Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Soluções inteligentes facilitam gestão financeira das empreendedoras

Terça-feira, 25 de setembro de 2018   Tempo de leitura: 2 minutos

As mulheres têm aumentado consideravelmente sua participação no mercado de trabalho e também encontraram no empreendedorismo uma nova forma de vida, principalmente após a maternidade (68% trabalham em casa).

De acordo com dados da Serasa Experian, as empreendedoras já somam 8 milhões em todo o Brasil sendo que a maioria 27,6% tem entre 31 e 40 anos e está localizada na região Sudeste (53,2%) e Sul (19,5%).

Os ramos em que atuam são negócios focados em comércio de produto (33%), ramo alimentício (20%) e indústria de transformação (12%), sendo que o faturamento de 36% delas é de R$ 2.500 por mês e outras 33% alcançam uma receita igual ou superior a R$ 10 mil mensais.

Com o aumento da participação feminina no mercado de trabalho, não é surpresa que elas também estejam de olho no mercado financeiro e busquem maneiras de investir seu dinheiro. Para Thales Becker Dias da Silveira, Head de Marketing e Sales da Ciclic, plataforma financeira digital, além de serem parte importante da população economicamente ativa, as mulheres brasileiras também se revelam ótimas investidoras.

“Na Ciclic, cerca de 44% dos planos são gerados por mulheres, com média etária de 28 anos e predominância no Sudeste e Nordeste. Acreditamos que essa distribuição tende a ser equalizada. Fatores como a expectativa de vida das mulheres (em média, 7,3 vezes maior que a dos homens segundo o IBGE), reforçam ainda mais essa participação”, disse Becker.

 

As mulheres e a gestão financeira

Com a rotina de trabalho e as tarefas relacionadas à família e estudo – o Ipea estima que o público feminino trabalhe em média 7,5 horas a mais que os homens -, o tempo dedicado à gestão financeira é escasso.

Por conta disso, muitas procuram soluções ágeis para ajudar no planejamento financeiro. “Aqui na Ciclic, muitas mulheres investidoras planejam a educação dos filhos desde cedo, outras planejam para abrir um negócio, fazer uma reserva para o futuro e há também as já estão de olho na reforma da previdência e se preparam para contar com uma aposentadoria mais tranquila no futuro”, explica Thales.

Assim, elas consomem muito conteúdo sobre investimentos e economia em canais no Youtube como por exemplo o da Nathalia Arcuri, EconoMirna, onde as youtubers falam sobre finanças de forma descomplicada para o público leigo.

São várias as formas de ter mais informações sobre finanças: cursos de curta duração, e-books, vídeos, posts e treinamentos online são só algumas das opções. “Contar com o auxílio de um software de gestão ajuda a manter as finanças organizadas. Hoje, várias startups oferecem softwares acessíveis para PME’s que centralizam as informações financeiras em um só lugar!”, explica.

Pensando na mulher empreendedora e líder de um e-commerce, Thales recomenda a previdência privada como um investimento interessante. “As mulheres empreendedoras, na maioria das vezes são profissionais autônomas (e não CLT’s) e por isso não contam com um investimento compulsório em previdência social.

“A Ciclic entra como aliada na organização desses objetivos financeiros. Facilmente, pelo app ou site, é possível criar um plano em menos de 5 minutos, sem burocracia e sem valor mínimo para o investimento inicial, além de contar com a possibilidade de fazer aportes esporádicos, caso possuam uma sobra extra para guardar”, disse.

Ainda, é possível acompanhar a evolução do objetivo, rentabilidade no período e contar com a consultoria de especialistas via chat, e-mail, telefone ou redes sociais. “O que muita gente não sabe é que dentro da própria previdência privada, é possível fazer alocações no montante investido entre fundos de renda fixa, mas também em fundos multimercado, que podem ser um pouco mais arriscados e trazer uma rentabilidade maior para as mulheres que tenham esse perfil”, ressalta.

Desafios mais comuns relacionados à gestão financeira dentro das pequenas empresas*

• Ausência de conhecimento da necessidade de capital de giro;
• Ausência de acompanhamento de índices de performance;
• Ausência de elaboração de demonstrativos mensais de resultados;
• Excesso na retirada de pró-labore;
• Erros na precificação dos produtos;
• Desconhecimento dos custos efetivos, quer sejam eles fixos ou variáveis;
• Existência de conflitos, entre a política financeira e a política de vendas;
• Prazos praticados nos recebíveis, desconexos com as necessidades do capital de giro;
• Erros na política de estoques;
• Desconhecimento dos ciclos operacionais e financeiros.

*Fonte: administrador Ubiratan Reis Ribeiro, especialista em finanças

Que tecnologias/processos existem para facilitar a gestão financeira de empreendedoras?

Falando especificamente de gestão financeira, existem muitos aplicativos que ajudam a organizar as finanças e outros mais voltados para negócios, que são adequados às mulheres que empreendem. Vale sempre ficar de olho nas novidades e acompanhar tendências. Aqui, alguns exemplos:

– Expense IQ
– Mobills
– Conta Azul
– Gullack
– Wisecash
– Gastos Diários
– Orçamento Diário
– CoinKeeper
– Orçamento Facil
– Wally+
– Finance
– Toshl Finanças
– Money Manager
– Moneyfy
– Organizze
– GuiaBolso
– Minhas Economias
– Money Lover

Com todos esses exemplos de aplicativos para ajudar na gestão financeira, fluxo de caixa, gastos pessoais, controle de gastos, planilhas e lembretes de conta, fica fácil conseguir bolar uma rotina e começar a investir em um futuro cheio de possibilidades.

“A Ciclic aposta no conhecimento sobre o mercado de finanças para empoderar as pessoas e mostrar que é possível sim construir um futuro cheio de possibilidades, com um pouco de planejamento e comprometimento! Queremos ajudar as pessoas e dar pequenos grandes passos em direção ao futuro”, finaliza Thales.

Deixe seu comentário

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  1. Grande parte dessas mulheres que são mães encontram no empreendedorismo uma forma de sobreviver a um mercado de trabalho conservador e opressor que é fechado pra elas. O empreendedorismo é uma saída, não uma “grande oportunidade”.
    As mulheres acabam trabalhando “7,5 horas a mais que os homens” porque trabalham no trabalho, em casa e muitas vezes em trabalhos paralelos também, já que consideravelmente são muito menos reconhecidas. Ah, também existem fontes pra isso, 53% menor é o salário delas.

    São realmente muitas “possibilidades”… Cautela, respeito e responsabilidade na hora de falar sobre um assunto tão importante para a maturidade social.

    Responder

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.