Redação E-Commerce Brasil

Deputado quer tornar crime o aumento de preços durante a pandemia

Segunda-feira, 23 de março de 2020   Tempo de leitura: 3 minutos

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) quer tornar crime o aumento de preços abusivos de remédios, produtos hospitalares e serviços médicos durante o período de calamidade pública pela pandemia de coronavírus aprovada pelo executivo.

Com o Projeto de Lei 734/20, o deputado propõe pena de até cinco anos de prisão e multa ao responsável por um aumento de preços, que, segundo ele, atenta contra a coletividade.

“Os fabricantes de produtos médico-hospitalares e serviços, aproveitando desta situação emergencial e de comoção social, aumentam irresponsavelmente os preços de seus produtos sem qualquer justificativa plausível”, criticou.

Até a última sexta-feira (20), o O Procon-SP registrou 4.859 atendimentos sobre problemas relacionados ao coronavírus — cancelamentos de viagens e eventos, além de denúncia de abusividade de preços e ausência de produtos –, dos quais 2.896 foram reclamações e 1.963 consultas.

Plataformas punem anunciantes de preços abusivos

Plataformas de marketplace, como Mercado Livre, Amazon e OLX, já anunciaram que tomaram medidas de punição a anunciantes de produtos de saúde que utilizam preços abusivos após a pandemia de coronavírus chegar ao Brasil. Álcool em gel e máscaras estão entre as mercadorias mais procuradas no varejo online, conforme destacou pesquisa da Ebit|Nielsen.

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) quer tornar crime o aumento de preços abusivos de remédios, produtos hospitalares e serviços médicos durante o período de calamidade pública pela pandemia de coronavírus aprovada pelo executivo.

Com o Projeto de Lei 734/20, o deputado propõe pena de até cinco anos de prisão e multa ao responsável por um aumento de preços, que, segundo ele, atenta contra a coletividade.

“Os fabricantes de produtos médico-hospitalares e serviços, aproveitando desta situação emergencial e de comoção social, aumentam irresponsavelmente os preços de seus produtos sem qualquer justificativa plausível”, criticou.

Até a última sexta-feira (20), o O Procon-SP registrou 4.859 atendimentos sobre problemas relacionados ao coronavírus — cancelamentos de viagens e eventos, além de denúncia de abusividade de preços e ausência de produtos –, dos quais 2.896 foram reclamações e 1.963 consultas.

Plataformas de marketplace, como Mercado Livre e OLX, já anunciaram que tomaram medidas de punição a anunciantes de produtos de saúde que utilizam preços abusivos após a pandemia de coronavírus chegar ao Brasil. Álcool em gel e máscaras estão entre as mercadorias mais procuradas no varejo online, conforme destacou pesquisa da Ebit|Nielsen.

Com informações da Agência Câmara de Notícias

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.