Redação E-Commerce Brasil

Getnet Brasil, do Santander, começará a operar em bolsas de valores

Quarta-feira, 06 de outubro de 2021   Tempo de leitura: 3 minutos

As ações da empresa de pagamentos Getnet Brasil começarão a ser negociadas nas bolsas de valores B3 e Nasdaq em 18 e 22 de outubro, respectivamente, informou na terça-feira (5) seu atual acionista controlador, Banco Santander, em documentos regulatórios dos EUA e do Brasil.

O credor anunciou anteriormente que está cindindo e listando a Getnet como parte de uma reforma maior nos negócios de pagamentos do Banco Santander, da Espanha, que estão agrupados no PagoNxt, do qual a Getnet será uma unidade.

“Este passo estratégico permitirá que a Getnet Brasil desbloqueie todo o potencial de seus negócios como parte da PagoNxt”, disse o CEO da Getnet, Pedro Coutinho, em um comunicado.

O Santander disse em comunicado que planeja expandir a empresa para mais países da América Latina e da Europa. Atualmente atua no Brasil, México, Argentina, Chile e Uruguai.

Santander conclui etapas preparatórias

O Santander informou que foram concluídas as etapas preparatórias e obtidas todas as autorizações necessárias à admissão das ações preferenciais e ordinárias da Getnet e respectivas units para negociação na B3. Além disso, foi realizado o pedido para registrar os papéis na SEC (correspondente à CVM nos Estados Unidos) para listar os American Depositary Shares (ADS) representativos de duas Units Getnet cada.

A operação ocorreu no âmbito da cisão parcial do Santander Brasil, para segregar a totalidade das ações emitidas pela processadora, seu negócio de maquininhas de cartão de crédito.

Lucro da Getnet

Terceira maior processadora de cartões do Brasil, a Getnet registrou lucro líquido de US$ 37,6 milhões no primeiro semestre do ano, com margem de lucro líquido de 14,9%.

Os acionistas do Santander Brasil receberão 0,25 ação da processadora para cada uma de suas ações existentes no banco e 0,125 American Depositary Share da Getnet por ADS do credor.

A Getnet fará sua estreia em um cenário amplamente alterado para empresas de pagamentos brasileiras que já se destacaram, como Cielo, PagSeguro Digital e StoneCo, que despencaram este ano em meio a uma competição acirrada.

Com informações da Reuters e do Estadão Conteúdo

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER