Redação E-Commerce Brasil

Vendas no e-commerce crescem 145% no 1º semestre e dobram faturamento de lojistas

Terça-feira, 21 de julho de 2020   Tempo de leitura: 4 minutos

Com o fechamento do comércio físico para a contenção da pandemia em março de 2020, a Internet se tornou a única alternativa para a maior parte do varejo brasileiro e mundial. Após queda durante momento de incertezas na primeira quinzena de março, o comércio eletrônico emplacou entre consumidores e lojistas e encerrou o semestre com alta de 145% nas vendas, no comparativo com o mesmo período de 2019, aponta o estudo “E-commerce na Pandemia”, realizado pela plataforma Nuvemshop e apresentado no evento Potencialize E-commerce.

O estudo disponível para download fez uma apuração completa do setor considerando a base de dados da plataforma, que conta com mais de 50 mil lojas virtuais, e informações macroeconômicas do mercado brasileiro. Desta forma, o documento identificou também que o crescimento nas vendas refletiu em um aumento de 105% no faturamento dos lojistas, que ganharam no volume: enquanto o tíquete médio caiu em média 19%, a quantidade de consumidores que comprou mais de uma vez no mês cresceu 282%.

Na comparação com o número de lojas criadas na Nuvemshop no mesmo período do ano anterior, o número quase triplicou com a pandemia, chegando a 190%. No total, o número de lojas na plataforma cresceu 108% até chegar nos 50 mil estabelecimentos comerciais. A quantidade de novos compradores também teve o aumento significativo de 142%.

Leia também: Dia dos Pais: 69% dos brasileiros vão dar presentes em meio à pandemia

Expansão geográfica

O estudo também fez um recorte regional do crescimento do e-commerce no Brasil durante o semestre e detectou números importantes que também evidenciam os diferentes níveis de maturidade do e-commerce. As vendas online cresceram nos 27 estados brasileiros, porém 17 deles viram suas vendas crescerem acima da média nacional de 137%, e 13 deles estão nas regiões Norte e Nordeste. O Acre lidera a lista com um aumento de 951%, seguido por Rio Grande do Norte (416%), Rondônia (409%), Sergipe (373%) e Alagoas (340%) completando os cinco maiores. No Sudeste, Espírito Santo teve o maior aumento, de 236%, seguido por Minas Gerais, 213%, Rio de Janeiro (154%) e São Paulo (96%), onde há o maior número de lojas.

Já o “top 5” dos estados com maior aumento de novas lojas no período são Rio Grande do Norte (400%), Roraima (250%), Alagoas (233%), Pernambuco (218%) e Ceará (119%).

Bem-estar e conforto em alta

A quarentena impulsionou o comércio de essenciais, mas o crescimento aconteceu de forma abrangente. “Alimentação & Bebidas” liderou com aumento de 282% no trimestre, seguida por “Pets” (219%), “Presentes” (215%), “Casa & Decoração” (207%), “Brinquedos” (195%) e “Roupas” (189%).

Não só os segmentos mais tradicionais registraram aumento significativo de vendas, como “Joias & Bijuterias” (156%), “Livros” (130%), “Acessórios” (98%), “Produtos de Beleza” (73%) e “Eletrônicos” (38%), mas também outras novas categorias ganharam espaço, como “Produtos Eróticos”, que obteve crescimento de 132%. Entre todos os setores analisados, o único que registrou diminuição no número de pedidos foi Viagens (-96%).

O e-book com o estudo “E-commerce na Pandemia” completo está disponível para download.

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.