Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Entrega ultrarrápida: oferta pode ter se antecipado à demanda nos EUA

Wednesday, 22 de June de 2022   Read time: 8 minutes

As startups de entrega ultrarrápida que proliferaram nos EUA e no exterior podem ter se antecipado, de acordo com um novo estudo que descobriu que a demanda pelo serviço não é tão grande. Apenas 2% dos 1 mil consumidores norte-americanos entrevistados em uma nova pesquisa da Stor.ai disseram que eram “muito propensos” a pagar uma taxa adicional para que suas compras fossem entregues em 15 minutos. Além disso, 57,5% disseram que definitivamente não pagariam uma taxa pelo serviço, informa a Forbes.

Um representante da Stor.ai disse que as descobertas demonstram que os clientes priorizam o atendimento à entrega rápida. Vinte e sete por cento dos entrevistados disseram que usariam mais os serviços ultrarrápidos se a experiência do usuário melhorasse. Vinte e dois por cento reclamaram de falta de estoque como o pior problema experimentado ao usar as plataformas de entrega.

Tais descobertas não surpreenderam especialistas no RetailWire BrainTrust como Neil Saunders , diretor administrativo da GlobalData, que em uma discussão online na semana passada apontou vários buracos no conceito de comércio rápido.

“A verdade é que a grande maioria das empresas de comércio rápido tinha modelos de negócios que foram quebrados desde o início porque o custo do serviço que prestam não é coberto pelas taxas que os consumidores pagam”, escreveu Saunders. “Além disso, o quick commerce é uma solução que foi em busca de um problema. A grande maioria das pessoas não precisa absolutamente que as coisas sejam entregues em minutos.”

“Com a inflação aumentando e as empresas incapazes de compensar as taxas, não vejo isso como um serviço necessário”, escreveu Richard Hernandez , diretor da Main Street Markets.

“A menos que seja uma emergência, realmente não há necessidade de entregas de 15 minutos”, escreveu Zel Bianco , CEO da Interactive Edge.

A pesquisa da Stor.ai não é a primeira indicação de que a entrega ultrarrápida pode não atrair uma ampla base de clientes. Duas startups de entrega ultrarrápida na cidade de Nova York fecharam em uma única semana em março, levantando questões sobre a viabilidade a longo prazo do modelo.

Durante essa semana, a Fridge No More, uma startup de entrega ultrarrápida gratuita, fechou suas portas para sempre após uma tentativa fracassada de encontrar um comprador, segundo a CNN. Isso ocorreu dias depois que a Buyk, uma startup com um modelo semelhante, encerrou completamente as operações. A empresa fundada na Rússia apontou as dificuldades com o financiamento-ponte causadas pelas sanções dos EUA contra a Rússia como o motivo do fechamento.

“Em Nova York [o comércio rápido] está causando o caos”, escreveu Bianco. “As bicicletas de entrega movidas a bateria estão em todos os lugares – atravessando na diagonal os cruzamentos, passando pelos sinais vermelhos, nas calçadas, indo na contramão nas ciclovias e nas ruas. Nós realmente queremos que mais e mais pessoas sejam feridas e às vezes mortas porque você pode estar morrendo de vontade de comer comida tailandesa esta noite?”

Mais recentemente, a startup Jokr, com sede em Nova York/Boston, acaba de anunciar que reduzirá suas operações nos EUA para se concentrar em fazer negócios na América Latina, de acordo com a Morning Brew .

E fora de Nova York, a startup de entregas ultrarrápidas Gorillas, com sede em Berlim, anunciou em maio que demitiria cerca de metade de sua força de trabalho global, de acordo com a Modern Shipper .

Mesmo líderes aparentes no espaço, como GoPuff, estão desacelerando após um período de rápida expansão no início da pandemia.

A GoPuff começou a reduzir suas operações de armazém no final de maio, fechando ou pausando as operações em 22 de seus 600 armazéns, todos com baixos volumes de pedidos, de acordo com o The Real Deal . A startup também demitiu três por cento de sua equipe global em março.

Alguns membros do BrainTrust, no entanto, viram um lugar no cenário do varejo para o modelo de entrega; as questões eram como e para quem.

“Como consumidores, sempre adotaremos a abordagem mais rápida, porém mais preguiçosa”, escreveu Ken Morris , sócio-gerente da Cambridge Retail Advisors. “O drive-thrus de fast-food era uma moda? Eu não acho. Não, para que a entrega ultrarrápida seja bem-sucedida e ultrapasse os números baixos do estudo Stor.ai, os varejistas devem obter o atendimento e a qualidade do serviço corretos.”

“Há muito hype em torno da entrega sob demanda e, se bem executado, pode criar fidelidade à marca”, escreveu Nicola Kinsella , vice-presidente sênior de marketing global da Fluent Commerce. “Mas você precisa aumentar a precisão do estoque para não decepcionar os clientes e ter que cancelar pedidos. As empresas devem abordar os investimentos em serviços ultrarrápidos com cautela. E, definitivamente, certifique-se de que eles obtenham a disponibilidade de estoque primeiro.”

“Acho que existe um mercado para esse serviço, mas é pequeno e muito específico. Vejo mercearias de alto padrão continuando a fornecer esse serviço para se diferenciar no atendimento ao cliente. Também acho que em bairros de alta densidade pode haver demanda por alguns itens especializados. Dia após dia, compras de supermercado? Não”, escreve Gary Sankary, responsável pela Estratégia de Varejo da Esri.

Leia também: Mudanças no delivery pós-pandemia

Fonte: Forbes

Leave your comment

0 comments

Comments

Your email address will not be published.

Commenting as Anonymous

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER