Logo E-Commerce Brasil

Intenção de consumo já é maior do que a de 2023, aponta CNC

Por: Giuliano Gonçalves

Jornalista e editor do portal E-Commerce Brasil, possui formação em Produção Multimídia pelo SENAC e especialização em técnicas de SEO. Sua missão é espalhar conteúdos inspiradores.

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), apresentou uma queda de 0,5% em janeiro, marcando o segundo resultado negativo consecutivo após ajustes sazonais. Ainda assim, o índice manteve-se acima dos 100 pontos — na comparação anual, houve um aumento significativo de 12,8%.

Imagem de um gráfico virtual sobre o teclado de um notebook
Segundo levantamento, a impressão sobre o momento para comprar bens duráveis também melhorou, alcançando 74,3 pontos em janeiro

Para este ano, a A Confederação Nacional da Indústria (CNI) prevê expansão da economia brasileira em 1,7%. Ainda em 2024, a expectativa é de que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 3%, o mesmo percentual de 2022

Preocupações com emprego e endividamento afetam consumo atual

Apesar da melhoria na satisfação geral, a preocupação com emprego e endividamento continua impactando o consumo. De acordo com a CNC, o subindicador que avalia a satisfação com o emprego atual registrou uma redução de 0,3%, atingindo 127,7 pontos. A incerteza em relação à efetivação de empregos temporários de final de ano contribui para esse cenário.

Contudo, a satisfação com a perspectiva profissional, apesar de estar na zona positiva com 117,7 pontos, apresentou uma queda de 1% este mês, mantendo-se 7,4% acima do mesmo período do ano passado.

Presidente da CNC expressa otimismo, apesar dos desafios

José Roberto Tadros, presidente da CNC, destaca que o consumo das famílias está em recuperação, mas reconhece desafios a serem superados.

Ele expressa a expectativa de um cenário econômico em constante melhoria nos próximos meses, contribuindo para um crescimento mais robusto do consumo em 2024.

Desaceleração da inflação e queda da Selic = poder de compra

A desaceleração da inflação desde setembro e a redução da taxa básica de juros (Selic) — de 13,75% para 11,75% ao ano entre dezembro de 2022 e janeiro de 2023 — melhoraram a percepção das famílias sobre a renda atual.

O indicador atingiu 124 pontos, o mais alto desde março de 2015. A impressão sobre o momento para comprar bens duráveis também melhorou, alcançando 74,3 pontos em janeiro.

Consumidor mostra controle no orçamento, mas mantém otimismo para o futuro

O subindicador que mede o nível de consumo atual ficou em 92,4 pontos em janeiro, indicando insatisfação, com uma queda mensal de 0,7%. No entanto, em comparação com janeiro do ano passado, houve um aumento significativo de 18,1%.

Apesar dos desafios iniciais do ano, a perspectiva de consumo futuro permanece positiva, com o indicador atingindo 109,8 pontos em janeiro, superando a neutralidade.

Famílias de menor renda demonstram cautela, enquanto as mais ricas mantêm satisfação

A queda na intenção de consumir em janeiro foi mais pronunciada entre as famílias com renda abaixo de 10 salários mínimos, registrando uma redução de 0,8%. Em contraste, as famílias com renda mais alta apresentaram um aumento de 0,4%.

Vale destacar que subindicador que mede a perspectiva de consumo futuro reflete essa discrepância, com 107,5 pontos para famílias de menor renda e 121,8 pontos às mais ricas.

Apesar da queda recente, as famílias de menor renda mantêm-se satisfeitas com suas expectativas de consumo desde julho de 2023, enquanto as mais ricas expressam satisfação desde novembro de 2022. O estudo completo pode ser acessado aqui.