Logo E-Commerce Brasil

Inteligência logística em favor da rastreabilidade da encomenda

Por: Bruno Tortorello

Com mais de 21 anos de experiência na área de logística e distribuição, Bruno Tortorello é um dos executivos mais destacados do setor. Graduado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da USP, com especialização em Administração pela FGV e MBA em Gestão Internacional pela FIA, Tortorello foi presidente da Total Express e, anteriormente, liderou áreas comerciais e operacionais do braço logístico do Grupo Abril. Chegou na Jadlog com a missão de alavancar as vendas e os negócios por meio das operações do <nowrap>e-commerce</nowrap> e do fortalecimento do negócio B2B de pequenas encomendas, contribuindo para que a transportadora alcançasse o faturamento de R$ 1 bilhão em 2020.

A rastreabilidade da encomenda é mandatória da primeira até a última milha do e-commerce, não só para que transportadoras e operadores logísticos acompanhem e mantenham seus padrões de qualidade no transporte, mas também para suprir clientes com informações precisas e em tempo real, sejam eles embarcadores, sellers de marketplaces ou consumidores.

Para oferecer um sistema que monitore a localização de produtos na cadeia de suprimentos, transportadores investem em inteligência logística.

Para oferecer um sistema que permita monitorar a todo momento a localização de um produto na cadeia de suprimentos, comunicar-se com clientes e ainda prever o caminho a ser seguido na última milha, os transportadores investem em inteligência logística. São soluções 100% integradas e com visão 360 graus do negócio, que englobam todo o ecossistema logístico, incluindo meios de transporte, armazéns, PUDOS (Pontos Pick up e Drop Off) e lockers, até a chegada da remessa nas mãos do destinatário. E toda essa informação deve ser cuidada com total segurança e respeito à LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), ou seja, à privacidade dos dados de todos os envolvidos.

Integração logística

Um primeiro passo neste sentido está relacionado à integração logística, que é a troca de informações entre os sistemas do embarcador e da transportadora. As empresas do setor de transportes estão investindo em suas próprias infraestruturas tecnológicas para viabilizar o processo de integração logística da forma mais simples possível, por meio das diferentes plataformas disponíveis.

As soluções de integração logística atendem embarcadores de todos os tamanhos, permitindo a cotação do frete, a checagem da situação da encomenda e a confirmação da entrega, além da possibilidade de gerar faturas e cobranças. O fluxo de comunicação começa na primeira milha, passando pelas grandes transferências de cargas e terminando na última milha.

As atuais plataformas trazem mais agilidade e governabilidade para todos os tipos de integração logística, seja por API (Application Programming Interface, ou Interface de Programação de Aplicações), o sistema mais atual, ou por EDI (Eletronic Data Interchange, ou Intercâmbio Eletrônico de Dados), o mais antigo e consolidado. Ambos funcionam como uma ponte para a melhor conexão e interação entre os programas de embarcadores e transportadores, possibilitando que os players envolvidos e os consumidores tenham informações sobre as movimentações das encomendas.

BI, Data Analytics, Data Warehouse e NOC

Com o objetivo de criar uma estrutura de dados organizada, com interação com diversas fontes, e que seja segura e capaz de ser escalável, as empresas do setor logístico também se aperfeiçoam em BI (Business Intelligence, ou Inteligência de Negócio), bem como em Data Analytics e em expansão de seus Data Warehouses (ou Armazém de Dados), buscando ganhos em agilidade na construção e na análise interna dos indicadores e das informações a serem compartilhadas no e-commerce.

Adicionalmente, com o intuito de colaborar com o melhor fluxo possível de informações precisas e em tempo real, as transportadoras e os operadores logísticos expandem suas células NOC (Network Operations Center, ou Centro de Operações de Rede) para elevar o monitoramento e a estabilidade da rede e, ao mesmo tempo, antecipar ou diagnosticar eventuais falhas que possam prejudicar a comunicação e o negócio como um todo.

Segurança e LGPD

A segurança da informação é outro ponto importante dentro da engrenagem da rastreabilidade e da disponibilidade de informações, já que abrange desde a desativação de antigos métodos de integração, trazendo maior segurança inclusive para os clientes, até investimentos na atualização de datacenters, uso de soluções em nuvem e a descontinuidade de tecnologias legadas.

Dentro de todos os processos, não se pode deixar de destacar o cumprimento da LGPD e os sistemas de gestão de continuidade de negócio, que devem seguir os padrões mais exigentes de mercado e atuar da mesma forma em favor das boas práticas de comunicação.

As iniciativas citadas, portanto, demonstram como as empresas de transportes e logística estão ampliando as práticas de inteligência logística e se transformando digitalmente para entregar informações em todo o fluxo logístico e soluções mais alinhadas com os anseios de embarcadores, sellers e consumidores.

Leia também: Cinco estratégias para ter entregas eficientes no e-commerce