Logo E-Commerce Brasil

A concorrência e a proteção de dados na logística do e-commerce

Por: Júlia Rondinelli

Editora-chefe da redação do E-Commerce Brasil

Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero e especialização em arte, literatura e filosofia pela PUC-RS. Atua no mercado de e-commerce desde 2018 com produção técnica de conteúdo e fomento à educação profissional do setor. Além do portal, é editora-chefe da revista E-Commerce Brasil.

Estabilidade, disponibilidade de ferramentas e segurança de dados é um assunto que tem estado em evidência nestes últimos tempos, devido a toda digitalização que vem ocorrendo no período de pandemia, com a LGPD e com os ataques que pessoas famosas sofreram recentemente.

Um outro fator que leva a essa direção é o crescimento do mercado. O e-commerce cresceu em todos os anos na última década.

Segundo pesquisa do Ebit, o ticket médio no e-commerce se manteve praticamente inalterado. R$ 100,00 em 2010 e R$ 113,00 em 2019.

O que de fato tem feito o e-commerce crescer não é o ticket médio, é o volume de pedidos. Só em 2019 foram cerca de 10,7 milhões de novos compradores. Dessa forma, podemos notar que, a cada ano, há mais compradores adquirindo produtos pela internet pela primeira vez e os compradores experientes estão comprando cada vez mais.

Ainda tomando a pesquisa do Ebit como fonte, o e-commerce teve um crescimento de 16% em seu faturamento, comparando 2019 com o ano anterior.

Mais compradores gera mais vendedores que gera briga de preço

Todo esse crescimento tem despertado os empreendedores a se aventurarem no mercado digital. Seja digitalizando seus negócios, abrindo uma loja virtual do zero ou conectando sua loja física com sua loja virtual, que, à propósito, é o futuro do comércio mundial.

Sim, muitos pensam que o virtual irá substituir o físico, outros pensavam que o virtual não iria para frente e já se provaram enganados. O ponto é que ambas as ideias possuem alguns conceitos válidos. O avanço e a democratização da tecnologia tem tornado a internet cada vez mais presente na vida das pessoas. Todavia, elas ainda possuem a necessidade de se relacionar como sociedade no mundo físico.

Leia também: Opções de entrega para o consumidor e facilidade para o lojista.

A ordem natural das coisas

O caminho natural é a facilidade e a conexão em favor da experiência de compra. Assim, uma pessoa pode simplesmente encontrar produtos na internet e ir à loja física dessa mesma marca e provar o produto. Ou comprar o produto pela internet e ele ser enviado partindo da loja mais próxima. Enfim, são muitas as possibilidades.

Com o aumento de players, é natural que a disputa pela audiência aumente. Isso faz com que o gestor e seu time tenha cada vez mais habilidades e estratégias para conseguir se diferenciar do mercado.

Muitos entram na guerra por preços, o que nem sempre é interessante para a saúde da empresa.

Além de ferramentas como a consolidação de volumes, que ajudam o lojista a reduzir o valor do frete e se diferenciar do mercado, há outros pontos a se considerar para conseguir o diferencial e, mais que isso, a confiança do cliente.

Todos os sentimentos que uma pessoa tem ao comprar pela internet podem ser resumidos em um só: ansiedade. Será que meu produto chegará à tempo?  É original? O site é seguro?

Os players do mercado têm se empenhado para transmitir segurança e conquistar a tão sonhada confiança do cliente através de ferramentas como Ebit, Site Blindado, Reclame Aqui, além do certificado de SSL.

Muito bom, mas isso não é tudo

Além de fazer questão de mostrar ao consumidor que o site é seguro, é preciso uma atenção ao ecossistema. O e-commerce é a união de ferramentas que precisam se relacionar entre si para a troca de informações e dados para que todo o processo de compra seja executado.

Plataforma de e-commerce, ERP, gateway de pagamento, parceiro logístico etc. Tudo precisa estar perfeitamente alinhado e conectado para que o consumidor tenha, de fato, sua necessidade atendida.

É importante que o lojista considere que todas essas engrenagens recebem e enviam informações de suas vendas. Dessa forma, elas impedem que grandes problemas se formem.

Dessa forma, é preciso que haja um padrão, um nível de qualidade para a utilização dos parceiros do ecossistema.

Na logística não é diferente

A logística de um e-commerce, ao contrário do que muitos do mercado pensam, não é só uma tabela de frete e levar os produtos a uma agência dos Correios.

Uma logística para e-commerce bem estruturada engloba uma ferramenta para gestão dos fretes, além dos parceiros de entrega (Correios ou transportadoras? Veja o artigo), que podem ser encontrados e utilizados sem precisar de contrato ou integração, caso a ferramenta de gestão de fretes seja um HUB de transporte digital.

As transações entre os três componentes (loja, HUB de transporte e transportador) incluem trocas de informações das vendas e dos compradores, como características do produto, nome do cliente e endereço. Algumas delas são colocadas em repouso e outras utilizadas para realizar o cálculo de frete, a ordem de coleta ou a atualização dos status de rastreio, antes de serem enviados de forma automática por e-mail ou SMS do cliente.

Quando o HUB recebe as mensagens, elas são codificadas, processadas e encaminhadas para a loja ou para a empresa responsável pelo transporte.

Desta forma, a Frete Rápido, o primeiro HUB de transporte digital na América Latina, trabalha com um ecossistema robusto com armazenamento em nuvem e com processos rigorosos de criptografia. Enquanto os pedidos/dados recebidos dos parceiros estão no HUB (data rest and transition) estão criptografados.

FIPS 140-2

A tecnologia da Frete Rápido utiliza segurança aprovada pela FIPS 140-2 (Federal Information Processing Standard), norma dos Estados Unidos, utilizada para explicitar a criptografia e os pontos de segurança a serem atendidos por produtos de TI, que, por sua vez, precisam atender ao uso crucial.

O FIPS 140-2 serve como base e apoio para que a ferramenta/produto seja construído e utilize regras rígidas de segurança. Além disso, ele detalha de que forma os indivíduos precisam ser autorizados para utilizar o produto e como os componentes, integrações e módulos devem ser configurados para interagir de forma segura com outros sistemas.

A criptografia é um conjunto de especificações, técnicas e decodificações criadas para proteger informações. Desta forma, somente sistemas com informações específicas conseguem codificar ou decodificar as informações enviadas e recebidas, uma espécie de “tradução”.

A Frete Rápido fornece soluções logísticas na pré-venda, pós-venda, gestão e tracking, para empresas B2B, B2C e D2C, como indústria, e-commerce, varejo e operadores logísticos. Com o modelo de HUB de transporte digital, o cliente/parceiro tem acesso a mais de +600 transportadoras, consegue utilizá-las sem precisar de contrato ou integração e ainda, realizar o comparativo com as opções de entrega que ele já tem.

Texto publicado originalmente aqui.

Leia também: Fabricantes de eletrodomésticos e eletrônicos investem em e-commerce na pandemia.