Logo E-Commerce Brasil

O papel dos dados no e-commerce e nos marketplaces: como utilizá-los para melhorar o desempenho de um negócio

Por: Cláudio Dias

Co-founder e CEO da Magis5

Co-founder e CEO do Magis5, possui vasta experiência em varejo e <nowrap>e-commerce</nowrap>. Formado em Direito e com MBA, também tem uma formação consolidada em gestão e governança de empresas tech.

Se antigamente para realizar alguma pesquisa ou consultar algum dado havia uma maior dificuldade por parte do público em geral, o que temos atualmente é uma vastidão de informações sobre produtos, serviços e segmentos, tendo também mais organizações que realizam essa tarefa para nos proporcionar estudos completos e os divulgam pelos veículos de comunicação.

O comércio eletrônico e os donos de lojas virtuais, sejam aqueles que vendem em marketplaces, site próprio ou mesmo em redes sociais, beneficiam-se desses levantamentos.

Todavia, é um pensamento comum pensar que uma cultura voltada para análise de dados, e basear suas ações em levantamentos e pesquisas, é algo somente para grandes empresas, sendo que, independentemente do tamanho, a busca por entender mais sobre o negócio é imprescindível para crescer de maneira saudável.

Com a tecnologia que temos atualmente, é possível que pequenos e médios negócios utilizem tanto dados externos quanto internos para analisar sua gestão, processos, executar melhorias e ações de marketing para conseguir aumentar sua demanda.

Neste texto, serão abordadas algumas das possibilidades de utilizar os dados para melhorar o desempenho de um empreendimento.

Coleta e análise de dados: entendendo o perfil dos clientes e identificando oportunidades de negócio em seu segmento

Os dados no e-commerce desempenham um papel fundamental na análise dos consumidores e podem ser obtidos de várias maneiras.

Além das tradicionais fontes de informação, como feedbacks e pesquisas de mercado disponíveis em portais como o E-commerce Brasil, a internet oferece uma ampla gama de oportunidades para analisar o comportamento dos consumidores em diversos canais de comunicação.

Um exemplo disso é o YouTube, que se tornou um valioso gerador de ideias. Ao explorar vídeos relacionados a um determinado assunto ou segmento, é possível encontrar comentários nos quais as pessoas expressam suas dificuldades, problemas e insatisfações com serviços, produtos e marcas específicas.

Essas informações valiosas podem ser aproveitadas para melhorar os processos de uma loja ou mesmo auxiliar no desenvolvimento de uma persona e/ou um cliente ideal, o que facilita a criação de conteúdos para redes sociais e estratégias de marketing, por exemplo.

O mesmo princípio se aplica aos marketplaces, nos quais é possível visualizar as avaliações dos clientes em relação aos concorrentes. Ao identificar as fraquezas de outros vendedores, é possível transformá-las em pontos fortes para a própria marca, criando um diferencial e se destacando na plataforma.

O mesmo vale para a precificação dos produtos, já que atualmente é possível rastrear de maneira fácil e rápida o preço da concorrência. Isso possibilita um melhor planejamento de promoções e valores para determinadas datas, por exemplo.

Porém, um dos aspectos mais importantes para a constante análise de dados é o auxílio na melhoria da experiência de compra para poder reter mais clientes a médio e longo prazo.

O especialista Rodrigo Martucci, CEO da Nação Digital, agência de marketing especialista em e-commerce, comentou para o portal Consumidor Moderno que “o maior segredo para as empresas nos próximos anos não é apenas trazer clientes, mas sim trazer clientes com um custo de aquisição baixo e retê-los por muito tempo”, e isso é possível através do constante entendimento das necessidades dos consumidores e da sua jornada para adquirir um produto.

Temos a Amazon, gigante global que realiza o uso de dados para antecipar suas ações logísticas: a partir de estatísticas de conversão, faz com que produtos sejam transferidos de um centro de distribuição para outro tendo como base quantas pessoas estão visualizando determinado produto em uma região.

Exemplificando: se no Prime Day há 50 pessoas visualizando um Kindle em uma cidade e a taxa de conversão é de 10% naquela região, serão transferidos aproximadamente cinco produtos para lá antes de as vendas serem concluídas para a entrega acontecer o mais rápido possível.

Em resumo, podemos listar os seguintes pontos que demonstram a importância de uma cultura de análise e coleta de dados:

– Planejamento de promoções e ações de marketing

– Rastreamento dos preços e estratégias dos concorrentes

– Melhorar a experiência do consumidor

Visualização de dados e painéis de controle para vendedores de marketplaces: monitorando o desempenho dentro de uma loja

No contexto dos marketplaces, nos quais múltiplos vendedores competem pela atenção dos consumidores, a visualização de dados e o uso de painéis de controle eficientes podem ser ferramentas poderosas para monitorar o desempenho e tomar decisões estratégicas na operação, acelerando processos, visualizando possíveis erros que ocorrem e melhorando a experiência do consumidor. Como dito antes, isso auxilia nos seguintes pontos:

Compreendendo o desempenho do negócio

A visualização de dados permite que os vendedores de marketplaces compreendam melhor o desempenho geral de seus negócios. Por meio de gráficos, tabelas e outros elementos visuais, os vendedores podem acompanhar métricas importantes, como volume de vendas, notas emitidas, pedidos despachados etc.

Essa visão geral oferece insights valiosos sobre o desempenho, o que permite que os vendedores identifiquem áreas de força e oportunidades de melhoria.

Através de ferramentas de relatórios e de análise em tempo real, é possível ver sua lucratividade, estoque disponível, pedidos restantes etc.

Identificação de padrões e tendências

A visualização de dados também ajuda os vendedores de marketplaces a identificar padrões e tendências que podem influenciar suas estratégias de negócios.

Por exemplo, ao analisar dados de vendas ao longo do tempo, eles podem identificar sazonalidades, picos de demanda e mudanças nas preferências dos consumidores. Esses insights permitem que os vendedores se preparem adequadamente, ajustando seus estoques, estratégias promocionais e até mesmo a seleção de produtos.

Tomada de decisões estratégicas embasadas em dados

Com base nas informações visualizadas nos painéis de controle, os vendedores de marketplaces podem tomar decisões estratégicas embasadas em dados. Por exemplo, se um produto específico está apresentando um desempenho abaixo do esperado, os vendedores podem identificar os motivos e tomar medidas corretivas, como otimizar a descrição do produto, ajustar o preço ou oferecer promoções especiais.

Essas decisões são mais consistentes e têm maior probabilidade de sucesso do que aquelas tomadas com base em intuições ou suposições.

SWOT – método utilizado em marketing que pode ser útil para os empreendedores e sua tomada de decisões

A análise SWOT é uma ferramenta amplamente reconhecida no campo do marketing que permite aos empreendedores avaliar o ambiente de negócios e identificar pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças.

Dessa forma, ela é um método que auxilia na tomada de decisões e utiliza os dados, tanto externos quanto internos, para criar estratégias mais eficientes para um negócio e pode auxiliar os empreendedores no e-commerce a entender com mais facilidade as suas dores.

A análise SWOT (ou FOFA, em português) é uma técnica estruturada que envolve a avaliação dos pontos fortes (Strengths), pontos fracos (Weaknesses), oportunidades (Opportunities) e ameaças (Threats) de um negócio ou projeto. Ela permite que os empreendedores identifiquem os elementos internos e externos que podem influenciar seu desempenho no mercado.

Ao realizar a análise SWOT, os empreendedores podem identificar os pontos fortes e pontos fracos de seus negócios.

Os pontos fortes representam as vantagens competitivas, recursos e habilidades que distinguem a empresa, como uma marca forte, logística eficiente ou atendimento excepcional ao cliente.

Os pontos fracos são as áreas que precisam de melhoria, como deficiências na infraestrutura tecnológica, falta de conhecimento em marketing digital ou limitações no estoque.

Ambos estão relacionados a aspectos internos de um negócio.

Já os aspectos externos são relacionados a oportunidades e ameaças.

As oportunidades podem surgir de mudanças nas tendências de mercado, avanços tecnológicos, demanda do consumidor ou lacunas na concorrência. Ao identificar e aproveitar essas oportunidades, os empreendedores podem desenvolver estratégias competitivas para impulsionar o crescimento de seus negócios.

A análise SWOT também ajuda os empreendedores a identificar ameaças potenciais que podem afetar seus negócios no e-commerce.

Essas ameaças podem incluir mudanças na legislação, concorrência acirrada, oscilações econômicas ou crises no setor. Ao antecipá-las, os empreendedores podem tomar medidas preventivas para minimizar seus impactos ou até mesmo transformá-las em oportunidades.

Outro ponto é que também é possível analisar os concorrentes e ver oportunidades em suas fraquezas, assim como ameaças em suas forças. É como pensar que todo negócio possui uma SWOT.

Com uma compreensão clara dos pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças, os empreendedores podem direcionar seus recursos, definir metas realistas e implementar estratégias eficazes.

Conclusão

Todo gestor que deseja crescer seu empreendimento e seu rendimento precisa utilizar os dados de sua operação e de seu segmento para poder ter mais assertividade em sua tomada de decisões.

O e-commerce se beneficia da facilidade que possuímos atualmente de poder consultar informações de concorrentes, e mesmo de consumidores, em questão de minutos, mas ainda é preciso um trabalho para interpretá-las e saber como utilizá-las.

Além disso, a tecnologia e a automação auxiliam na extração de dados ao termos ferramentas atuais que fazem isso de maneira automatizada, otimizando o tempo do empreendedor.

Ainda temos ferramentas como a SWOT que ajudam a dar uma melhor visualização das informações internas e externas para criação de estratégias mais assertivas e baseadas em dados.

Por fim, é preciso reforçar que a cultura de análise e coleta de dados é essencial para todos os tipos de empreendimentos, desde os pequenos lojistas que iniciaram agora sua jornada em marketplaces, por exemplo, até aos que já estão crescendo e possuem tanto loja virtual quanto física.