 12 anos no setor de comércio eletrônico, Ângelo é movido pela paixão em explorar o potencial de novas tecnologias, sempre com o objetivo de agregar valor significativo para seus clientes e parceiros. Além de seu papel na SELIA, ele é uma figura proeminente no cenário de E-Commerce, onde contribui ativamente para a comunidade do setor, participando como articulista, conferencista, professor e palestrante em diversas instituições de ensino e eventos. É membro do Conselho do E-Commerce Brasil e Cofundador da Escola Superior de E-commerce - ESECOM.

O Brasil está prestes a se tornar um protagonista no cenário do comércio social. Com uma população digitalmente ativa e uma crescente cultura de compras online, o país está posicionado para liderar essa revolução no e-commerce.

O que é comércio social?

O social commerce é uma tendência que combina redes sociais e compras online. Ele permite que os consumidores descubram produtos, compartilhem recomendações e façam compras diretamente nas plataformas sociais. Essa integração entre mídia social e comércio eletrônico está ganhando força em todo o mundo, e o Brasil está na vanguarda dessa transformação.

O papel da América Latina

A América Latina tem sido pioneira nessa modalidade de compra, e a previsão é que o Brasil lidere o caminho. De acordo com dados da Insider Intelligence e eMarketer, mais da metade dos compradores digitais no país (51,3%) devem adotar o comércio social em 2024. O México, outro grande mercado latino-americano, também registra uma previsão de taxa semelhante de adoção (51,2%).

Comparação internacional

De acordo com o levantamento, o Brasil está quase em pé de igualdade com o mercado chinês (56,2%), que foi o precursor desse movimento na década de 2010. Além disso, países da América Latina superam economias mais desenvolvidas, como a Alemanha, onde apenas 28,9% dos compradores digitais devem utilizar as vendas nas redes sociais este ano.

Transformação nos hábitos de consumo

Esse fenômeno reflete a rápida adoção de novas tecnologias de vendas nas principais economias. No Brasil, os consumidores estão cada vez mais confortáveis em fazer compras por meio de plataformas sociais, seja descobrindo produtos, recebendo recomendações ou comprando diretamente.

O futuro do comércio social no Brasil

O Brasil, com sua população jovem e digitalmente engajada, está se tornando um terreno fértil para o crescimento do comércio social. A popularidade das redes sociais no país, combinada com a crescente penetração da internet e a familiaridade com o comércio eletrônico, está criando um ambiente propício para o florescimento do comércio social.

À medida que o comércio social continua a evoluir, o Brasil está bem posicionado para se destacar. Empresas de tecnologia, varejistas e empreendedores devem estar atentos a essa tendência e investir em estratégias que aproveitem o poder das redes sociais para impulsionar as vendas.

A influência das redes sociais

As redes sociais desempenham um papel crucial na forma como os consumidores descobrem e compram produtos. Plataformas como Facebook, Instagram e WhatsApp não são mais apenas canais de comunicação, mas também se tornaram importantes canais de vendas. Os varejistas estão aproveitando essas plataformas para alcançar seus clientes onde eles já estão passando tempo, tornando o processo de compra mais conveniente e integrado. O TikTok, uma rede social com forte adesão em todo o mundo, também está emergindo como uma plataforma poderosa para social commerce.

O papel das tecnologias emergentes

Tecnologias emergentes, como a realidade aumentada (AR) e a inteligência artificial (AI), estão desempenhando um papel cada vez mais importante no comércio social. Por exemplo, os varejistas estão usando AR para permitir que os consumidores “experimentem” produtos virtualmente antes de comprar, enquanto a AI está sendo usada para fornecer recomendações personalizadas de produtos e melhorar a experiência do cliente.

O impacto no varejo

O crescimento do comércio social está transformando o setor de varejo. Os varejistas estão tendo que repensar suas estratégias e adaptar-se a essa nova realidade. Aqueles que conseguirem aproveitar efetivamente o poder das redes sociais e integrar o comércio social em suas operações estarão bem posicionados para ter sucesso no futuro.

Concluindo, o comércio social está redefinindo a forma como compramos e vendemos produtos. Em 2024, o Brasil tem a oportunidade de se destacar no cenário global do chamado social commerce, criando uma experiência de compra única e envolvente para os consumidores. E à medida que avançamos, podemos esperar ver o país emergir como um líder global nesse âmbito.

A transformação nos hábitos de consumo está em curso, e o futuro é promissor para aqueles que abraçarem essa revolução digital. Quem estiver disposto a abraçar essa mudança e adaptar-se a essa realidade estará bem posicionado para prosperar na economia digital.