Logo E-Commerce Brasil

E-commerce nos EUA cresce 55% durante a pandemia

Por: Lucas Kina

Jornalista e repórter do E-Commerce Brasil

Os consumidores norte-americanos gastaram US$ 1,7 trilhão em e-commerce durante os últimos dois anos de pandemia, de acordo com novos dados da Adobe. São US$ 609 bilhões a mais do que nos dois anos anteriores ao Covid, representando um aumento de 55% nos gastos online. Os gastos digitais, contudo, continuam em aceleração.

Somente este ano, o relatório afirma que as compras no e-commerce dos EUA devem atingir o recorde de US$ 1 trilhão.

“O comércio eletrônico está sendo remodelado pelas compras de supermercado, uma categoria com descontos mínimos em comparação com categorias herdadas, como eletrônicos e vestuário”, afirma Patrick Brown, vice-presidente da Adobe, em comunicado.

De acordo com o executivo, houve uma mudança na economia digital, na qual a velocidade e a conveniência — encontradas no e-commerce — estão se tornando tão importantes quanto a economia de custos.

Quase metade do comércio eletrônico dos EUA é impulsionado por apenas três categorias: eletrônicos, roupas e mantimentos.

Juntos, eles respondem por quase 42% de todos os gastos digitais do consumidor, diz a Adobe. Os gastos com mantimentos dobraram em 2020, e o hábito parece se manter: as pessoas que tentam comprar seus mantimentos online tendem a continuar fazendo isso, ajudando a categoria a atingir US$ 85 bilhões em 2022.

O setor de eletrônicos, a maior categoria individual, gerou US$ 165 bilhões em gastos digitais em 2021 , e provavelmente atingirá US$ 174 bilhões este ano.

O vestuário, no entanto, está crescendo mais lentamente: apenas 9,1% em 2020, enquanto o comércio eletrônico geral saltou 41%. O crescimento em 2021 foi de 8%, para US$ 126 bilhões, e deve atingir US$ 130 bilhões em 2022.

Os gastos digitais não são a única mudança que está acontecendo no varejo dos EUA.

A cadeia de suprimentos ainda é incrivelmente desafiada, e tanto a guerra na Ucrânia quanto os recentes surtos e paralisações de Covid na China não ajudarão nisso. A inflação também está em níveis quase recorde. A Adobe vê evidências de inflação online em cada um dos últimos 21 meses e, no próximo ano, a Adobe diz que pagaremos “até US$ 27 bilhões a mais online pela mesma quantidade de mercadorias” graças à inflação.

Isso e o surgimento da pandemia afetarão os gastos do consumidor em geral, e não apenas online.

Leia também: EUA: em 2022, consumidores devem gastar US$ 1 trilhão online

Fonte: Forbes