Logo E-Commerce Brasil

Fandom transforma lealdade à marca e varejo ganha concorrência

Por: Lucas Kina

Jornalista e repórter do E-Commerce Brasil

A economia do criador está crescendo, impulsionada pelo aumento de criadores de conteúdo em plataformas como blogs, YouTube, Instagram e TikTok. Alimentada pela pandemia, a indústria deve valer cerca de US$ 104 bilhões em 2022 e não mostra sinais de desaceleração.

Com legiões de fãs, esses criadores agora estão fazendo seus próprios produtos que podem ser vendidos diretamente ao seu público. Com um desejo crescente dos consumidores de se conectar e comprar de pessoas que compartilham seus valores e interesses, o fandom é a nova fidelidade à marca?

Conteúdo e comércio juntos

“Os criadores são as novas marcas”, afirma Chris Lamontagne, CEO da Spring, uma plataforma líder de comércio de criadores, falando por vídeo. A Spring, que abriga mais de 9 milhões de criadores, permite que seus usuários criem produtos e os vendam por meio de integrações sociais. A plataforma cuida das “coisas complicadas” como frete, pagamentos e devoluções, deixando os criadores livres para gerar conteúdo e se conectar com os fãs.

“As marcas legadas têm um grande desafio para se manterem culturalmente relevantes, porque os criativos serão as verdadeiras potências do comércio no futuro”, ele elabora.

Apoiado por uma rede global de parceiros de produção e logística, o Spring permite que os criadores atendam a uma rede global de fãs. Eles vêem os criadores como “quase sem fronteiras”. Por exemplo, “eles podem estar sediados nos EUA, mas têm um público no México ou na Índia”. Isso lhes dá alcance mundial e acesso a uma enorme base de clientes.

Vendedores naturais

Totalmente à vontade em seus mundos digitais, os criadores estão perfeitamente posicionados para vender produtos. Combinando vídeos sobre seu próximo lançamento com seu conteúdo típico, eles são especialistas em aumentar o entusiasmo do cliente em potencial. Acrescente a isso sua capacidade de criar comunidades com suas próprias piadas internas e de imaginar quais produtos farão com que seus fãs se sintam pertencentes, o potencial dos criadores de gerar demanda por seus produtos é impressionante.

À vontade na frente da câmera, carismáticos e articulados, os criadores estão perfeitamente posicionados para aproveitar outras mudanças tecnológicas, como o crescimento da transmissão ao vivo . Alguns até criam produtos exclusivos apenas para eventos de transmissão ao vivo para aumentar a sensação de exclusividade – sinalizando que “eu estava lá” no dia. Lamontagne compara esse fenômeno de fãs que querem obter mercadorias exclusivas com os elogios que anteriormente poderiam vir de ir a um show e ter a camiseta para provar isso.

Fandom: além da fidelidade à marca

A capacidade dos criadores de aproveitar a tecnologia agora disponível para combinar conteúdo e comércio é um dos fatores que impulsionam o crescimento dos criadores como vendedores. Mas acima de tudo, isso é de fato mais sobre sua capacidade de criar comunidades e “verdadeiros fãs”?

Lamontagne cita o exemplo de Matthew Meagher, um criador que ganhou US$ 600 mil em 60 dias com a venda de um moletom vermelho. “Ele realmente capturou sua comunidade com este moletom em particular. Foi uma piada. Não eram as pessoas apenas comprando o moletom vermelho, elas estavam comprando a pessoa por trás dele e um senso de comunidade que vem com isso”.

“Esse senso de comunidade vai além da fidelidade à marca. É muito mais forte. Há uma diferenciação tão grande entre uma marca e um cliente, de uma forma que não existe entre um criador e um fã.”

Com 2022 definido para ser o ano em que “a linha entre compras e entretenimento se confunde”, de acordo com o diretor de produtos da Shopify, Amir Kabbara, e os avanços tecnológicos tornando o conteúdo comprável mais prevalente do que nunca, a economia do criador parece pronta para deixar sua marca no setor de varejo .

Deixando as marcas legadas com a pergunta – como elas aproveitam ou competem com esse crescimento no comércio de criadores?

Lamontagne resume o enigma: “Não tenho certeza se você segue uma marca nas mídias sociais porque quer ouvir o que a marca tem a dizer. Enquanto você segue um criador porque é atraído pelo conteúdo dessa pessoa ou por quem ela é e o que eles representam”.

À medida que a economia do criador continua a crescer, as marcas herdadas fariam bem em considerar se — ou como — podem traduzir a fidelidade à marca existente em um fandom mais profundo e duradouro que muitos consumidores desejam.

Leia também: Varejo deverá faturar R$ 2,16 bilhões com a Páscoa de 2022, aponta CNC

Fonte: Forbes