Logo E-Commerce Brasil

PMEs aumentam faturamento de fevereiro em 17%, segundo Omie

Por: Lucas Kina

Jornalista e repórter do E-Commerce Brasil

Em linha com o desempenho de janeiro, as pequenas e médias empresas (PMEs) brasileiras tiveram alta de 17% no faturamento em fevereiro ante 2023. Os dados são do Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs (IODE-PMEs) e mostram manutenção do resultado positivo em todos os setores avaliados.

Segundo a pesquisa, Comércio, Indústria, Infraestrutura e Serviços mantiveram a evolução vista durante o primeiro mês do ano. Desta forma, um avanço também foi visto em termos de movimentação financeira. Entre janeiro e fevereiro, a expansão acumulada foi de 15,4% neste índice.

Entre os motivos para tal, segundo Felipe Beraldi, economista e gerente de Indicadores e Estudos Econômicos da Omie, cita movimentações macroeconômicas nestes períodos.

“Os resultados recentes refletem, de certa forma, o início dos efeitos na economia real do ciclo de queda da Selic (taxa básica de juros) iniciado pelo Banco Central em meados de 2023, tendo em vista o avanço das concessões de crédito às pessoas físicas no início do ano – com taxas de juros médias finais relativamente mais baixas”, afirma.

Além disso, o especialista comenta que a queda da Selic, somada a inflação mais controlada, também favorece a evolução das áreas de consumo e investimentos.

Panorama

Apesar dos últimos resultados positivos, o cenário de curto prazo não é livre de riscos. A queda recente da confiança dos consumidores, conforme aponta o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) do FGV IBRE, acende um sinal amarelo para as PMEs. Sobretudo dos setores de Comércio e Serviços, uma vez que o indicador é um bom antecedente da evolução do consumo das famílias brasileiras. Mesmo com o contexto de queda das taxas de juros, o nível de endividamento das famílias ainda segue em patamar elevado, o que pode prejudicar a evolução do consumo no curto prazo. Apesar disso, mantemos a perspectiva de que o mercado de PMEs siga em crescimento no Brasil no decorrer do ano. A manutenção do avanço deve ser condicionada pelas menores pressões inflacionárias sobre as famílias e as empresas e pelos efeitos cada vez mais claros do ciclo de redução da taxa básica de juros (Taxa Selic) na economia real.

Felipe Beraldi, economista e gerente de Indicadores e Estudos Econômicos da Omie

Números

Indústria

Para fevereiro, o IODE-PME continuou apontando o setor como o principal dentro da contribuição positiva entre as PMEs. O crescimento da movimentação financeira chegou a 22,7% na comparaço com mesmo mês no ano passado.

De 23 subsetores da indústria de transformação acompanhados pelo índice, 19 mostraram crescimento de dois dígitos no último mês. São eles:

  • Fabricação de móveis;
  • Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro;
  • Artigos para viagem e calçados;
  • Metalurgia;
  • Fabricação de produtos químicos.

Comércio

Já as PMEs do Comércio foram melhores que em janeiro e surpreenderam, com aumento de 13,8% ano a ano. Isso fez com que a tendência de queda vista a partir do segundo semestre de 2023 fosse descartada até o momento.

A recuperação veio do comércio atacadista, que obteve alta de 14,1%, com destaque para três subsetores:

  • Produtos odontológicos;
  • Café em grãos;
  • Produtos de higiene, limpeza e conservação domiciliar.

As PMEs do varejo também voltaram a apresentar crescimento em 2024, com índice discreto de 4,9%. Os destaques ficaram para os segmentos de Pedras para revestimento, Vidros e Artigos fotográficos e para filmagem.

Serviços

No setor de Serviços, as PMEs também despontaram positivamente, crescendo 9,2% em fevereiro. No primeiro bimestre do ano, o resultado positivo do setor foi condicionado, especialmente, pelo avanço em:

  • Atividades de entrega;
  • Agências de viagem e outros serviços de turismo;
  • Design de interiores.

Infraestrutura

Por fim, as PMEs do setor de Infraestrutura também apresentaram crescimento da movimentação financeira real em fevereiro, chegando a 10,4%. Os melhores subsetores foram:

  • Serviços especializados para construção;
  • Coleta, tratamento e disposição de resíduos.