Redação E-Commerce Brasil

Aplicativos gratuitos alcançam 10 milhões de downloads no Brasil, revela pesquisa PayPal/BigData

Quinta-feira, 17 de setembro de 2015

O brasileiro não gosta de pagar por aplicativos para seu smartphone ou tablet (85% só fazem download de apps gratuitos) e prefere games a outros softwares, a exemplo dos joguinhos que respondem por 18% de tudo o que é baixado na internet no País. Essas são algumas das informações da pesquisa “O Perfil dos Aplicativos no Brasil”, encomendada pelo PayPal à BigData Corp.

Em segundo lugar no ranking dos aplicativos baixados pelo brasileiro estão os educacionais (9%) e as ferramentas de produtividade (7%). Dentre os (poucos) apps pagos, os que mais despertam interesse do usuário são os que personalizam o aparelho. Os menos cotados são os de revistas e notícias.

“Pouco se conhecia sobre o universo dos aplicativos no Brasil, um mercado fértil para startups e desenvolvedores, importantes públicos-alvo do PayPal”, comenta Paula  Paschoal, diretora de Vendas e Desenvolvimento de Negócios do PayPal Brasil. “Com essa primeira iniciativa, queremos nos posicionar como parceiros e fonte de informação para empresas nascentes na web”, complementa a executiva.

“A pesquisa demonstra, por exemplo, que a startup ou o desenvolvedor que deseja ter sucesso nesse mercado deverá buscar um modelo de negócios que preveja um aplicativo gratuito, o qual conte com formas alternativas de receitas – entre elas, a venda de parte do conteúdo ou o uso de banners”, comenta Paula.

Thoran Rodrigues, sócio-fundador e CEO da BigData, ressalta outro aspecto da dinâmica deste nascente mercado. “Descobrimos que quanto menor o nível de atualização de um aplicativo, mais chance ele tem de cair no ostracismo”, afirma o executivo, responsável pela pesquisa. “Verificamos que, na prática, os apps que alcançam sucesso comercial (via anunciantes e/ou patrocinadores) são os que são constantemente atualizados”, ressalta.

De acordo com Rodrigues, as empresas que atualizam frequentemente os apps – seja para a introdução de novos conteúdos, para aprimorar as versões, ou para atender às demandas dos usuários – têm apresentado um ciclo de vida mais longo. Ele lembra que é comum a liberação de muitas atualizações no início do ciclo de vida de um aplicativo. “Mas, numa segunda fase, ele é “esquecido” pela empresa que o lançou. É importante evitar a prática, programando novas atualizações ao longo do tempo, o que demonstra o interesse da empresa em atender as demandas dos usuários”, conclui o executivo.

Abaixo, alguns highlights da pesquisa, com dados que a BigData Corp. colheu nas principais lojas virtuais presentes no Brasil, como iTunes e Google Play:

– No Brasil, nenhum aplicativo com mais de 10 milhões de downloads é pago.

– 59% dos apps baixados pelos brasileiros em seus tablets ou smartphones contam com menos de 1.000 downloads.

– Em volume, os games lideram com mais de 40% de participação entre os aplicativos com mais de 10 milhões de downloads, seguidos (muito de longe) pelas ferramentas de produtividade (como e-mail ou edição de texto), que batem os 10,5%. As outras categorias têm poucos “líderes”.

– 21% dos games baixados são puzzles (quebra-cabeças); 19,5%, games casuais (simples e rápidos de se aprender); e 16,5%, arcades (estilo fliperama).

– Os apps de comunicação (troca de mensagens) são os que geram mais engajamento (medido por reviews pela pesquisa BigData), o que indica um maior nível de utilização e de preocupação do usuário com esse gênero de aplicativo. Em seguida temos jogos e apps de fotografia.

– Aplicativos gratuitos geram muito mais engajamento entre os usuários do que os aplicativos pagos, respondendo por mais de 98% do total de reviews. Ainda de acordo com o estudo, as pessoas tendem a ser mais “generosas” quando avaliam aplicativos gratuitos, atribuindo notas mais altas a eles.

– Os aplicativos com maior quantidade de downloads (10 milhões ou mais) são atualizados ao menos uma vez a cada 3 meses. Já os aplicativos de primeira linha são atualizados, em média, a cada 20 dias.

Metodologia
A BigData Corp. processa mais de 2.5 Petabytes em suas capturas de informação na web, visitando por meio de robôs 250 milhões de sites e 2,5 milhões de aplicativos semanalmente. Todas as informações processadas são colhidas a partir dos dados públicos das lojas virtuais que oferecem aplicativos na web.

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER