Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Uniqlo registra queda em lucro no mercado chinês

Segunda-feira, 18 de abril de 2022   Tempo de leitura: 6 minutos

A proprietária da marca de roupas japonesa Uniqlo sinalizou, na quinta-feira (14), uma grande queda no lucro na China devido às restrições da covid-19, enquanto seu presidente-executivo soou alarmado com o potencial do enfraquecimento do iene de aumentar os custos.

A Fast Retailing é uma referência rara tanto para os varejistas globais na China, seu maior mercado estrangeiro, quanto para a demanda do consumidor no Japão, onde conquistou uma posição dominante ao oferecer roupas casuais a compradores notoriamente preocupados com os preços.

Ele e outros varejistas multinacionais agora estão sendo forçados a lidar com as medidas de bloqueio na China. A Fast Retailing tem 863 lojas no continente e quase 90 pontos de venda em Xangai, onde medidas rígidas, introduzidas no final de março, permanecem em vigor para conter o pior surto da pandemia no país.

McDonalds e Starbucks, cada um com dezenas de lojas em Xangai, também foram impactados, assim como a produção de varejistas como H&M e Nike.

A Fast Retailing disse que espera quedas de receita e uma grande queda no lucro em seu segmento da Grande China no segundo semestre e em todo o ano fiscal de 2022 devido às restrições do covid-19.

As vendas na região da Grande China, que inclui Hong Kong e Taiwan, foram atingidas em março, pois 133 lojas foram temporariamente fechadas. Tem mais lojas Uniqlo na China do que no Japão. Ela abriu uma loja principal em Pequim em novembro e planeja abrir em 100 locais no país a cada ano.

Separadamente, a marca de luxo Hermes disse que teve um forte início de ano na China até o início de março e está confiante de que as lojas fechadas em Xangai reabrirão rapidamente.

Mas o enfraquecimento do iene e os custos mais altos forçaram a Fast Retailing a considerar aumentos de preços, uma grande mudança para uma empresa que há muito compete em preço. consulte Mais informação

“Não há absolutamente nenhum mérito em um iene fraco”, disse o presidente-executivo Tadashi Yanai a repórteres.

“O Japão está envolvido no negócio de importar matérias-primas de todo o mundo, processá-las, agregar valor a elas e vendê-las. Nesse contexto, não há vantagem se o valor da moeda de um país enfraquecer.”

O iene foi atingido este ano, caindo para o nível mais fraco em quase 20 anos em relação ao dólar. Para muitas empresas japonesas que fabricam offshore – como Fast Retailing – o iene fraco é menos benéfico do que para os exportadores tradicionais. consulte Mais informação

A empresa divulgou um lucro recorde semestral na quinta-feira (14), impulsionado pelo crescimento das vendas na América do Norte, Europa e outras partes da Ásia, enquanto a receita e o lucro caíram no Japão e na China.

O lucro operacional subiu 18% para 189 bilhões de ienes (US$ 1,51 bilhão) nos seis meses até fevereiro em relação ao ano anterior.

A empresa manteve sua previsão de lucro para o ano inteiro em 270 bilhões de ienes. Isso se compara a uma previsão consensual de lucro anual de 278 bilhões de ienes, de acordo com uma pesquisa da Refinitiv com 11 analistas.

A crise na Ucrânia criou outro vento contrário, levando a empresa a fechar suas 50 lojas na Rússia, depois de inicialmente resistir aos pedidos para sair do mercado junto com outras grandes marcas. consulte Mais informação

Antes da divulgação dos resultados, as ações da Fast Retailing fecharam em alta de 2,1%, contra um ganho de 1,2% no mercado mais amplo. Mas eles caíram quase 9% até agora este ano.

Leia também: Uniqlo defende decisão de permanecer na Rússia: “roupa é necessidade vital”

Fonte: Reuters

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER