Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Amazon retira itens LGBT+ do ar nos Emirados Árabes após receber ameaças

Sexta-feira, 01 de julho de 2022   Tempo de leitura: 4 minutos

Os resultados de pesquisas relacionadas a produtos LGBT+ da Amazon.com precisaram ser bloqueados nos Emirados Árabes após o governo local pressionar a gigante do e-commerce, sob pena de multas e outras penalidades não especificadas. As informações foram confirmadas pelo The New York Times.

No país, onde a homossexualidade é criminalizada, passível de multas e prisão, a proibição de comercialização ou disseminação de produtos e serviços relacionados à comunidade LGBT+ é parte do compromisso que as empresas, especialmente as de tecnologia e e-commerce, devem cumprir ao operar por lá.

Esse tipo de norma é comum em países restritivos e muitas empresas precisam cumprir as ordens locais se quiserem continuar em operação. A Netflix, por exemplo, cancelou programas na Arábia Saudita e censurou cenas no Vietnã, a Apple armazenou dados de clientes em servidores chineses apesar das preocupações com a privacidade e o Google removeu um aplicativo para um líder da oposição russa no ano passado depois de enfrentar uma ameaça de processo lá.

Imagem de uma bandeira com as cores do arco-íris representando pessoas LGBTQIA+

Depois de ouvir os Emirados, a Amazon fez com que sua equipe de Produtos Restritos tomasse medidas para remover listagens de produtos individuais, e uma equipe que gerencia as habilidades de pesquisa da empresa ocultou os resultados para mais de 150 palavras-chave.

Os termos de pesquisa segmentados variaram amplamente. Alguns eram amplos, como “lgbtq”, “orgulho” e “gay enrustido”, enquanto outros indicavam buscas intencionais de produtos, incluindo “bandeira transgênero”, “broche queer”, “capa para lésbicas” e “capa para iphone lgbtq”. Todos esses termos deram em “nenhum resultado” quando o Times tentou consultar nesta semana, após o pedido do governo à Amazon.

Vários títulos de livros específicos foram bloqueados também, incluindo “Minha experiência lésbica com solidão”, de Nagata Kabi; “Gender Queer: A Memoir”, de Maia Kobabe; e “Bad Feminist” de Roxane Gay.

“Como empresa, continuamos comprometidos com a diversidade, equidade e inclusão, e acreditamos que os direitos das pessoas LGBT+ devem ser protegidos”, disse Nicole Pampe, porta-voz da Amazon, em comunicado. “Com as lojas da Amazon em todo o mundo, também devemos cumprir as leis e regulamentos locais dos países em que operamos.”

Fonte: The New York Times

Leia também: Amazon apresenta novidades robóticas durante evento em Las Vegas

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER