Redação E-Commerce Brasil

Live Commerce tem tudo para engajar o público brasileiro

Terça-feira, 22 de setembro de 2020   Tempo de leitura: 3 minutos

Velho conhecido do portal E-Commerce Brasil, In Hsieh trouxe para a Conferência Paraná – 2020 diversos insights sobre a Live Commerce, prática de vendas cada vez mais comum na China. E a presença de In não poderia ser mais oportuna. Afinal, ele tem contato direto com o universo chinês — é Co-fundador da Chinnovation, entidade que facilita a comunicação de empresas brasileiras com a China. A seguir, você acompanha em detalhes o que foi falado no encontro.

O que é o Live commerce?

Basicamente o Live Commerce é a junção de algumas características da transmissão ao vivo que encontramos na Internet com o universo das vendas. Ele reúne a parte de vendas em uma solução multimídia — diferente das vendas que víamos na TV, a exemplo do Shoptime. Nesse caso, gera a interação ao vivo e a compra dentro de uma única ferramenta.

Leia também: Atendimento com excelência requer engajamento de colaboradores

No Live Commerce existe uma comunicação entre apresentador usuários. Segundo In, ocorrem notificações em tempo real, como alguém que acabou de comprar, um espectador que enviou likes… “Com o Live Commerce eu consigo apresentar e vender produtos em um único ambiente totalmente gamificado. O Brasil ainda está no meio do caminho dessa modalidade, como percebe-se em interações no Facebook e no Instagram, que ainda exigem a conclusão da compra em outra plataforma”, explicou.

Algumas lições da China para a estratégia de Live Commerce no Brasil

Fator humano

“Eu consigo explorar o fator humano com esse tipo de ferramenta. O apresentador engaja a pessoa e a convence com uma história legal. Se ela gostar do que ouvir, vai comprar”, explicou In. Nesse caso, o paralelo que ele fez foi em relação ao e-commerce tradicional — que pode ser lindo em diversos aspectos, mas continua sendo estático, sem interações.

Cuidado com o produto

Para In, de nada adianta fazer uma live de venda se o produto não for condizente. “Imagine você tentar convencer alguém da compra de um produto que não é bom? Ao vivo isso é ainda mais difícil, pois o espectador vai perceber”.

Tráfego

Seja dentro de um aplicativo, do Facebook ou do Instagram, o vendedor precisará de pessoas para assistir à venda — afinal, terá de gerar tráfego. Para tanto, In recomenda utilizar utilizar gatilhos emocionais, seja de motivação, escassez, etc. “Isso certamente contribuirá para mais pessoas assistirem à Live”.

Produção

Antes de pensar em vender, o profissional por trás da Live Commerce deve ter em mente a produção do evento. Câmera, boa iluminação, espaço adequado ao conceito do produto… Tudo isso conta na hora de fazer a produção. “Se é um produto barato, não posso ter um cenário de luxo, e vice-versa”.

Aproveitar as lojas físicas como cenário

Para In, um lojista que possui um ponto de venda físico tem certa vantagem para criar um Live Commerce. Afinal, ele utiliza o local como palco das vendas, ambientando o cenário de acordo com o produto a ser apresentado. “Tomo como referência o próprio E-Commerce Brasil, que trouxe a experiência dos eventos físicos para o online. Para isso, entretanto, houve todo um trabalho cenográfico para gerar a sensação presencial ao público”, concluiu.

Por Giuliano Gonçalves, via E-Commerce Brasil.

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.