Redação E-Commerce Brasil

Coronavírus interrompe a economia global, incluindo o e-commerce

Quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020   Tempo de leitura: 9 minutos

Quando o surto de coronavírus surgiu em Wuhan, província de Hubei, as autoridades chinesas afirmaram que ele estava localizado, embora em uma área com uma grande população e muitas fábricas. Então o vírus se espalhou para outras áreas da China.

O coronavírus foi detectado pela primeira vez em Wuhan, na China central, uma área densamente povoada com muitas fábricas. Imagem: Google Maps.

Leia também: Alibaba oferece empréstimos a empresas atingidas por surto de coronavírus

O governo estendeu o feriado de Ano Novo em 25 de janeiro por três dias e agora impôs restrições de viagem a cerca de 60 milhões de pessoas. Em todo o país, as autoridades instruíram os residentes a ficar em casa e evitar locais públicos. Os moradores assustados estocaram alimentos, papel higiênico e desinfetante, levando à escassez.

Comércio eletrônico

Muitos analistas pensaram que as compras online de mercadorias na China por pessoas presas em casa aliviariam o problema e criariam benefícios para o comércio eletrônico. Mas isso não ocorreu devido à dificuldade de entrega dos pedidos. O transporte se tornou um ponto de estrangulamento. Os itens que já foram produzidos, ou que foram encomendados ou estão sendo encomendados, dificilmente chegarão a tempo.

As plataformas de comércio eletrônico chinesas, como Alibaba e JD.com, estão contratando milhares de trabalhadores temporários, já que as restrições impostas pelo governo aumentaram a demanda do consumidor por serviços de entrega de compras online. A Meicai, um e-commerce de alimentos que entrega produtos frescos diretamente de fazendas a restaurantes e lojas, anunciou há alguns dias que estava procurando contratar 6.000 motoristas de caminhão e 4.000 manipuladores de triagem para complementar sua força de trabalho regular que não pode atender à demanda. O governo chinês pediu que os entregadores usassem máscaras faciais e realizassem testes de temperatura.

A Alibaba também criou um site dedicado, Global Direct Sourcing, onde divulga quais equipamentos e mercadorias são escassos e solicita fornecedores.

Site do Alibaba, o Global Direct Sourcing divulga equipamentos e bens que estão em falta e solicita fornecedores.

Logística

Transporte aéreo

A Cathay Pacific, uma das principais companhias aéreas de carga da China e Hong Kong, reduziu os vôos para a China continental em 50% até o final de março. A UPS cancelou 22 vôos diários para a China. Tanto a UPS quanto a FedEx disseram que voar para a China será voluntário para seus pilotos. A FedEx normalmente opera 220 vôos por semana dentro e fora de cinco aeroportos na China, onde possui 9.500 funcionários. A DHL suspendeu as entregas na província de Hubei, o epicentro do vírus. Como resultado, os preços do frete aéreo já aumentaram. Os poucos vôos de entrada estão trazendo itens de alta prioridade, como máscaras cirúrgicas e equipamentos médicos, e não bens de consumo.

Joe Cipolla, diretor sênior de frete aéreo da Crane Worldwide Logistics, disse à Air Cargo News que, devido ao vírus, há falta de espaço para carga na China e Hong Kong, com escassez na direção de saída. “Para as transportadoras que ainda voam cargueiros, a demanda é muito alta. A reserva pode demorar de quatro a sete dias”, disse Cipolla. Ele acrescentou que espera um aumento na demanda de saída e escassez de espaço da China assim que as fábricas reiniciarem a produção.

Quanto aos voos de passageiros, a Delta Air Lines anunciou que suspenderia todos os vôos dos EUA para a China de 6 de fevereiro a 30 de abril. A American Airlines suspendeu voos para a China continental até 27 de março — depois que o sindicato que representava os pilotos da companhia entrou com uma ação para suspender os vôos dos EUA para a China. Air France, British Airways, Cathay Pacific e Lufthansa têm voos suspensos.

Transporte marítimo

Muitos navios estão presos em “zonas em quarentena flutuantes”. Isso porque alguns países, incluindo Austrália e Cingapura, se recusam a permitir que navios que tenham saído de portos chineses entrem em seus próprios portos até que a tripulação seja declarada livre de vírus. As principais companhias de navegação reduziram o número de navios nas rotas que ligam a China e Hong Kong à Índia, Canadá, Estados Unidos e África. A empresa de logística Freightos disse a seus clientes que esperavam atrasos nas mercadorias da China e sugeriu que eles mudassem as remessas recebidas do mar para o ar ou tentassem obter produtos de outros países.

Produção

A gigante chinesa de comércio eletrônico Alibaba está enfrentando escassez de mão de obra de fabricação e entrega. O analista do Raymond James, Aaron Kessler, escreveu recentemente que um surto prolongado pode significar restrições de logística para as empresas de comércio eletrônico em geral, especialmente com a província de Hubei fechada.

Alguns varejistas que confiam nos fabricantes chineses estão fornecendo orientações que preveem grandes reduções nas vendas e nos lucros porque os produtos não estão sendo produzidos. E os varejistas da Europa, Canadá e Estados Unidos, que dependem de turistas chineses para vendas, estão sofrendo com a redução das viagens.

Lojas fechadas

Empresas de varejo com lojas físicas na China estão perdendo receita porque os locais estão fechados. A Ralph Lauren fechou cerca de metade de suas 110 lojas na China. A Nike também fechou cerca de metade de suas lojas.

Os consumidores chineses são críticos para o mercado de artigos de luxo, tanto nos EUA quanto no exterior, com os clientes chineses respondendo por cerca de 35% das vendas mundiais, de acordo com a S&P Global.

Os varejistas que fabricam na China e vendem produtos lá estão sofrendo um duplo golpe. A Under Armour informou que espera que o coronavírus reduza suas vendas em pelo menos US$ 50 milhões durante o primeiro trimestre fiscal. De acordo com o CEO Patrik Frisk, “achamos razoável esperar atrasos em toda a indústria em termos de entrega em todo o mundo. Isso inclui remessas e janelas de serviços potencialmente perdidas e a necessidade de aumento do frete aéreo e medidas adicionais nos portos que poderiam criar congestionamento imprevisto”.

Indústria de brinquedos

A indústria de brinquedos está particularmente em risco, de acordo com o banco de investimento suíço UBS. A China fornece cerca de 85% da indústria de brinquedos dos EUA. Enquanto as fabricantes de brinquedos Hasbro e Mattel diminuíram sua dependência de fábricas na China, mais da metade de seus brinquedos ainda são produzidos lá.

A Hyundai Motor indicou no início desta semana que aumentaria gradualmente a produção em sete de suas fábricas sul-coreanas que foram fechadas devido à falta de peças de fornecedores chineses. A Ford Motor também disse que está gradualmente retomando a produção em suas fábricas na China. As fábricas da GM e Toyota ainda não foram reabertas.

Olhar geral sobre o coronavírus

O coronavírus é uma nova doença, o que dificulta ao pessoal médico prever como se espalha e quanto tempo levará para controlá-lo. Se novos casos continuarem aparecendo — na China e em outros lugares —, as restrições ao movimento de pessoas e bens permanecerão em vigor. Isso terá um efeito cada vez mais prejudicial em toda a cadeia de suprimentos e na economia global.

Via PracticalEcommerce.

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.