Logo E-Commerce Brasil

Crise muda hábitos e mostra como até o frete pode ser online

Por: Júlia Rondinelli

Editora-chefe da redação do E-Commerce Brasil

Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero e especialização em arte, literatura e filosofia pela PUC-RS. Atua no mercado de <nowrap>e-commerce</nowrap> desde 2018 com produção técnica de conteúdo e fomento à educação profissional do setor. Além do portal, é editora-chefe da revista E-Commerce Brasil.

Você provavelmente já leu, ouviu ou assistiu em algum lugar por aí que o coronavírus modificou os hábitos dos consumidores. Isso aconteceu no mundo inteiro. Não foi diferente aqui no Brasil.

Com o isolamento social, produtos até então pouco expressivos no e-commerce nacional começaram a ganhar protagonismo. Diversas pesquisas do setor mostram que a procura por itens de consumo rápido disparou no país.

As pessoas estão usando a internet para adquirir produtos essenciais para o dia a dia: alimentos, bebidas, medicamentos, itens de limpeza e higiene.

Essa é uma mudança significativa no comportamento de compra.

E os consumidores não foram os únicos a mudar de hábitos. Quem vende pela internet também precisou se reinventar e encontrar formas de continuar operando. Nesse cenário de crise, é impossível ignorar as dificuldades logísticas causadas por uma pandemia.

Mas, como já é de costume no e-commerce, a tecnologia vem se mostrando uma grande aliada dos empreendedores, que podem contar com plataformas como o Melhor Envio para gerar o frete dos pedidos pela internet.

Mais praticidade e segurança no dia a dia de quem vende online

O distanciamento social imposto pela pandemia modificou tarefas do cotidiano. Antes tão simples, o ato de ir até a transportadora para postar um envio se transformou em algo complicado por causa da necessidade de evitar aglomerações.

Afinal, como continuar postando os pedidos com o máximo de segurança possível?

Além de seguir as recomendações sanitárias de órgãos como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde, os lojistas brasileiros podem usar a tecnologia do Melhor Envio como uma grande aliada nesse momento difícil.

Com a plataforma, é possível usar a internet para gerar e pagar o frete dos pedidos recebidos, o que contribui para reduzir o tempo de permanência dos vendedores nas agências das transportadoras.

Ou seja: o vendedor pode levar a embalagem já pronta para ser postada e com a etiqueta de envio devidamente afixada.

E caso queira evitar sair de casa, o vendedor também pode aproveitar o Melhor Envio para usar transportadoras que trabalham com coleta em domicílio.

Em dias normais, essa tecnologia significa economia de tempo. Em dias de pandemia, ela colabora com a segurança de quem vende online.

Mais opções de entrega para lidar com a crise

Disponibilizar opções variadas de entrega já era um diferencial antes da pandemia. No entanto, a situação atual transformou esse diferencial em algo essencial.

Contar com os serviços de várias transportadoras é muito importante para lidar com as instabilidades de um cenário de crise. E nisso o Melhor Envio também pode ser útil.

Fazendo um único cadastro, o lojista consegue comparar preços e prazos com as principais transportadoras do Brasil sem precisar negociar contratos com cada uma delas.

Além da variedade de modalidades de envio, quem é cadastrado na plataforma tem acesso a condições mais competitivas de frete.

Isso é possível porque o Melhor Envio usa a força dos números — são mais de 220 mil vendedores cadastrados — para negociar serviços e condições exclusivos com as transportadoras. A plataforma repassa as vantagens obtidas para a base, levando competitividade para o e-commerce nacional.

Cadastre-se, é grátis!

O Melhor Envio não cobra mensalidades, taxas escondidas ou limite mínimo de envios. A plataforma é gratuita, você só paga pelos fretes que gerar — se não gerar, não paga.

Conte com a tecnologia para otimizar a entrega dos seus pedidos em tempos de crise e depois dela também. O acesso às transportadoras não precisa ser burocrático: o frete pode ser online com o Melhor Envio.

Leia também: Compras por aplicativos têm alta de 30% durante pandemia, diz pesquisa.