Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Uber Eats não vai mais atuar no Brasil a partir de março

Segunda-feira, 10 de janeiro de 2022   Tempo de leitura: 4 minutos

Na última semana, a Uber Eats anunciou que não atuará mais no Brasil a partir do dia 6 de março. Em resposta, o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci, se mostrou preocupado com a situação. “Fomos pegos de surpresa. E foi uma surpresa muito ruim, porque, em dezembro, nós obtivemos o fechamento do Delivery Center, que já foi horrível para o mercado, porque era uma esperança para o setor por atuar no conceito de open delivery ”, afirmou para a revista Veja.

O principal motivo pela saída da empresa, segundo Solmucci, é o monopólio por parte da outra gigante de entrega, o iFood. Segundo a Nexo Jornal, em junho de 2021, o iFood já concentrava mais de 83% da fatia do mercado, enquanto a Uber Eat ficou com 13% e o Rappi, 4%. 

A saída da Uber Eats do mercado de entregas coloca o iFood em uma posição de ainda mais privilégio. Por isso, Solmucci pede intervenção do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para que a situação seja controlada.

Em 2020 a Uber Eats entregou, junto à Rappi, uma ação contra o iFood, alegando práticas anticompetitivas no mercado. Até então, o iFood exigia contratos de exclusividade com restaurantes, o que impossibilitou o avanço das concorrentes no Brasil. Além disso, há também os descontos agressivos que saem da margem de lucro dos donos dos restaurantes, por falta de opção. 

Em março de 2021, o Cade deu parecer favorável à Uber e ao Rappi ao determinar que novos contratos de exclusividade não podiam mais acontecer. A decisão pode ser revertida ao fim do processo.

“Nós vamos apertar o cerco no Cade para ver se conseguimos limitar um pouco a iFood, porque o negócio está feio. Nós temos basicamente um monopólio. Criamos um monstro cheio de dinheiro para comprar exclusividade e dar cashback ”, disse Solmucci à Veja.

“O pior de tudo é que, no fim das contas, uma estratégia de descontos que eles praticam só ferram com o dono do restaurante. Ora, se eles querem fazer promoção, eles têm de bancar esse custo. Como o iFood tem um poder de mercado cada vez maior, os donos de restaurantes acabam se submetendo. A situação é muito complicada. Nós precisamos de uma intervenção via Cade. Na hora em que só houver o iFood, esse custo vai acabar nas mãos do consumidor”, completou. 

Em contrapartida, o iFood mantém sua posição de que as afirmações não fazem sentido e de que suas práticas de mercado são completamente regulares.

Fonte: Nexo Jornal e Veja

Leia também: Seis tendência de marketing de influência para este ano

Deixe seu comentário

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Sinceramente, aqui em casa usamos muuuiiito mais o Uber Eats do que o IFood e por um simples motivo: Uber Eats tem mais opções e oferece muita oferta. Em contrapartida, o IFood é limitado e poucas ofertas. Não vejo sentido nesta saída, claro que estão falando de margens, custos, etc e entendo perfeitamente. Além do mais, os restaurantes passaram a ser mais ativos nas entregas fazendo seu próprio delivery e oferecendo ofertas, fidelidade, etc.

    Responder
CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER