Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Sudeste Asiático: e-commerce apresenta cenário iniciante; diz empresa

Sexta-feira, 20 de maio de 2022   Tempo de leitura: 6 minutos

O ecossistema do e-commerce do Sudeste Asiático ainda está em um “estágio muito, muito incipiente” e muitos outros modelos de negócios e empresas serão formados na região, disse o sócio fundador de uma empresa de capital de risco.

“Estamos falando de penetração digital de um dígito, em comparação com a penetração geral do comércio”, disse Amit Anand, da Jungle Ventures, uma empresa do Sudeste Asiático.

Quando questionado sobre a competição entre Grab , Sea e Goto pelo coração do mercado de e-commerce da região, ele afirmou que os players ainda estão no ato de abertura deste filme. “De forma alguma, acho que o sucesso ou o fracasso de um empreendimento determinará o resultado da indústria como um todo”, diz.

A Jungle Ventures anunciou, na quinta-feira (19), que levantou US$ 600 milhões para investir em startups, ultrapassando US$ 1 bilhão em ativos sob gestão. Isso os torna “a primeira empresa de capital de risco independente com sede em Cingapura que investe no Sudeste Asiático e na Índia a atingir esse marco”, segundo a empresa.

Sudeste Asiático: internet

De acordo com um relatório do setor de 2021 do Google, Temasek Holdings e Bain & Company , o Sudeste Asiático viu um aumento no uso de serviços digitais como comércio eletrônico , entrega de alimentos e pagamento online durante a pandemia de Covid-19.

Cerca de 40 milhões de pessoas em seis países da região – Cingapura, Malásia, Indonésia, Filipinas, Vietnã e Tailândia – se tornaram novos usuários da Internet em 2020, segundo o relatório.

A tendência da população mais jovem da região ser “100%, 120% online” continuará, observou Anand. “E a Covid está apenas levando mais e mais consumidores, mais e mais empresas a fazer coisas pela internet”.

O comércio social, por exemplo, tem um potencial “muito maior” do que o comércio eletrônico tradicional, acrescentou Anand. O comércio social envolve o uso de sites de mídia social como Facebook, Instagram e Twitter para promover e vender produtos e serviços.

“Nós nem sequer arranhamos a superfície disso… esta região tem sido uma geografia muito, muito fragmentada e diversificada. E se você deseja levar o poder da internet a todos os cantos desta região, fazer parceria com esses influenciadores locais, esses agentes locais e trazer tecnologia para eles é o caminho a seguir”, diz.

Sem pressa

Com taxas de juros mais altas , inflação e uma possível recessão , Anand disse que três de suas empresas adiaram seus planos de IPO. No entanto, as empresas “definitivamente” abrirão o capital em “médio e longo prazo”, disse ele.

“A promessa de ser o CEO de uma empresa de capital aberto e os benefícios que a acompanham são definitivamente muito mais atraentes do que o esforço para isso. É muito promissor que as empresas de tecnologia da região possam fazer IPOs locais e globais”, explicou.

Anand acrescentou que o conselho da Jungle Ventures para suas empresas é não se apressar de volta ao mercado, dada a volatilidade recente e as restrições do lado da oferta .

“Estamos vendo uma grande correção. Se eles puderem, eles devem observar isso um pouco mais antes de voltar ao mercado para que tenham um pouco mais de previsibilidade”, disse ele.

“Nossa orientação geral para os empreendedores da região será que este será um mercado com restrição de oferta e [se houver] alguma necessidade de reforçar os suprimentos, eles precisam se concentrar mais em seus esforços”, conclui o executivo.

Leia também: Em 2025, o e-commerce no sudeste asiático será de US$ 240 bi. E a Amazon já sabe disso!

Fonte: CNBC

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER