Logo E-Commerce Brasil

O futuro on-demand do supply chain: seis insights de alto impacto

Por: Ângelo Vicente

CEO e Fundador da SELIA Fullcommerce Powered by Luft

Mestre em Ciências e Gestão de Tecnologia, pelo MIT Sloan School of Management (2023). Fundador da e-Cadeiras e da SELIA Fullcommerce, onde exerce o cargo de CEO atualmente. Com uma trajetória de mais de 12 anos no setor de comércio eletrônico, Ângelo é movido pela paixão em explorar o potencial de novas tecnologias, sempre com o objetivo de agregar valor significativo para seus clientes e parceiros. Além de seu papel na SELIA, ele é uma figura proeminente no cenário de E-Commerce, onde contribui ativamente para a comunidade do setor, participando como articulista, conferencista, professor e palestrante em diversas instituições de ensino e eventos. É membro do Conselho do E-Commerce Brasil e Cofundador da Escola Superior de E-commerce - ESECOM.

Mudanças são a única constante no setor de supply chain, impulsionadas por exigências dos consumidores, novas tecnologias e transformações globais. A demanda por serviços on-demand e entregas instantâneas está redefinindo nosso setor. Inovações em rastreamento de produtos, automação e fabricação acelerada e próxima do destino são cruciais, mas há desafios claros pela frente. O capital e o talento necessários para abraçar essas mudanças requerem investimentos significativos, e muitas empresas menores podem se sentir sobrecarregadas.

1 – Entregas personalizadas e automatizadas

A automação está permitindo que as empresas de logística criem redes complexas de entrega, atendendo às necessidades específicas de cada cliente. Algoritmos de roteamento inteligentes, combinados com sensores e dispositivos IoT (Internet das Coisas), estão possibilitando entregas personalizadas em tempo real. Por exemplo, drones e veículos autônomos estão sendo utilizados para entregas rápidas e eficientes, enquanto sistemas de gestão de armazéns automatizados garantem a precisão e a velocidade no processamento de pedidos.

2 – Seguro contra mudanças climáticas

O impacto do clima está incentivando os provedores de logística a buscar seguros contra eventos climáticos extremos, um custo que pode ser transferido para os consumidores, especialmente aqueles em regiões mais instáveis. Além disso, as empresas estão investindo em estratégias de resiliência, como diversificação de rotas de transporte e localização de centros de distribuição em áreas menos suscetíveis a desastres naturais.

3 – Combate à escassez de habilidades

A automação e os agentes virtuais demandam uma força de trabalho qualificada e capaz de gerenciar tarefas habilitadas por tecnologia. A solução? Upskilling através de aprendizagem remota e oportunidades de trabalho. As empresas estão investindo em programas de treinamento especializados para capacitar seus funcionários nas mais recentes tecnologias e práticas de supply chain. Além disso, parcerias com instituições educacionais e programas de estágio estão sendo implementadas para atrair e desenvolver talentos promissores.

4 – Agentes virtuais no comando

A escassez de trabalhadores está levando os agentes virtuais a assumirem funções de back-office. Em breve, eles poderão se autogerenciar, trabalhando lado a lado com seus colegas “cobots”. Os agentes virtuais estão sendo integrados em sistemas de gerenciamento de armazéns, sistemas de planejamento de recursos empresariais (ERP) e plataformas de comércio eletrônico para automatizar processos como monitoramento de estoque, geração de relatórios e atendimento ao cliente. Esses softbots são capazes de aprender e se adaptar continuamente, melhorando a eficiência operacional e liberando os funcionários para se concentrarem em tarefas mais estratégicas.

5 – Fabricação instantânea para atender à demanda

Com o crescimento do e-commerce, as indústrias estão sendo realocadas para mais perto do consumidor, visando atender às demandas de maneira mais rápida e eficiente. A manufatura aditiva, também conhecida como impressão 3D, está revolucionando a produção ao permitir a fabricação sob demanda de peças e produtos personalizados. Além disso, a fabricação próxima do destino reduz os custos de transporte e o tempo de entrega, aumentando a satisfação do cliente e a competitividade das empresas.

6 – Verificação baseada em valores

Em um mundo de conflitos globais e consumidores cautelosos, a demanda por transparência na cadeia de suprimentos nunca foi tão alta. A coleta e transmissão de dados granulares se tornarão essenciais. Tecnologias como blockchain estão sendo adotadas para rastrear a proveniência e o histórico de produtos, garantindo a integridade e a ética em toda a cadeia de suprimentos. Além disso, iniciativas de responsabilidade social corporativa e sustentabilidade estão se tornando cada vez mais importantes, com empresas buscando parceiros e fornecedores alinhados com seus valores e objetivos.

A jornada é intrincada e desafiadora, mas o destino é inequívoco: estamos avançando rumo a um sistema de logística e cadeia de suprimentos que se destaca pela inteligência, agilidade e, fundamentalmente, adaptabilidade. No contexto brasileiro, já presenciamos operações logísticas robustas e sofisticadas que incorporam modais tecnológicos avançados, assemelhando-se à representação abaixo, que ilustra bem a nossa progressão para essa nova era logística.

Supply Chain, representação do futuro da categoria
Imagem: reprodução