Obrigatoriedade do registro de ponto e as consequências pela não marcação

por Carlos Modanês dos Santos Terça-feira, 08 de novembro de 2016   Tempo de leitura: 8 minutos

O registro do ponto constitui-se no critério objetivo de que o trabalho não fiscalizado, nem controlado, é incapaz de proporcionar a aferição da real jornada trabalhada.

No que se refere aos estabelecimentos com mais de dez empregados, a legislação trabalhista é categórica quanto à obrigatoriedade do controle de jornada:
Art. 74, § 2º, da CLT: Para os estabelecimentos de mais de dez trabalhadores será obrigatória a anotação da hora de entrada e de saída, em registro manual, mecânico ou eletrônico, conforme instruções a serem expedidas pelo Ministério do Trabalho, devendo haver pré-assinalação do período de repouso. (grifo nosso).
Importa esclarecer que a obrigatoriedade do registro do ponto prevista no artigo supracitado é válida aos estabelecimentos, não à empresa.

Isso significa o seguinte: digamos que uma empresa possua vários estabelecimentos. Caso um deles tenha mais de dez empregados, haverá obrigatoriedade no registro do ponto. Nos demais estabelecimentos com quantidade menor de colaboradores, a marcação não precisará ser feita.

Mesmo que uma empresa, num todo, possua mais de dez empregados em seus quadros funcionais, mas nenhum estabelecimento isoladamente chegue a esse número, também não haverá obrigatoriedade de registro do ponto pelos empregados.

Conforme já informado, o controle de ponto para os estabelecimentos com mais de dez empregados trata-se de uma obrigação, não opção.

O entendimento jurisprudencial é nesse sentido. Vejamos:
Ausência de controle de horário por vontade do empregador. O controle de jornada de trabalho, nas empresas com mais de dez empregados, não é opcional, tratando-se de dever do empregador e de direito do trabalho. (TRT 4ª R; RO 00442-2005-331-04-00-0, 6ª Turma, relator juiz Mário Chaves, DOERS 08-09-2006). (grifo nosso).

HORAS EXTRAS. OBRIGATORIEDADE DO CONTROLE DE PONTO. ESTABELECIMENTOS COM MAIS DE 10 (DEZ) EMPREGADOS. Se o empregador possui mais de 10 (dez) empregados, está obrigado a manter registro manual, mecânico ou eletrônico de ponto, para anotação do horário de entrada e saída de pessoal. Se o reclamado, nessas condições, não instala o controle necessário, conclui-se que sonegou documentação essencial à vida funcional de seus trabalhadores, desafiando a legislação aplicável à espécie. A injustificada omissão na apresentação dos controles de ponto faz presumir verdadeiras as jornadas elencadas na exordial, conforme doutrina e jurisprudência majoritárias, esta última representada pela Súmula nº 338 do C. TST. Horas extras devidas. (TRT-2 – RECORD: 1075200502602002 SP 01075-2005-026-02-00-2, Relator: PAULO AUGUSTO CÂMARA, Data de Julgamento: 14/04/2009, 4ª TURMA, Data de Publicação: 28/04/2009). (grifo nosso).
Vale destacar que, mesmo se o estabelecimento contar com mais de dez empregados, não são todos obrigados a registrar o ponto.

De acordo com o artigo 62, incisos I e II da CLT, estão dispensados do controle de jornada:
I – os empregados que exercem atividade externa incompatível com a fixação de horário de trabalho (…).

II – os gerentes, assim considerados os exercentes de cargos de gestão, aos quais se equiparam, para efeito do disposto neste artigo, os diretores e chefes de departamento ou filial.
Assim, com exceção dos empregados dispensados por lei, os estabelecimentos que possuírem mais de dez empregados estão obrigados a registrar o ponto.

Destaca-se que a não marcação do ponto poderá acarretar ao empregador demandas trabalhistas e aplicação de multas por parte do Ministério do Trabalho e Emprego.

Dessa forma, caso o empregador sofra uma Reclamação Trabalhista na qual sejam pleiteados horas extras, horário noturno e descumprimento dos intervalos intrajornada e interjornada, este não terá condições de comprovar documentalmente que os horários não foram extrapolados, bem como também não conseguirá provar que o empregado laborou uma jornada a menor.

Vale ressaltar que o ônus da prova quanto a jornada efetivamente cumprida pelo empregado é do empregador. Assim, não havendo controle de jornada, o empregador ficará em desvantagem.

