Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Dias Toffoli deve decidir contra “Convênio do ICMS” para Simples Nacional

Quarta-feira, 07 de novembro de 2018   Tempo de leitura: 2 minutos

O julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5464 previsto para hoje (7) ainda não teve um final definitivo, apesar de o relator, Dias Toffoli, se mostrar favorável à ADI.

A liminar que suspende a cláusula nona do Convênio 93/2015 ficou conhecida na época por salvar os micro e pequenos empresários optantes do Simples Nacional de terem que recolher alíquotas de ICMS sobre operações de venda de produtos e serviços para outros estados. Para muitos o recolhimento de tal imposto seria insustentável financeiramente, conforme noticiou o E-Commerce Brasil. 

O chefe do Supremo chegou a fazer um resumo do processo durante a sessão e disse que além de referendar a cautelar deve propor ‘a conversão em julgamento definitivo no sentido de julgar a ação procedente’.

Durante o julgamento Toffoli disse considerar inconstitucional o Convênio do Confaz que obriga os optantes do Simples a recolher o diferencial de alíquota na condição de consumidor final. “Estou propondo a rejeição dos embargos, a conversão do referendo em julgamento definitivo para julgar procedente a ação, declarando a constitucionalidade formal do artigo nono deste Convênio”, disse. Após o voto do relator, o ministro Gilmar Mendes pediu vista.

Já o advogado Marcos Vinicius Furtado, representante do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, defendeu que o caso é de ‘inconstitucionalidade flagrante’.

“Estamos tratando de uma obrigação tributária criada por um Convênio do Confaz […] Neste caso não há sequer lei: a obrigação surgiu de uma reunião de secretários de fazenda que resolveu estender a obrigação aos optantes do Simples Nacional, que forem consumidores finais não-contribuintes do ICMS”, declarou Furtado.

Ele explicou que a OAB defende este processo – o da suspensão da obrigação para os micro e pequenos empresários -, por julgar ser uma causa de cidadania e destacou que muitos advogados e profissionais liberais hoje são optantes do regime. “Ao par de quatro excelentes votos na questão anterior já terem reconhecido a inconstitucionalidade que no ponto central se aplica a este caso, destacamos a invasão da reserva legal, de campo específico de uma lei complementar, como estabelecido pela Constituição, ao dizer que o tratamento das pequenas empresas deve ser feito por meio de lei complementar. Jamais um Convênio poderia estender para as micro e pequenas empresas uma obrigação tributária. Em segundo, fere o tratamento preferencial em relação às pequenas empresas”, declarou.

Rogério David Carneiro, especialista em Direito Tributário e em Direito Privado está otimista quanto à decisão do Supremo. “Estou otimista. É importante ressaltar que o parecer da Procuradoria Geral da República foi favorável à tese. O que o Pleno do Supremo está fazendo agora é referendar – ou não – a liminar e até o momento, está 5 a 1 a favor das empresas”, disse Carneiro.

Para ele, caso a liminar caia, os micro e pequenos empreendedores terão uma tarefa árdua para se adequarem à norma. “Na verdade, as empresas do Simples Nacional passariam a ter uma carga tributária maior do que as demais empresas, sendo impraticável concorrer com esse mercado que já é dominado por gigantes”, ele explica.

Segundo Carneiro, a suspensão da cláusula nova do Convênio 93 provoca um retorno ao cenário de 2016: “com muitas micro e pequenas empresas saindo do e-commerce e muitas outras até fechando”.

Histórico

A cláusula questionada na ADI determina às empresas do Simples, assim como às empresas incluídas nos demais regimes de tributação, o recolhimento de alíquotas do ICMS sobre operações que destinem bens e serviços ao consumidor final localizado em outro estado.

Segundo o pedido feito pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), autor da ADI, pela Lei Complementar 123/2006 as empresas do Simples são sujeitas a uma alíquota única sobre a receita bruta mensal. A nova regra, ao impor a cobrança do ICMS sobre cada operação, ameaça a competitividade e a própria sobrevivência das pequenas empresas, conforme a entidade.

Caso a ADI seja julgada improcedente, muitos lojistas de e-commerce deverão ser afetados. Mauro Tschiedel, CEO e fundador da Usinainfo, loja especializada em componentes e ferramentas para eletrônicos disse que sofre a possibilidade de fechar a empresa. “Essa partilha do ICMS torna o meu negócio insustentável. Caso a decisão definitiva seja de manter o Convênio 93 teremos que fechar as portas”, alertou o empresário.

Acompanhe o andamento da ADI aqui

Alice Wakai, da Redação E-Commerce Brasil

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.