Acesso rápido

‘Eu, spammer?’ A nova (e indesejada) cara dos e-mails não solicitados!

por Rodrigo Gonçalves Segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Vamos falar sobre spam. Só que não é o papo de sempre. O conceito original de spam é simples: são e-mails não solicitados, cuja permissão não foi concedida. E os tipos mais comuns de spam também são bem conhecidos: boatos (hoax), correntes, propagandas não solicitadas, golpes, estelionato, programas maliciosos (vírus, worms, etc.) e ofensivos (racistas, violentos, extremistas, xenofobia, abuso sexual, etc.).

Porém, o conceito de spam vem evoluindo nos últimos anos, graças ao comportamento dos destinatários e dos provedores no tratamento às mensagens de e-mail. Hoje, spam também se tornou sinônimo de quaisquer mensagens indesejadas em geral.

Isso mesmo: o seu e-mail, mesmo com permissão, com um cadastramento formal, poderá ser considerado spam pelo provedor e até mesmo pelo destinatário.

Você deve estar pensando: “Eu? Spammer?”. Isso mesmo! Agora você pode estar realmente sujeito a ser classificado assim. Quem nunca recebeu um report de spam (complaint) da sua própria lista opt-in? (Até tu, Brutus, filho meu!)

Certa vez, senti um incômodo ao ouvir a seguinte “pérola” de um profissional do mercado: “O e-mail só é spam até interessar”. Prefiro pensar de outra forma: “Quando o e-mail marketing perde relevância é que se torna spam”.

E como isso funciona hoje? O provedor, por acreditar que você tem uma prática de envio spammer, ou bloqueia ou redireciona o seu conteúdo para o lixo eletrônico, ou o destinatário pode reportar você por meio do link “isto é spam” do serviço de e-mail dele.

E quais são as razões para isso? Do ponto de vista do provedor, é preciso que suas campanhas obedeçam a critérios de qualidade de envio e interesse (engajamento) por parte dos destinatários.

Por exemplo, o tamanho (peso) do html não deve ser grande (pois consome muita banda de conexão), o código-fonte deve ser adequado para renderização (evitando elementos CSS desnecessários) e não possuir grande pontuação antispam (avaliada pelo provedor por meio dos aspectos analisados na sua campanha), seu método de envio deve ser bem equalizado e não pode querer “forçar” entrada no provedor (não adianta querer entregar todos os seus e-mails de uma vez só). Além disso, a base deve estar limpa e livre de e-mail inválidos, entre outros.

Os e-mails inválidos e e-mails sem engajamento merecem um comentário específico. Tudo gira em torno dos custos para o provedor: se você envia e-mails inválidos, apenas consome banda de conexão e processamento do provedor, mas não entrega mensagem alguma.

Eis um custo que não se paga. Enviar e-mails para endereços que jamais abriram as suas campanhas (e, provavelmente, jamais abrirão!) também geram custos para o provedor, pois as peças publicitárias que seriam expostas a esses destinatários não atingirão os seus propósitos. Custo! Que outra razão seria mais relevante para o provedor simplesmente odiar essa prática?

Do ponto de vista do destinatário, diversas razões podem levá-lo a reportar as suas campanhas como spam, mesmo que haja um opt-in: a aparência do e-mail (pode causar confusão ou ser esteticamente feio mesmo!), a frequência que suas campanhas são enviadas (muitas vezes podem aborrecer o destinatário; poucas vezes podem enfrentar esquecimento), fuga do propósito inicial (se o destinatário queria relacionamento e você só oferece vendas, etc.).

Some-se a isso o fato de que, para o destinatário, pode ser mais fácil (e até mais seguro!) clicar em “isto é spam” do que simplesmente utilizar o seu link de descadastro.

Portanto, hoje, o importante é trabalhar o e-mail marketing de forma inteligente em todos os níveis, captando e-mails com estratégias bem aplicadas de opt-in, construindo htmls leves e interessantes, utilizando ferramentas de envio confiáveis, adotando práticas saudáveis de envio, planejando adequadamente a frequência das campanhas, acompanhando os seus resultados e identificando possíveis picos de rejeição dos destinatários – e suas razões.

Sempre mantenha suas listas limpas, faça testes de renderização antes de enviar suas campanhas, promova assuntos curtos e interessantes e faça uso do preheader como estratégia de comunicação.

Lembre-se: na filosofia atual do e-mail marketing, vale a máxima “meu e-mail, minhas regras”.

Você recomendaria esse artigo para um amigo?

Nunca

 

Com certeza

 

Deixe seu comentário

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  1. Excelente artigo.
    Eu tenho vontade de enviar email em massa para público segmentado ainda não fiz por falta de tempo, mas quando terminar a faculdade de marketing irei realizar.
    E-mails para um público segmentado é claro e não apenas ofertas e propaganda. Pretendo enviar dicas, vídeos, brindes, etc
    E com opção da pessoa recadastrar. Tenho que conseguir uma empresa boa. Quem sabe vocês me indicam?? Obrigado e sucesso
    Att,
    Leonardo Freitas

    Responder

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.