Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Nuvemshop: 87% dos empreendedores digitais não se sentem preparados para o futuro

Quinta-feira, 28 de abril de 2022   Tempo de leitura: 5 minutos

Em parceria com o portal E-Commerce Brasil, a Nuvemshop desenvolveu um estudo sobre as principais tendências do e-commerce. Para isso, também contou com o apoio da ABComm e da Mandaê, empresa de logística. A pesquisa “Futuro do E-commerce” revela o nível de conhecimento dos lojistas sobre novas tecnologias e estratégias de vendas. Além disso, o estudo aponta quais as soluções são mais utilizadas e, por outro lado, quais são as novas ferramentas menos exploradas no mercado. Outro dado apresentado é sobre quão preparados os empreendedores se sentem em relação ao futuro de seus negócios no meio digital.

Leia também: Nuvemshop lança projeto educativo com conteúdo gratuito sobre e-commerce

Imagem de uma mulher loira utilizando um notebook
Segundo o estudo da Nuvemshop, 41% dos entrevistados pretendem adotar as tecnologias emergentes que conhecem para enfrentar o mercado digital.

De acordo com o estudo, 87% dos empreendedores não se sentem totalmente preparados para o futuro. As pessoas que se sentem preparadas (apenas 11%) conhecem, em média, 60% das tecnologias e modelos de vendas citados na pesquisa, como suporte automatizado e reconhecimento facial, para desenvolver e modernizar suas lojas online, mas utilizam apenas 20% dessas tecnologias nos seus negócios. Por outro lado, as pessoas não-preparadas conhecem bem menos tecnologias, somente 32% das mapeadas, e apenas 8% delas são aplicadas no cotidiano. A tendência é que, quanto maior o conhecimento desses empreendedores em relação às novidades e tecnologias para vendas online, mais preparados eles costumam se sentir para o futuro.

“Mesmo com diferenças entre os empreendedores no que diz respeito à confiança no futuro, a capacitação tecnológica já é um fator catalisador para a modernização das estratégias de negócios. Sem dúvidas, mesmo diante de desafios que já são parte da jornada empreendedora, o futuro para os empreendedores que buscam e aderem às inovações será promissor”, comenta Luiz Natal, especialista em e-commerce e gerente de desenvolvimento de plataforma da Nuvemshop.

Tecnologias e estratégias do e-commerce mais conhecidas pelas PMEs

  • Venda direta pelas redes sociais (92%);
  • Uso de aplicativos (84%);
  • Vendas B2B (84%);
  • Logística reversa (78%).

Tecnologias mais utilizadas atualmente

  • Compras diretas em redes sociais (64%);
  • Sites otimizados para dispositivos móveis (50%);
  • Logística reversa (43%);
  • Produtos personalizados (34%).

Diante desses dados, é possível verificar que a adaptabilidade dos lojistas para dispositivos móveis, seja por meio de sites responsivos ou pela venda em redes sociais, já é uma realidade e uma demanda dos consumidores no ambiente digital. Este fato, inclusive, já tinha aparecido no levantamento NuvemCommerce 2022, que mostrou que 80% das visitas e 71% das vendas feitas por lojas cadastradas na Nuvemshop aconteceram pelo celular em 2021.

Leia também: Meta, dona do Facebook, abrirá primeira loja física em aposta do metaverso

Entre as oportunidades conhecidas, porém ainda pouco utilizadas, a principal é o live commerce, modalidade que combina transmissões de vídeo ao vivo com vendas de produtos, muitas vezes com a participação de influenciadores. Nesse caso, 66% dos entrevistados conhecem esta modalidade de vendas, mas apenas 10% a utilizam. O suporte automatizado ao cliente ocupa o segundo lugar: 55% dos lojistas conhecem a solução, mas apenas 13% a utilizam.

Apostas para o futuro

A maioria dos empreendedores no digital deve investir em compras diretas em rede social (65%), logística reversa (56%) e produtos com marca própria (54%). O formato de vendas multicanal — que possibilita que o consumidor compre online e retire presencialmente e vice-versa — também é uma das tendências que deve ser adotada por 44% dos lojistas. Outro dado relevante mostra que 68% dos empreendedores possuem conhecimento sobre comércio sustentável e produtos verdes e 35% pretendem trazer estas realidades para seus pequenos e médios negócios.

Em relação ao segmento de pagamentos, a modalidade de compras parceladas, bastante comum no varejo brasileiro graças, principalmente, ao uso de cartões de crédito, está ganhando novas possibilidades no e-commerce. O estudo também aponta que alguns empreendedores permitem, inclusive, que o consumidor só pague pelo produto após recebê-lo em sua residência (5% dos entrevistados já adotam essa estratégia).

“Além do cartão e do boleto, já há lojas online que possibilitam o parcelamento via Pix. Esse novo recurso vem ganhando espaço no e-commerce e é uma alternativa bacana para os clientes que não querem comprometer a fatura do cartão com parcelas de compras ou que não têm acesso a um cartão de crédito. Essa é uma das possibilidades da tendência ‘compre agora, pague depois’, que deve crescer no futuro”, explica Natal.

Tecnologias como realidade virtual, reconhecimento facial e o uso de criptomoedas, estão ganhando espaço. No entanto, apesar de bastante conhecidas entre os lojistas, ainda estão distantes de se tornarem parte do cotidiano dos varejistas de e-commerce devido à falta de aplicabilidade no meio digital.

Acesse o estudo completo neste link.

Leia também: Pix acelera inclusão financeira e fomenta nova “economia instantânea” na América Latina

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER