Logo E-Commerce Brasil

Vende-se mais tablets e smartphones no Brasil, do que PC

Por: Vivianne Vilela

Diretora de Conteúdo do E-Commerce Brasil

Vivianne Vilela atua como Diretora de Conteúdo, do E-Commerce Brasil há mais de 11 anos. É responsável pela curadoria dos eventos, dentre eles o Fórum E-Commerce Brasil (maior evento de <nowrap>e-commerce</nowrap> das Américas). Passou mais de 7 anos trabalhando em projetos nacionais para promover a inclusão, transformação e expansão no uso da tecnologia dos pequenos negócios no Brasil pelo Sebrae Nacional.

Nas contas da IDC, a venda de computadores está em queda no Brasil. Entre as razões para o declínio estão a Economia mais fraca e a disseminação dos tablets. Ao longo de 2012, e com um quarto trimestre pior do que o esperado, a comercialização de computadores caiu 2%. O tombo deve ser ainda maior este ano. Nas projeções da IDC, devem ser comercializados 14,4 milhões de unidades em 2013, o que significa 7,2% menos do que 2012.

Como que para sustentar essa projeção, a consultoria afirma que o desempenho das vendas em janeiro já representou uma queda de 22% em relação à dezembro – e foi 4% menor do que a comercialização verificada em janeiro do ano anterior.

“A distribuição dos recursos dos brasileiros entre computadores, tablets e smartphones contribuiu fortemente para os resultados abaixo do esperado para as vendas de computadores”, avalia a analista de mercado da IDC Brasil, Camila Pereira Santos.

O agregado, no entanto, disfarça um desempenho que é muito pior dos computadores de mesa, enquanto há ainda mercado para os portáteis. No ano passado foram vendidos 6,6 milhões de desktops, ou 12% a menos do que em 2011. Já notebooks e netbooks tiveram alta de 7%, com a venda de 8,9 milhões.

Números já divulgados pela própria IDC indicam que as vendas de PCs caíram em todo o mundo em 2012 – algo inédito na última década. O tombo global foi de 3,7% e deve ser repetido este ano, ainda que as projeções da consultoria indiquem um resultado um pouco mais animador, com queda de 1,3%.

* Com informações da IDC