Acesso rápido

Dicas para escolher a melhor solução de pagamento

por Galleger Ilhe Segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Uma opção central para a estruturação de uma loja virtual é a escolha da sua solução de pagamento. A grande divisão se dá entre duas modalidades: Intermediário de pagamento (ou financeiro) e Gateway de pagamento.

Elas podem ser basicamente definidas assim:

Intermediário de pagamento: a loja se filia ao intermediário, não se filia diretamente às operadoras de cartões e bancos. Assim sendo, os pagamentos dos clientes são recebidos pelo intermediário, que disponibiliza o valor para o lojista alguns dias depois.

Gateway de pagamento: O gateway automaticamente faz a ligação tecnológica entre as operadoras financeiras e a sua loja. Para isso acontecer, sua empresa precisa estabelecer filiações diretas com as operadoras de cartões e bancos. Como resultado, os pagamentos são depositados diretamente na(s) conta(s) da loja.

Em linhas gerais, essas são as diferenças. Olhando dessa forma, são muito similares, mas há alguns detalhes que realmente diferenciam uma modalidade da outra e é de acordo com eles que o administrador de um e-commerce deve tomar sua decisão.

Os intermediários facilitam os pagamentos por permitirem uma variedade muito grande de cartões e métodos. Suas soluções de segurança são mais robustas, prevenindo fraudes de pagamento com maior facilidade.

Entretanto, por serem instituições financeiras independentes, elas tomam decisões próprias e funcionam num ritmo mais independente. Por exemplo, os pagamentos não são confirmados imediatamente, podendo levar até alguns dias para que isso aconteça. As suas taxas costumam ser mais altas do que as dos gateways. Muitas vezes elas pedem que o comprador se registre também no seu banco de dados, além do registro usual na própria loja. Por fim, os intermediários não dão autonomia para o lojista decidir se aprova ou recusa uma venda.

Os gateways, por serem mais independentes, colocam o lojista muito mais em contato com todo o processo de pagamento. As confirmações de depósito são imediatas, já que caem diretamente na conta do lojista. As taxas das operadoras de cartões e bancos podem ser negociadas caso a caso. Porém, com essa independência, o lojista possui autonomia para decidir que vendas serão aceitas ou negadas, ou seja, o impacto financeiro de uma venda fraudulenta recai totalmente sobre o próprio lojista, o que é a grande questão quando se pensa em gateways.

Deve-se considerar o peso de cada escolha de acordo com a sua situação. Operações pequenas, microempresas, podem se beneficiar mais de intermediários, pois o risco de sofrer um calote é menor. Entretanto, o problema que acompanha esse benefício é que muitos compradores legítimos e honestos são negados por conta do rigor aplicado ao critério de aprovação. Isso pode representar a perda de bons clientes.

Ambas as modalidades oferecem muitos prós e alguns poucos contras. Meça a que melhor se ajusta às suas necessidades e qualquer contra certamente será minúsculo frente às suas vendas.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

12 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  1. Excelente artigo Galleger.

    O item citado como uma desvantagem em relação aos Gateways de pagamento, que seria o maior risco de fraudes, pode ser solucionado através da integração do e-commerce com um sistema anti-fraude. Empresas como a Clearsale e Fcontrol possuem ótimas soluções.

    Nós desenvolvemos um módulo para lojas em Magento em parceria com o Gateway de pagamentos Superpay. Vantagens e comparações podem ser vistas em nosso site: http://www.intercase.com.br/gateway-pagamento-magento-superpay/

    Responder
  2. Me permitam complementar pois sobre esse assunto já estou (literalmente) careca de escrever.

    Gosto de colocar a comparação da seguinte forma:

    Há 3 itens muito importantes que normalmente pesam a favor do
    intermediador:
    1. Controle de fraudes: com gateway é necessário contratar uma ferramenta especialista, como ClearSale ou FControl, e operá-la.
    2. Conciliação financeira: com intermediário é bem mais simples.
    3. Capital de giro: enquanto intermediadores depositam o valor de 2 a 14 dias, mesmo que a venda seja parcelada. Na relação direta com a operadora (via gateway de pagamentos), o depósito acontece em 30 dias e parcelado.

    Por outro lado, pesam a favor dos gateways:
    1. Recursos de Conciliação Financeira, Compra com 1 Clique, Pagamento Recorrente, Integração Webservices e integração com ERPs (presentes nos gateways mais robustos)
    2. Taxas por transação mais atraentes (mas que não incluem a gestão de risco)
    3. Checkout mais amigável e vendedor (escrevi um artigo sobre este item: http://www.ipagare.com.br/blog/conversao/checkouts-sistemas-de-pagamento-online/)

    Tenho muitos materiais que já escrevi no passado que estou revisando para em breve publicar alguns artigos a respeito no nosso blog http://www.ipagare.com.br/blog

    Abraços

    Responder
  3. Olá boa tarde! Recentemente abri um e commerce de perfumes importados, e de inicio estou utilizando o Paypal e Bcash, mas tenho visto um grande índice de compras não pagas, pois as pessoas não sabem utilizar esses intermediadores de pagamento, é complexo as vezes, as pessoas procuram praticidade. Já estão com medo de gastar, e quando se depara com essas situações, desiste!!! Qual seria os melhores gateways de pagamento??

    Desde já agradeço!

    Wilson

    Responder
  4. Gostaria de saber qual intermediário de pagamento aprova mais vendas. Atualmente trabalho com o PagSeguro. 40% das compras são canceladas, portanto quero trocar. Na plataforma que uso, não é possível integrar um gateway.

    Responder
  5. Olá, adorei o artigo e estou lendo várias matérias de vcs para entender do assunto, pois pretendo lançar minha loja virtual em breve. Sobre a forma de pagamento, eu vou adquirir a máquina da Pagseguro (moderninha) e ela dá opção de transação por internet tbm, ela se encaixaria no “gateways” ao invés do “intermediário de pagamento”? E com isso eu precisaria ter uma ferramente anti-fraude por fora, seria isso??

    Continuarei lendo a respeito até dominar o assunto rs mas agradeceria se me respondessem. Obrigada!

    Responder

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Oferecimento:
Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.