Redação E-Commerce Brasil

Estudo revela principais tendências e insights de mercado gerados pela pandemia

Sexta-feira, 29 de maio de 2020   Tempo de leitura: 12 minutos

Uma das principais empresas de inteligência de mercado e varejo, a WGSN apresentou um estudo sobre tendências e fatos trazidos com a pandemia de coronavírus. Entre os dados apresentados, o principal destaque ficou em relação à importância do compartilhamento de conhecimentos e o trabalho de forma colaborativa entre as empresas. Tudo em prol de um mundo melhor.

Trabalho em conjunto

Segundo o levantamento, marcas estão cada vez mais reconhecendo o poder do conhecimento que possuem. E, concomitantemente, a importância sobre o compartilhamento de seus recursos. Algumas empresas estão cooperando com concorrentes e até disponibilizando acesso a recursos ou segredos comerciais — que, por muito tempo, foram extremamente restritos ou confidenciais.

É um momento importante para as marcas colocarem de lado a concorrência. Para combater o efeitos da pandemia de coronavírus, empresas grandes e de pequeno porte estão trabalhando em conjunto para apoiar seus clientes e funcionários, tanto em relação à saúde como em meios de subsistência do público em geral.

Quando se trata do meio ambiente e os efeitos da crise climática, marcas estão definindo objetivos compartilhados e cooperando para desenvolver roteiros a fim de alcançá-los. A adoção crescente de modelos circulares de negócios tem gerado compartilhamento entre marcas — em materiais e estratégias.

Esse espírito de colaboração está inspirando uma nova era do bem corporativo. Nele, empresas vão além da doação: elas trabalham para lançar iniciativas que criam mudanças significativas às suas comunidades.

Colaboração comunitária

As consequências dos efeitos do coronavírus provaram a importância de compartilhamento de recursos e conhecimento entre marcas e fabricantes. A escassez de suprimentos médicos nos EUA iluminou alguns pontos negativos, consequências das corporações mantendo segredos comerciais e produção em silos.

Empresas de um vasto espectro de tamanhos e categorias se juntaram para fazer máscaras protetoras e evitar a propagação da doença. No setor de tecnologia, os empreendedores rapidamente encontraram soluções para aumentar a capacidade de produção e descentralizar a produção de proteção individual de equipamentos (EPI). Além de essas medidas promoverem ações positivas, elas também são uma ótima maneira de ganhar títulos positivos e permanecer relevante no momento em que, para muitas marcas há pouco mais para vender e poucas campanhas de marketing a serem lançadas.

Tecnologia compartilhada

Diante de uma crise sem precedentes, as empresas estão percebendo que devem trabalhar juntas para oferecer a satisfação do cliente e saúde à sua indústria. Algumas empresas inovadoras estão construindo seus legados em torno de uma filosofia de compartilhamento e suporte, tanto para cima quanto para baixo na cadeia de suprimentos.

As ferramentas de código aberto ajudam a colocar empresas com poucos recursos no mercado online, uma vez que o varejo físico está lutando para se manter. Plataforma de entrega de compras, a Instacart entrega mais de 25 mil produtos de mercearias em toda América do Norte, incluindo Costco, Kroger e Aldi. O amplo espectro de varejistas deu ao aplicativo um valioso acervo de dados relacionados à compra de clientes comportamento. Isso resultou na criação de uma nova inteligência do consumidor — e ela fornece os dados de inventário em tempo real para seus parceiros de CPG (bens de consumo embalados). A ferramenta visa ajudar a amenizar os problemas da cadeia de suprimentos como resultado da pandemia de coronavírus.

No ano passado, a Lush, marca britânica de produtos para o corpo, desenvolveu seu próprio ponto de venda com os princípios éticos em relação aos padrões ambientais. Ele usa menos energia e e reduz o custo, evitando as taxas de assinatura, processamento e manutenção associadas ao tecnologia de terceiros. O software é de código aberto, disponível para download no GitHub para qualquer empresa interessada em usá-lo ou melhorá-lo.

Pensamento colaborativo

A Dimensional Innovations, por exemplo, lançou um escudo exclusivo voltado para a saúde que poderia ser fabricado de forma rápida e barata. Em vez de se beneficiar das vendas, ela forneceu o design em código aberto via Facebook, a fim de outros fabricantes utilizarem. A “receita” foi baixada 3.500 vezes no primeiro fim de semana.

A Ford se articulou para apoiar o setor de saúde, trabalhando com a 3M, a GE e o sindicato United Auto Workers (UAW). Tudo para aproveitar o potencial das fábricas para fazer equipamentos como ventiladores, respiradores impressos em 3D, aventais hospitalares, kits de testes para o vírus e protetores faciais — em uma velocidade impressionante.

Na Califórnia, Eric Garcetti, prefeito de Los Angeles, aproveitou a baixa na produção de moda feminina para recrutar e liderar a LA Protects. Trata-se de uma coalizão entre fábricas locais de vestuário, com o propósito de criar até 5 milhões de máscaras de proteção. Em outros lugares, o New York Times publicou guias e padrões para que os leitores façam suas próprias máscaras com tecidos reaproveitados.