O TST editou a Súmula nº 338 nesse sentido:
Súmula nº 338 do TST – JORNADA DE TRABALHO. REGISTRO. ÔNUS DA PROVA

I – E ônus do empregador que conta com mais de 10 (dez) empregados o registro da jornada de trabalho na forma do art. 74, § 2º, da CLT. A não-apresentação injustificada dos controles de freqüência gera presunção relativa de veracidade da jornada de trabalho, a qual pode ser elidida por prova em contrário. (grifo nosso).
A jurisprudência segue o mesmo entendimento:
HORAS EXTRAS – INTERVALO – ANOTAÇÃO EM CONTROLE DE PONTO – OBRIGATORIEDADE – A fruição regular do intervalo deve ser comprovada pela empresa, através das anotações de ponto (§ 2º, do artigo 74 da CLT), sendo certo que a ausência de referida anotação faz presumir que o intervalo não foi concedido e, ainda, que a anotação de horários uniformes são inválidos (Súmula nº 338, item III do C. TST). (TRT-2 – RO: 00002106720135020017 SP 00002106720135020017 A28, Relator: ODETTE SILVEIRA MORAES, Data de Julgamento: 04/11/2014, 11ª TURMA, Data de Publicação: 11/11/2014). (grifo nosso).

HORAS EXTRAS. ART. 74, § 2º, CLT. ÔNUS DA PROVA. SÚMULA Nº 338, DO TST. É ônus do empregador que possui mais de 10 empregados provar a jornada de trabalho alegada na defesa, uma vez que existe preceito de ordem pública que estabelece para as empresas com mais de uma dezena de empregados a obrigatoriedade do registro manual, mecânico ou eletrônico das jornadas dos empregados. (TRT-5 – RecOrd: 00779002320085050161 BA 0077900-23.2008.5.05.0161, Relator: LUÍZA LOMBA, 2ª. TURMA, Data de Publicação: DJ 30/08/2012.). (grifo nosso).

RECURSO ORDINÁRIO. HORAS EXTRAS. CONTROLES DE PONTO. OBRIGATORIEDADE DE JUNTADA AOS AUTOS. DESCUMPRIMENTO. CONSEQUÊNCIAS JURÍDICAS. Prevalece a jornada de trabalho apontada pelo autor na exordial, quando a ré, após ser expressamente intimada, deixa de juntar aos autos os controles de ponto do ex-empregado, a teor do que dispõe o § 2º do artigo 74 da CLT e o inciso I da Súmula nº 338 do C. TST. (TRT-1 – RO: 10883720105010045 RJ, Relator: Jose da Fonseca Martins Junior, Data de Julgamento: 24/09/2013, Nona Turma, Data de Publicação: 03-10-2013). (grifo nosso).
Nesse passo, no caso de uma Reclamação Trabalhista na qual o empregado alegue jornada extraordinária, sem a respectiva remuneração, o empregador, não dispondo do controle de ponto, assumirá manifesta posição desvantajosa, já que terá contra si a presunção de que o horário alegado pelo trabalhador é verdadeiro.

Além disso, a ausência do registro do ponto poderá ensejar, em caso de fiscalização por parte do MTE, autuações e imposição de pagamento de multas administrativas, por infração ao artigo 74 da CLT, conforme previsão contida no artigo 75 da CLT, bem como o empregador poderá ser instado pelo MTE a firmar TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) a fim de cumprir a legislação trabalhista.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

Deixe seu comentário

10 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Trabalho 12×36, de 07h às 19h.
    Em um dia o rendimento noturno não chegou no horário e o nosso supervisor me fez ficar até ele chegar, o que ocorreu somente às 20h, ou seja, fiquei uma hora a mais que o normal.
    Quando fechei minha folha de ponto, o empregador não aceitou minha folha de ponto com o horário que eu sai (20h) e mandou eu refazê-la dizendo que depois ia acertar comigo essa uma hora, só que eu quero por esse horário que eu saí é direito meu… eles são obrigados a aceitar? Ou tenho que aceitar calada o que eles me mandaram?

    Responder
  2. Boa tarde
    Ontem precisei sair 30 minutos mais cedo
    Hoje quando cheguei de manhã meu cartão estava fora do quadro de ponto e não estavam querendo deixar eu entrar na empresa

    Responder
  3. Se o empregado bater a entrada, e esquecer de bater a saída tendo trabalhado a carga horária estipulada, com testemunhas, ele recebe falta?

    Responder
  4. Pode um empregador exigir q eu entre as sete(sendo meu contratual as oito,posso por exemplo entrar 7 e 10 ou 7 e 20? Ele tem o direito de exigir???) , me pagando a hora extra como hora normal,?

    Responder
  5. Eu trabalho na empresa um ano e três meses todos bate o cartão de ponto menos eu um ano fiquei fz dois horários isso é correto o q tenho de direito e fazendo duas função no serviço

    Responder
  6. Boa tarde

    Ocupo um cargo de confiança dentro da empresa a 10 meses e meu ponto foi suspendo, ocupo o Cargo de gerencia.
    Pós 10 meses já na função o proprietário solicitou que eu assinasse todos os pontos (sendo que o mesmo foi suspenso desde ano passado) para pagar a minha folha mensal de Agosto, visto que me apresentaram uma folha de ponto totalmente diferente da minha carga, visto que trabalhei feriados e domingos a empresa me dava em folga e não em dobro como manda a legislação do Cargo de confiança
    Ficaria muito feliz se me ajudassem me encontro em situação constrangedora com os mesmos

    Responder

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.