Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

E se o e-commerce fosse uma edição dos Jogos Olímpicos?

Terça-feira, 09 de agosto de 2016

 O que um remador pode ensinar para um varejista virtual? E um ginasta? A partir do dia 5 de agosto, a cidade do Rio de Janeiro recebe os Jogos Olímpicos de Verão, a maior competição poliesportiva do planeta. O evento, que reúne os principais atletas de 42 modalidades e está repleto de simbolismo e história. Por conta disso, diversas áreas também buscam inspiração nas provas esportivas e, com o e-commerce, não é diferente. O setor tem muito a aprender com as Olimpíadas. Confira:

Marketing Digital – Tiro com Arco

É a relação mais comum entre negócio e esporte olímpico. Da mesma forma que o tiro com arco exige precisão do atleta, o marketing digital também necessita dessa eficiência nas campanhas para impactar o consumidor no momento mais adequado. “Essa exatidão é o que faz uma ação ser bem sucedida ou não. Sem ela, é impossível transformar um usuário em consumidor no meio digital”, afirma Welington Sousa, gerente de marketing da All iN Marketing Cloud, especializada em marketing de relacionamento digital.

Logística – 4×100 metros livres (Atletismo)

É uma área que depende do ótimo entrosamento entre os departamentos: após o cliente passar pelo marketing, equipe comercial e de pagamentos, é a vez da logística carregar o bastão e levá-lo até o fim – ou seja, com o produto no endereço do comprador. Assim como no revezamento do atletismo, qualquer ação pode influencia em todo o desempenho. “A logística é apenas a parte final de todo um processo que começa na entrada do cliente na loja virtual. Só com uma união entre os departamentos é possível garantir que o produto chegue no prazo”, explica Juliano Souza, gerente de marketing da Giuliana Flores, e-commerce líder em vendas de flores online.

Pagamento – Tênis de Mesa

Em questão de segundos, o pedido de transação vai e volta entre a loja virtual, as soluções eletrônicas de pagamentos e os adquirentes. É uma técnica que lembra o tênis de mesa, em que a bolinha é devolvida na mesma velocidade pelo competidor até atingir o objetivo final. “A aprovação de uma transação no e-commerce exige uma solução completa de pagamento para garantir a confirmação no menor tempo possível”, confirma Henrique Dubugras, sócio-fundador do Pagar.me, empresa de tecnologia especializada em pagamentos.

ERP – Remo

Em uma embarcação no remo, os integrantes precisam estar em total sintonia para que a equipe consiga ir mais longe. É o mesmo objetivo, por exemplo, de uma plataforma de gestão, que precisa estar em harmonia com outros recursos da loja virtual para o empreendedor conquistar a medalha de ouro em vendas. “Sem esse entrosamento, o empresário não conseguirá administrar sua loja da melhor forma possível e pode até mesmo ter prejuízo”, detalha Maurício Correa, diretor comercial da EZ Commerce.

Plataforma de e-commerce – Ginástica

O ginasta mais completo é aquele que vence as provas individuais, ou seja, conquista a melhor nota em todos os aparelhos. Hoje, uma plataforma de e-commerce não pode ficar restrita a apenas uma funcionalidade e precisa se adaptar às necessidades dos consumidores. “O sucesso neste mercado passa pelo atendimento aos desejos dos seus clientes. O feedback deles certamente ajuda a melhorar a solução e trazer novos recursos”, explica Thiago Mazeto, gerente de marketing da Tray, especializada em serviços para e-commerce.

Precificação – Judô

Na disputa dos preços, saber o momento mais adequado para “atacar” é primordial para atrair consumidores e ter o preço mais em conta no mercado. Da mesma forma que no judô, é preciso ter uma estratégia para conseguir o ippon e não sofrer o contragolpe dos concorrentes. “A precificação dinâmica auxilia o lojista virtual a ter o valor mais rentável, identificando a hora certa de diminuir ou elevar os preços”, comenta Ricardo Ramos, CEO da Precifica.

Infraestrutura – Triatlo

Diferentemente do varejo físico, o e-commerce funciona 24 horas por dia e precisa aguentar o tráfego de visitantes em qualquer horário. O investimento em uma boa infraestrutura garante fôlego extra para encarar qualquer sobrecarga de acessos – algo semelhante ao enfrentado por triatletas que precisam nadar, pedalar e correr na mesma prova. “Uma loja virtual não pode parar. O empreendedor precisa se preparar para que o aumento do tráfego não comprometa a experiência/compra do consumidor”, afirma Daniela Veronese, gerente de marketing da Locaweb Corp, unidade corporativa da Locaweb.

Segurança – Esgrima

Um site de comércio eletrônico é praticamente um esgrimista, que precisa se defender dos ataques de criminosos cibernéticos que tentam roubar dados financeiros dos clientes. Para isso, é preciso investir em segurança para contra-atacar. “Investir em segurança é item básico para o varejista que deseja vender na Internet. O consumidor só aceita comprar em sites que oferecem uma experiência segura nas transações”, conclui Jerome Pays, diretor de e-commerce da Lyra Network.

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.