Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Supermercado online: conheça os principais desafios do varejo na era digital

Sexta-feira, 25 de outubro de 2019   Tempo de leitura: 6 minutos

O varejo, sobretudo o setor de supermercado, faz parte do dia a dia das pessoas. Afinal, não tem como evitar comprar comida. Porém, boa parte do setor teme a transformação digital ou ainda a vê como algo distante e futurista. E quem não se atentar a essas mudanças e se atualizar vai ficar de fora do mercado.

“Os supermercados pensam que estão imunes porque vendem comida e as pessoas sempre vão comprar comida, mas a forma de comprar pode mudar. A forma de locomoção mudou com o Uber, por exemplo”, exemplifica Cezar Taurion, head da KCV, durante o Next Supermarket Generation, realizado pela APAS (Associação Paulista de Supermercados).

O varejo é um dos setores que mais deve crescer nos próximos anos, sobretudo o setor alimentício, segundo dados da Euromotor. “Então pergunto o que te impede de mudar? Você tem medo do quê? Há incerteza, claro. Mas se não arriscar, alguém passa na frente. Tem que pensar fora da caixa porque o risco é ficar parado”, provoca Taurion.

A mudança do consumidor

Heloisa Callegaro, sócia da McKinsey relata que o consumidor está mudando. A compra física é influenciada pelo digital, e é muito pautada na influência social. “Isso é o normal e o varejo precisa se adaptar ao normal”, alerta. “O online e o atacarejo são as frentes que mais crescem. É onde o cliente gasta mais. Não é mais o futuro porque já acontece”. Veja a seguir os principais desafios do varejo para sobreviver ao mercado digital:

Omnichannel

“A separação do físico e do digital não existe mais. Para o cliente, o canal é um só. E a loja física complementa o digital”, afirma Callegaro.

Na rede de supermercado Hema, do Alibaba, por exemplo, há vários setores que transformam a rede em centro de distribuição e restaurante, com o atendimento de robôs que entregam a comida pedida via aplicativo.

“As pessoas escolhem morar perto de uma das lojas, que também serve como centro de distribuição”, explica Callegaro. De acordo com a especialista, no Brasil, um bom exemplo é o Magazine Luiza, cujo e-commerce representa 30% das vendas.

“No consultório de um neurologista, por exemplo, o robô vai analisar o exame e deixar o médico fazer o que só ele sabe fazer. Um contrato pode ser analisado em minutos por um robô, enquanto o advogado terá mais tempo para fazer outra coisa. Os robôs não roubam o nosso, nós é que roubamos o trabalho deles. Então deixem os robôs fazerem o que fazem de melhor”, aconselha Taurion.

Personalização

“A personalização é boa para todo mundo porque o cliente gosta e a empresa economiza, pois gasta menos com marketing. O marketing será direcionado para quem a empresa quer atingir. E pode gerar valor dentro de poucos meses e render por anos”, diz a especialista.

Dados

“Os dados são o novo petróleo. O varejo tem muito dado, mas não faz nada com essa riqueza, que deveria ser mais usada”, afirma. Atualmente, o varejo tem o maior acesso a dados de consumidores, e o compartilhamento de dados pode trazer ganhos, como:

  • Verbas cooperadas com a indústria (ex.: compartilhamento de dados de clientes que participam de ações promocionais)
  • Venda de dados em escalas

Produtividade

A especialista aconselha o varejo a automatizar a operação.

Colaboração

“A colaboração pode ser muito boa quando feita com indústrias. Com os dados do varejo, a indústria consegue atender melhor o cliente. Mas essa parceria não precisa ser só com a indústria”, esclarece. Colaborações bem-sucedidas podem gerar ganhos significativos, como explica Callegaro:

Estoque

  • Melhor gestão de promoções
  • Necessidade reduzida de estoque de segurança

Impacto em vendas

  • Oportunidades para inovações e acesso ao mercado geridas conjuntamente
  • Aumento das vendas de colaborações comerciais

Custo

  • Redução de resíduos com base em análises de fluxo de valor
  • Otimização de ponta a ponta, incluindo empacotamento, transporte e armazenagem

Serviços

  • Melhorias no nível de serviço imediato
  • Capacidade de diferenciar o serviço e focar no que importa.

Leia também: Robôs e drones entregadores? Conheça as próximas tendências do e-commerce

Por Dinalva Fernandes, da redação do E-Commerce Brasil

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.