Logo E-Commerce Brasil

Empresário investe R$ 300 mil para vender ração por assinatura quinzenal, mensal ou trimestral

Por: Vivianne Vilela

Diretora de Conteúdo do E-Commerce Brasil

Vivianne Vilela atua como Diretora de Conteúdo, do E-Commerce Brasil há mais de 11 anos. É responsável pela curadoria dos eventos, dentre eles o Fórum E-Commerce Brasil (maior evento de <nowrap>e-commerce</nowrap> das Américas). Passou mais de 7 anos trabalhando em projetos nacionais para promover a inclusão, transformação e expansão no uso da tecnologia dos pequenos negócios no Brasil pelo Sebrae Nacional.

Em 1999, o veterinário Marcio Waldman decidiu que venderia ração pela internet. Seis anos depois, quando fechou as portas de sua clínica e pet shop para concentrar-se na operação virtual, o empreendedor enfrentou a reprovação dos colegas e familiares, que desaprovavam integralmente sua decisão de trocar o certo pelo duvidoso mundo do e-commerce.

Agora, 14 anos depois, ele resolveu fazer tudo de novo. Mais uma vez sob olhares de desconfiança, Waldman lança hoje, em São Paulo, um novo empreendimento. Ele investiu R$ 300 mil no Assinatura de Ração, negócio que consiste em vender produtos de uso recorrente para cães e gatos com base em planos de assinatura quinzenais, mensais e trimestrais para os clientes.

Ao considerar “ultrapassado” o deslocamento das pessoas em grandes centros urbanos para a compra de produtos de primeira necessidade, o empresário estima que a operação representará, em dois anos, 20% do volume de negócios de sua loja virtual. A PetLove – nome do e-commerce – atualmente processa até mil vendas por dia e, após aportes de fundos de investimentos como Monashees Capital, Tiger Global e Kaszek Ventures, pulou de 9 para 60 funcionários de 2011 para 2012 – trocando um espaço de 450 metros quadrados por um galpão de 3,5 mil metros quadrados na capital paulista.

“A gente espera terminar o primeiro ano com 5 mil assinaturas em todo o Brasil”, conta Waldman. “É um plano ambicioso, mas acreditamos que o modelo de assinatura é muito consistente para esse mercado de animais de estimação, sobretudo pela comodidade. Ficar voltando na loja e ter de pegar trânsito e fila é um costume muito pouco funcional”, afirma Nando Guerreiro, executivo da PetLove e responsável pela operação.

Para a atração de clientes, Waldman vai conceder 5% de desconto no portfólio de rações do clube, que são das mesmas marcas encontradas nas vitrines virtuais da PetLove. Para não ficar apenas no comércio de alimentos, o clube também vai oferecer linhas de brinquedos, acessórios, roupas e medicamentos. “Esperamos que a ração seja 80% das nossas vendas. Depois, uns 10% virão de medicamentos como antipulgas e carrapaticidas”, afirma Waldman.

Clientes inscritos para as entregas regulares podem determinar o quanto querem receber e com que frequência, por meio do site da PetLove. O consumidor pode suspender ou alterar o local das entregas a qualquer momento.

 [via Estadão]