O papel da tecnologia no “novo normal” do varejo

por Flavio Menezes Segunda-feira, 08 de junho de 2020   Tempo de leitura: 3 minutos

O Brasil vive um cenário que ninguém conseguiria prever. Muitas pessoas passaram a trabalhar de casa. Famílias deixaram de se reunir para o almoço de domingo. Festas foram canceladas, o trânsito característico das capitais ficou menos intenso e o comércio teve de se reinventar para sobreviver à crise causada pela Covid-19.

Neste sentido, há um agente em comum que trouxe, na medida do possível, a solução para os desafios que surgiram tanto no dia a dia das pessoas como no dos lojistas: a tecnologia. Ela permitiu que a população mantivesse contato com seus parentes e amigos, além de praticar o home office sem deixar que a produtividade caísse. Enquanto isso, acelerou a transformação digital pela qual o varejo já vinha passando, mas que agora se tornou fator de sobrevivência.

Os exemplos são muitos, a começar por bares e restaurantes. Muitos deles já possuíam uma clientela fiel, mas ainda não faziam delivery. De uma hora para outra, se adaptaram para funcionar de portas fechadas, mas sem deixar de satisfazer o consumidor e, claro, seguir vendendo. Mesmo sem se conectar aos principais aplicativos, esses estabelecimentos conseguiram se ajustar rapidamente para fornecer a entrega em domicílio de uma forma totalmente integrada aos seus sistemas de gestão.

Conexão físico x digital

Algumas lojas do segmento de shopping centers também se beneficiaram da tecnologia. Mais especificamente dos marketplaces que conectam estoques de lojas físicas a gigantes do e-commerce, como Magalu, B2W, Rappi e Mercado Livre. Sem funcionar para o público geral, muitos pontos de venda conseguiram vender graças às plataformas digitais. Isso amenizou algumas questões de lojistas de moda, produtos de beleza, suplementos e itens em geral.

Não dá para deixar de lado o comércio considerado essencial neste momento. Por mais que supermercados e farmácias estejam operando normalmente — com todos os cuidados de prevenção ao coronavírus —, eles também precisaram aprender a trabalhar no “novo normal”. Os mercados intensificaram o serviço de delivery e estão fazendo de tudo para não haver o desabastecimento. Enquanto isso, as drogarias passaram a entregar em casa e a trabalhar com a aprovação de receitas digitais, a fim de evitar que mais pessoas se exponham ao risco.

Pagamento digital

Para suprir a demanda de todos os segmentos acima e dos consumidores, uma tecnologia se destacou e nasceu para reduzir a necessidade de contato durante a experiência de compra. O link de pagamento se mostrou uma inovação capaz de fazer com que uma transação seja concluída sem a necessidade de maquininha de cartão ou qualquer outra forma tradicional. Basta o varejista gerar um link, enviar ao cliente por e-mail, WhatsApp ou qualquer outra rede social para receber a venda com segurança e com integração a seu sistema de gestão.

Neste cenário, é evidente que o e-commerce teve um crescimento significativo. Segundo o IBGE, o segmento foi responsável por 5% das vendas feitas no Brasil em 2019. Desde o início da quarentena, a ascensão do comércio eletrônico se mostrou semelhante à da Black Friday. De acordo com levantamento da Nuvenshop, aliás, o mês de abril teve um número de pedidos equivalente a 3,5 vezes à última Black Friday. Graças à migração acelerada do varejo para o mundo online e os novos hábitos de consumo, a expectativa é que as transações do e-commerce até o final de 2020 cresçam ainda mais.

Gostou desse artigo? Não esqueça de avaliá-lo!
Quer fazer parte do time de articulistas do portal, tem alguma sugestão ou crítica?
Envie um e-mail para redacao@ecommercebrasil.com.br

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER