Redação E-Commerce Brasil

Custo de frete agrava impacto da pandemia em transporte marítimo

Segunda-feira, 08 de fevereiro de 2021   Tempo de leitura: 2 minutos

O aumento das taxas de frete e atrasos nas entregas levam a uma reação global de empresas frustradas com uma combinação destrutiva de serviço em deterioração e custos de transporte marítimo mais altos.

As associações de comércio na China destacaram as preocupações antitruste ao governo, enquanto pressão semelhante à ferve em Bruxelas, onde o Conselho Europeu de Carregadores solicitou à Comissão Europeia que aborde os “aumentos de preços ultrajantes” por parte dos transportadores de carga.

Em Washington, o maior grupo de lobby de varejistas quer que as autoridades examinem as regras do mercado.

Os problemas nos Estados Unidos vão além dos custos: portos sobrecarregados e escassez de contêineres ao longo das principais rotas transpacíficas causam atrasos e perdas de negócios para exportadores.

Algumas redes de lojas e fabricantes – que dependem de linhas de abastecimento internacionais – estão sendo forçadas a cortar outras despesas ou repensar essa estratégia por completo.

Empresas americanas como Colgate-Palmolive e a marca de calçados Boot Barn – e outras na Europa e na Ásia – destacaram os problemas de oferta nos últimos dias.

Congestionamento portuário

A Comissão Marítima Federal iniciou uma consulta no final do ano passado sobre o congestionamento portuário, mas os gargalos persistem rumo ao pico sazonal antes do Ano Novo Chinês, em fevereiro de fevereiro.

“Nossos custos de frete provavelmente serão um ponto de pressão para os próximos, talvez, três ou seis meses”, disse na semana passada Greg Hackman, diretor de operações da Boot Barn, com sede na Califórnia, citando como o congestionamento dos portos tem afetado os estoques.

Com os negócios já atingidos pela pandemia, questões logísticas podem ser demais para algumas empresas. Essa foi visão transmitida por Stefan Pierer, CEO da Pierer Mobility, fabricante austríaca das motocicletas KTM, em teleconferência em 1º de fevereiro com analistas.

“Se você for ativo, flexível, corajoso e tiver como certas, pode lidar com isso”, disse. “Mas nem todo mundo pode lidar com isso – isso eu posso dizer.”

Leia também: Correios fazem acordo com China para receber encomenda por navio

Fonte: Money Times, com Bloomberg

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER