Logo E-Commerce Brasil

Varejo tem projeção de crescimento nominal para os próximos três meses do ano, indica IAV-IDV

Por: Helena Canhoni

Jornalista

Bacharel em Comunicação Social pela ESPM. Experiência em tráfego pago, cobertura de eventos, planejamento de marketing e mídias sociais.

Grupo de amigos fazendo compras juntos
Imagem: reprodução

O IAV-IDV (Índice Antecedente de Vendas do Instituto para Desenvolvimento do Varejo) nominal projeta, respectivamente, os seguintes crescimentos para fevereiro, março e abril de 2024: 3,2%, 4,8% e 3,1%. O índice leva em consideração a participação das atividades, dentro do volume total de vendas do comércio varejista, contabilizado pelo IBGE.

Mantendo em evidência a comparação com os mesmos meses do ano anterior, a pesquisa declara que janeiro apresentou uma alta de 2,6%. Para o primeiro trimestre de 2024, 6% de aumento nas vendas pode ser esperado. Vale ressaltar que o crescimento considerado é nominal. 

Ajustando os dados segundo o IPCA, estes passam a evidenciar uma queda real de 1,2% em fevereiro, alta de 0,9% em março e queda de 0,6% em abril. O primeiro mês de 2024 sofreu uma queda de 2,1% na comparação com o ano anterior.  

Os dados coletados, para inferir as projeções, são individuais das empresas associadas ao IDV, que informaram as expectativas quanto ao faturamento dos próximos três meses. Abrangendo todos os setores do varejo, as organizações representam em torno de 20% das vendas do varejo brasileiro. 

Resultados em destaque

Gráfico com projeção de compras para 2024, IAV-IDVto-iav-idv.jpg.webp 1299w, https://static.ecommercebrasil.com.br/wp-content/uploads/2024/02/19-grafico-projecao-de-crescimento-iav-idv-768x325.jpg 768w" sizes="(max-width: 1299px) 100vw, 1299px" />
Imagem: reprodução

Analisando alguns dos setores mapeados pela instituição, os principais foram: alimentação, bebidas e supermercados; artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos; móveis e eletrodomésticos; e, por fim, tecidos, vestuário e calçados.

Na categoria de alimentação e bebidas, as previsões apontam uma possível queda de 0,1% em fevereiro, alta de 6,3% em março e queda de 0,5% em abril. Comparado a janeiro de 2023 o segmento apresentou 1% de queda. 

Para os cosméticos e artigos farmacêuticos, fevereiro tem expectativas positivas com 18% de crescimento, 10,6% de aumento em março e 17,2% em abril. Janeiro deste ano teve 11,4% de melhora em relação a 2023. 

Quanto ao setor de eletrodomésticos e móveis, a previsão para os próximos três meses é de crescimento, 3% em fevereiro, 2,43% em março e 2,2% em abril. Em 2024, a categoria já mostrou um aumento de 4,4% comparado ao ano anterior.

Por fim, a categoria de vestuários e calçados cresceu 5,5% em 2024. Para fevereiro, março e abril os aumentos previstos são de 6,7%, 9,0% e 6,2%, respectivamente.