Redação E-Commerce Brasil

Covid-19: 61% dos consumidores aumentaram volume de compras online

Sexta-feira, 15 de Maio de 2020   Tempo de leitura: 4 minutos

O comportamento dos consumidores precisou ser alterado durante a quarentena. Sem opção de lojas físicas na maioria das categorias, os brasileiros aumentaram suas compras online e passaram a usar mais meios digitais de pagamentos. Na saída da crise, muitos desses hábitos serão mantidos, gerando mudanças definitivas no comportamento de consumo.

De acordo com o estudo “Novos hábitos digitais em tempos de Covid-19”, realizado pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) em parceria com a Toluna, a crise do coronavírus fez com que a transformação digital do varejo se tornasse prioridade para poder manter os negócios em operação.

O consumidor, por sua vez, rapidamente mudou seus hábitos e abraçou ferramentas digitais. “Os consumidores estão cientes do risco de contaminação ao sair de casa e, por isso, ainda que saiam às ruas para comprar itens essenciais, têm apresentado um comportamento mais digital, usando apps para compra e pagamento, por exemplo”, analisa Eduardo Terra, presidente da SBVC.

O estudo mostra que 61% dos consumidores que compraram online durante a quarentena aumentaram o volume de compras online devido ao isolamento social. Em 46% dos casos, esse aumento de compras foi superior a 50%. O grande destaque foi a compra de alimentos/bebidas para consumo imediato por delivery, que cresceu para 79% dos entrevistados.

Maiores prazos aos consumidores

Com o aumento da demanda no e-commerce, os prazos de entrega aumentaram. O estudo mostra que 69% dos consumidores notaram prazos mais elásticos, mas 57% consideram aceitável esse aumento. Somente 11% dos consumidores deixaram de comprar online devido ao prazo de entrega.

“Nesta quarentena, as compras de muitas categorias passaram a ser mais planejadas e, com isso, um prazo de entrega mais alongado se tornou aceitável. A satisfação dos clientes, na faixa de 80%, mostra que o e-commerce vem conseguindo absorver bem o aumento de demanda”, analisa Terra.

Ao experimentar o e-commerce em diversas categorias, os brasileiros estão efetivamente mudando seu comportamento de consumo. Mais da metade (52%) dos entrevistados está comprando mais em sites e aplicativos durante a quarentena e 70% pretendem continuar comprando mais online do que faziam antes do Covid-19.

“Está havendo uma mudança real de comportamento e empresas que conseguirem se relacionar bem com os clientes neste momento terão uma grande vantagem no pós-crise”, avalia o presidente da SBVC.

Metodologia

O estudo entrevistou 1.000 consumidores em todo o país, além de avaliar a satisfação de compra no ambiente online. Dos respondentes, maioria são mulheres (54%), casados (as) (47%), possuem em média 30 anos de idade e possuem atividade remunerada (76%). Pouco mais da metade (54%) reside na região Sudeste do Brasil, concentrando-se no estado de São Paulo (34%).

O estudo está disponível na íntegra para download no site: http://sbvc.com.br/novos-habitos-digitais-em-tempos-de-covid-19/

Leia também: Lojas virtuais vendem quase 4 semanas de Black Friday em abril

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Eu sei que você quer algo escalável, algo que possa fazer você vender todos os dias e transformar o Marketing Digital na sua renda principal ou até mesmo, se já vende todos os dias pela internet, escalar ainda mais seus resultados.

    Garanta SUA VAGA para o Programa Aumente
    Suas Vendas com 95% OFF – Últimas Vagas!!

    https://bityli.com/aNDC1

    Responder

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.