Logo E-Commerce Brasil

Fiserv apresenta tendências de token bandeira no Fórum E-Commerce Brasil 2022

Por: Júlia Rondinelli

Editora-chefe da redação do E-Commerce Brasil

Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero e especialização em arte, literatura e filosofia pela PUC-RS. Atua no mercado de <nowrap>e-commerce</nowrap> desde 2018 com produção técnica de conteúdo e fomento à educação profissional do setor. Além do portal, é editora-chefe da revista E-Commerce Brasil.

Nos próximos dias 26 e 27 de julho, a Fiserv estará presente no Fórum E-Commerce Brasil para tratar das tendências em omnichannel, como a tokenização de bandeiras que garantem taxas mais altas de aprovação e o aumento de receita.

Com um stand (A07 – ao lado do auditório de Transformação Digital) para demonstração da solução Carat, especialistas da Fiserv recebem os gestores de e-commerce para discutir como as compras online seguem como tendência no Brasil e as oportunidades de aumentar a conversão e, consequentemente, receita. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), em 2021, o setor de e-commerce no Brasil faturou R$ 150,8 bilhões. A projeção para 2022 é positiva e a expectativa de faturamento é de R$ 169,5 bilhões. Só no primeiro trimestre de 2022 (janeiro a março), em comparação com o mesmo período do ano passado, o setor teve alta de 12,59%. Os dados são do índice MCC-ENET, desenvolvido pela Neotrust | Movimento Compre & Confie, em parceria com o Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital (camara-e.net).

Fiserv discute as tendências de token bandeira no Fórum E-Commerce Brasil 2022

E quando se trata de e-commerce, a segurança de todos os agentes envolvidos no processo e, principalmente, do consumidor deve ser garantida. Por isso, a empresa estará no evento para apresentar os recursos de tokenização de cartões que, cada vez mais, ganha espaço entre os gestores de e-commerce. A novidade possibilita uma experiência de pagamento digital mais segura porque substitui o número do cartão por um número alternativo, chamado de token. E o token bandeira é a evolução da tokenização e está se tornando uma maneira eficaz de cumprir a promessa de um processo de pagamento mais transparente e seguro, ao mesmo tempo em que alcança melhores taxas de aprovação para os administradores de e-commerce.

A novidade chega ao mercado brasileiro também com os nomes de tokens EMVCo ou tokens de pagamento. Esse recurso é fornecido por cada uma das principais bandeiras de cartões – em vez do número de conta principal (PAN) do titular do cartão – para reduzir o risco e criar uma transação mais segura. Na prática, os tokens bandeira se movem pelas redes de pagamento da mesma forma que um PAN, permitindo que as transações ocorram sem que o comerciante seja exposto ao PAN subjacente. Os serviços de tokenização de bandeira fornecem os tokens diretamente das bandeiras de cartões para empresas que desejam usá-los para transações.

De acordo com Giuliana Cestaro, diretora de Produtos e-commerce da Fiserv na América Latina, a tokenização é uma das formas de evitar que fraudes aconteçam em sua loja virtual, ao proporcionar uma autenticação mais segura do usuário nas transações. “É importante que os gestores de e-commerce entendam o potencial dessa tecnologia e adotem em suas operações. Isso porque ela reduz o risco da quebra de segurança, aumenta a segurança da recorrência, ou seja, no servidor só fica armazenado o token que, em geral, serve apenas para uma venda ou apenas para uma conta de loja. Outro aspecto importante é que sua implantação exige menos burocracia. Usando o token, a loja se torna mais segura e deixa os clientes mais tranquilos em relação aos pagamentos. E esse é um dos temas que vamos discutir no Fórum E-Commerce Brasil para mais de 15 mil pessoas”, ressalta Giuliana.

Aumento de segurança

O Carat – ecossistema omninchannel da Fiserv – já é capaz de processar transações submetidas pelas lojas virtuais com o token bandeira dos provedores Visa, MasterCard e Elo. Basicamente, as autorizações de venda podem ser submetidas ao Carat com o DPAN (Dynamic Primary Account Number) fornecido pelo emissor do cartão e os criptogramas que são gerados a cada venda a ser processada.

Criptogramas são temporários e gerados para uso exclusivo para cada transação iniciada pelo consumidor, bem como para a primeira de uma série de transações recorrentes ou programadas iniciadas pelo comerciante. Diferente da criptografia, os tokens não têm nenhuma relação direta com os dados originais, portanto, eles não podem ser revertidos para o formato original, coisa que é possível com dados criptografados. Essa vantagem da tokenização traz muitos benefícios, como: blindagem contra hackers; adaptação às carteiras digitais; independência de um objeto físico, como um cartão; fidelização de clientes ao fornecer uma excelente experiência de compra, muito segura e rápida; além de estar de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

Cada token bandeira é atualizado dinamicamente, em tempo real, para garantir que as credenciais estejam sempre atualizadas. Isso cria uma experiência mais perfeita e sem atritos para o cliente e o varejista. O resultado final: taxas de aprovação mais altas e aumento da receita.