Desenvolvimento de produtos de código aberto

Mesmo quando não usado para fins beneficentes ou sustentáveis, o código aberto cria um futuro com mais possibilidades — que as empresas podem aproveitar para serem mais ágeis e colaborativas. A marca de calçados sustentável Allbirds é um exemplo de código aberto para o bem social. Ela se ofereceu para compartilhar sua formulação exclusiva (que aumentava sua presença no mercado) para o material que substitui o solado de borracha — remove o carbono da atmosfera. Da mesma forma, Rothy’s, outra sustentável marca de sapato, disponibilizou seu fio à base de plástico para outras marcas utilizarem.

No início de 2020, a marca de moda masculina Cold Wall criou uma coleção de código-fonte aberto de hardware. Ela é projetada para abrir a propriedade intelectual da marca para o público em geral para uso em projetos. “Código aberto como filosofia traz à tona valores conscientes da marca. Eles têm a capacidade de aprimorar diretamente a interação entre indivíduos e marca”, disse o designer Samuel Ross sobre o projeto.

Para tornar a moda virtual mais acessível ao consumidor médio, a Carlings, em colaboração com a agência de publicidade da Vice Media, a Virtue, lançou uma camiseta que pode ser personalizada via AR. Usando o software de código aberto Spark, do Facebook, ela projetou o conceito para haver menos desperdício e servir de tela para o ativismo.

Pioneira no movimento de código aberto, a Volvo compartilhou em 1959 seu modelo de cinto de segurança de três pontos — a partir disso, trouxe mais segurança para todo o universo automotivo. Em 2019, compartilhou sua pesquisa focada em dados de segurança de acidentes. Ela abrange 50 anos de levantamento e tem como intenção ajudar montadoras a criarem estradas mais seguras em todo o mundo.

Sustentabilidade na moda

Guias de código aberto e padrões compartilhados podem ajudar as empresas a se tornarem mais responsáveis no que diz respeito a sustentabilidade, fornecendo um parâmetro para medir seu progresso.

A adoção de padrões mais robustos em todo o setor — a fim de diminuir o impacto ambiental — é particularmente importante para a indústria da moda. É justamente nesse ponto que, frequentemente, marcas são flagradas aplicando valores de sustentabilidade e transparência apenas para algumas partes de seus negócios.

O Circular Design Workbook, por exemplo, é um guia da Nike para download de código aberto. Ele apresenta 10 princípios para a padronização da sustentabilidade no fornecimento correntes. Lançado em 2019, revela estudos de caso para ilustrar e facilitar a integração da circularidade nos processos de design.

Como parte de seu compromisso abrangente com a sustentabilidade, o conglomerado de luxo Kering desenvolveu o Environmental Profit & Loss (EP&L). Trata-se de uma ferramenta de modelagem projetada para quantificar o impacto de suas ações e informar melhor o futuro decisões. A Kering tornou sua metodologia pública para todos os outros negócios por meio de um aplicativo, o My EP&L. O uso dessa nova tecnologia permitiu à Kering acompanhar a redução de 77% das emissões de gases de efeito estufa do grupo entre 2015 e 2018.

Marcas menores também estão compartilhando valiosa experiência no desenvolvimento sustentável ou fabricação circular. A Beauty Kitchen, sediada no Reino Unido, forneceu dados de código abertos de suas receitas de embalagens retornáveis para empresas como L’Oréal e Unilever, por exemplo. “Queremos compartilhar nossas experiências com essas organizações maiores. Afinal, são elas que podem realmente mudar o mundo”, disse Jo Chidley, co-fundador da Beauty Kitchen.

Mãos amigas

Numa era de educação e ativismo do consumidor, uma empresa apoiar funcionários em todo o seu ecossistema de manufatura e varejo se tornou parte importante da proteção de sua reputação geral. Como resultado, a filantropia corporativa está evoluindo além de simples doações. Afinal, por mais generosas que pareçam, muitas vezes podem ser focadas em relação tributável ou em movimentos de relações públicas, do que sobre os valores do negócio.

Os esforços focados na comunidade podem ter um impacto acentuado, com uma demonstração de efeito sobre a indústria ou o mundo ao seu redor. A montadora Kia, por exemplo, apresentou seu programa Accelerate the Good. Ele tem como objetivos oferecer suporte às comunidades no entorno de suas fábricas nos EUA — contribui com a fabricação e doação de protetores faciais, nesse caso. Da mesma forma, a empresa de tecnologia de marketing Salesforce gastou milhões de dólares para ajudar a passar um imposto para apoiar os sem-teto em San Francisco, onde sua base está localizada. “É por isso que eu gosto de estar no negócio. Eu posso criar mudanças, e esse negócio deve ser a melhor plataforma de mudança. Se não for, então o que ele é?”, Disse o CEO Marc Benioff ao The New York Times em 2019.

Novas ferramentas digitais para agrupar e distribuir recursos tornaram-se mais imperativo. Indústrias inteiras estão paradas, sem saber como se recuperar dos efeitos da pandemia. A H&M e o Diageo, por exemplo, firmaram parceria com a plataforma de filantropia Givz para apoiar os trabalhadores de suas respectivas indústrias. O produtor de bebidas prometeu US$ 100 mil para o #TipsFromHome, programa que está levantando fundos para trabalhadores hospitalares. O projeto se compromete a doar US$ 1 para cada postagem de mídia social que usar #DiageoDonation nas publicações.

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.