Logo E-Commerce Brasil

Como usar o futuro para pautar a estratégia de negócios

Por: Rogério Nicolai

Head de Varejo

Com uma extensa carreira no mundo digital e de vendas, Rogério se juntou ao time do Pinterest no início de 2021 como líder de uma das equipes de vendas para a América Latina. Antes de ingressar no Pinterest, Rogério trabalhou no Google por mais de 8 anos, passando também por outras grandes empresas como Natura ou Danone durante sua carreira.

Prever o futuro é um assunto que gera muita curiosidade e ansiedade nas pessoas. Desde sempre, a humanidade se interessou pelo assunto. Seja para descobrir se um determinado caminho na vida é o ideal, o que acontecerá com o mundo, ou se podemos nos diferenciar nos negócios – o que será tendência no próximo mês? E no próximo ano? Responder a essas perguntas hoje se tornou mais fácil do que se imagina.

O que você, sua empresa e sua marca têm feito para “prever o futuro” e se antecipar à concorrência?

Pode parecer algo óbvio, mas todos nós trabalhamos com previsibilidade. Todos os dias tomamos algumas decisões de rotina com base em previsões do futuro, inconscientemente. E os consumidores também são assim. Não existe, necessariamente, uma explicação para isso, e diversos fatores podem modificar a forma como pensam, levando em conta o meio em que vivem, por exemplo.

No início de 2022, após dois anos de pandemia, o que as pessoas mais queriam era extravasar, viajar e retomar os planos que ficaram parados com tantas restrições e medos. Mas isso mudou rapidamente: de acordo com uma pesquisa da Sparkler de 2022, além da inflação, a maioria dos brasileiros também está preocupada com temas como uma possível recessão, aumento dos preços do gás, a guerra na Ucrânia e a incerteza com relação aos empregos.

Mas o que isso interfere nessa tal “visão de futuro” e como isso impacta os negócios?

Mudança de ponteiro de negócio

Para as pessoas que vivem simplesmente um dia após o outro, seguindo suas rotinas, pode não ser algo tão significativo. Já para as empresas e marcas, entender o entorno, respeitar a informação e usá-las de forma consciente e estratégica, buscando prever o que está por vir, pode mudar o ponteiro do negócio.

A “previsão do futuro” pode ser muito efetiva quando pautada na observação de fatos passados e no entendimento do presente. Seja quando planejamos um jantar em casa ou quando estamos construindo uma casa nova, as pessoas se planejam e começam a procurar ideias e inspirações antes de o evento de fato acontecer. Quem nunca reuniu inspirações para o casamento dos sonhos, mesmo sem ter um parceiro, ou ideias de decoração, sem ter sua própria casa?

O fato é: mesmo com tanta ansiedade e incerteza, as pessoas – ou melhor, nesse caso, os consumidores – não deixam de sonhar e planejar suas vidas. Afinal, sonhar não custa nada, não é mesmo?

As plataformas sociais têm um ponto crucial nessa jornada. Grande parte desses sonhos passam por elas. É nelas que as pessoas colecionam inspirações e compartilham descobertas. Com tantos sinais – buscas, likes, shares, saves – que todos nós deixamos ao navegar nas redes, o segredo é analisarmos com cuidado tornando-os extremamente úteis e estratégicos. Quando as marcas – novamente – entendem o entorno e respeitam a informação disponível, é possível “prever o futuro” e o resultado é evidente.

O que separa o sucesso do medíocre – no sentido literal da palavra, mediano – é a forma como essas informações são utilizadas. Descobrir quais são as previsões e as tendências mais relevantes para o seu negócio e para quem elas são realmente relevantes é o primeiro passo. Deixar de usar esses insights no modo “olha que interessante!” e alimentar o funil de inovação para o desenvolvimento de produtos e inspiração criativa já muda o nível de interferência e relevância da sua marca ao interagir com o consumidor. Incluir esse processo dentro do planejamento estratégico e de negócios das empresas fará a diferença.

E você, sua empresa e sua marca, o que têm feito para “prever o futuro” e se antecipar à concorrência?