Logo E-Commerce Brasil

Como fazer link building para e-commerces: dicas para colocar em prática

Por: Carolina Peres

Head de conteúdo e link building da Hedgehog Digital. Jornalista e especialista em marketing de conteúdo.

Fazer link building para e-commerces exige atenção ao conteúdo produzido e à adoção de boas estratégias. Entre elas estão digital PR, parcerias comerciais e Middle Man Strategy.

Existem várias estratégias de SEO para posicionar uma marca. Saber como fazer link building para e-commerces é uma medida fundamental. Isso porque a prática foca na conquista de backlinks – links externos – para o seu site. Ou seja, as diretrizes de E.A.T. (expertise, authoritativeness e trustworthiness) são asseguradas.

O link building ajuda a criar autoridade para sua marca. Com isso, ela se torna uma referência.

Esse objetivo é possível, porque a campanha de link building cria uma espécie de teia de comunicação com outros sites e blogs. Além disso, várias métricas são acompanhadas para saber se a estratégia está trazendo os resultados esperados.

De toda forma, o alcance do sucesso fica mais fácil quando boas práticas são adotadas. A seguir, apresentamos as cinco que precisam fazer parte da sua estratégia. Confira quais são elas!

1. Consiga links com relevância

Um dos grandes erros na hora de pensar a estratégia de link building para e-commerces é ter links aleatórios, muitas vezes sem relevância. Lembre-se: é preciso fazer sentido para que traga resultados positivos para o seu negócio.

Para saber se um link é útil para o contexto em que será inserido, você deve pensar se ele complementa uma informação. Mais do que isso: verifique se tem relação com a sua marca.

Por exemplo, se você tem um e-commerce de roupas plus size, faz pouco sentido ter um link para caneca personalizada. Afinal, esse produto pode ser utilizado por qualquer pessoa, mas não tem relação com uma loja especializada em determinado público.

Portanto, ao fazer essa ligação, você força uma situação que não existe. Isso fica perceptível para os usuários que acessam o e-commerce e até para o algoritmo do Google. Dessa forma, não se obtém o resultado esperado.

2. Faça uma parceria comercial

Aqui, a ideia é pedir uma lista de parceiros do seu e-commerce e verificar a possibilidade de fazer o ganho de links. Nesse contexto, várias ações podem ser trabalhadas. Entre elas estão:

  • Conferências;
  • Ações de caridade;
  • Eventos;
  • Guest posts.

Esse último é um ponto importante a destacar. Isso porque ele prevê uma troca de textos. Para isso, é preciso que seu e-commerce tenha um blog. Se for esse o caso, sua equipe pode fazer um post para um parceiro e vice-versa.

O texto dele é postado no seu blog e o seu, no blog dele. Além disso, fica indicado que quem escreveu foi outra equipe.

Porém, por que realmente vale a pena? Nos dois textos, é feito o link building. Assim, o post que está no blog do parceiro redireciona para o seu e o usuário tem a chance de conhecer o seu e-commerce.

3. Adote a estratégia Middle Man Strategy

Se o guest post exige que você tenha um blog e parece pouco interessante para um e-commerce, o Middle Man Strategy é bem mais direcionado, já que consiste na criação de um ativo clicável. Por exemplo, um infográfico, um blog post ou um guest post.</p>

Todos os links externos são apontados para esse local. A questão-chave é que as páginas de categorias e produtos a serem ranqueadas têm seus links nesse ativo clicável.

Portanto, o ativo clicável é uma espécie de intermediário e leva os usuários até a página principal, que é o destino que você deseja.

4. Foque no E.A.T.

Já citamos essa sigla no artigo, mas ela precisa ser reforçada. Afinal, todo e-commerce precisa ter autoridade, expertise e confiabilidade para atrair clientes e fidelizá-los.

O E.A.T. contempla as diretrizes do Search Quality Rater’s Guidelines. Esse é um guia que mostra os índices de qualidade da busca do Google. Portanto, quanto mais autoridade, expertise e confiabilidade, melhor é o e-commerce e maior a chance de conquistar um dos primeiros lugares do buscador.

O que a sigla significa? Veja os detalhes de cada um dos pilares:

  • Expertise: o e-commerce deve ter um conteúdo atrativo, que entenda a intenção de busca e ofereça as informações adequadas;
  • Autoridade: indica que outros sites mencionam a sua loja virtual e seus especialistas;
  • Confiabilidade: refere-se à capacidade de resolver problemas e de ser transparente sobre como eles serão solucionados.

5. Digital PR

É uma estratégia de relações públicas direcionada para o ambiente digital. Por isso, um relacionamento positivo é criado com players estratégicos do mercado. Ou seja, uma parceria de link building é estabelecida com marcas confiáveis e populares.

Na prática, o objetivo é fazer a assessoria de imprensa evoluir. Portanto, além de se preocupar com as questões institucionais do seu e-commerce – e com a qualidade do conteúdo, por consequência -, também há o cuidado com o link conquistado.

Dessa forma, você une essas duas frentes em prol do mesmo objetivo. Assim, é possível ter campanhas personalizadas, que atingem o seu público de forma precisa e acertada.

O único cuidado é com o excesso nessa estratégia. Isso porque ela pode levar a penalizações, quando vários links são conquistados apenas a partir de um site. Essa situação faz o Google entender que é black hat. Portanto, diversifique sempre.

Adotando essas cinco dicas e tendo a atenção às boas práticas relacionadas a elas, você tem uma chance maior de alcançar bons resultados.

Afinal, saber como fazer link building para e-commerces exige atenção aos detalhes. É importante perceber que não está se trabalhando com um blog. Portanto, o conteúdo oferecido deve ser mais bem estruturado para atrair o público certo.

Leia também: 4 técnicas de Link Building para impulsionar o tráfego e vendas do seu E-commerce