Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Shopee cresce no Brasil e tem mais de 1 milhão de sellers locais em menos de 2 anos

Terça-feira, 22 de fevereiro de 2022   Tempo de leitura: 7 minutos

No último ano a Shopee registrou um aumento de 600% no número de vendedores locais registrados no marketplace. A empresa, lançada em 2015 em Singapura, está desde setembro de 2019 no Brasil e, em julho de 2020, vendedores brasileiros começaram a atuar na plataforma. Hoje eles são mais de 1 milhão de sellers registrados, e mais de 85% das vendas da empresa no Brasil são daqui – com perspectiva de crescimento. 

Além do impulsionamento causado pela pandemia, que fortaleceu o e-commerce e aumentou os índices de vendas de todos os setores do varejo online, Leila Cargagnoli, líder de categoria de marketplace da Shopee, falou à redação do E-Commerce Brasil que acredita que outro fator que tenha contribuído para esse aumento de sellers na plataforma é a abordagem hiper localizada para atender as necessidades dos usuários da melhor forma. 

“Vejo que temos nos destacado entre os marketplaces pela experiência única de compras e entretenimento, além de uma ampla variedade de produtos em mais de 30 categorias e facilidade no acesso”, aponta ela. Além disso, Cargagnoli cita também o entretenimento e engajamento da plataforma com os consumidores, por meio dos jogos disponíveis e das Moedas Shopee, que vão além da função de cashback. “[Esses benefícios] atraem cada vez mais compradores para a Shopee, o que é uma grande vantagem para os vendedores.”  

Já do lado dos sellers, um diferencial levantado por ela é o fácil acesso e o suporte para começar um negócio do zero e alavancar as vendas. “Por meio do nosso marketplace, mais vendedores podem iniciar um negócio, pois os custos iniciais são baixos. Além disso, por meio de plataformas como a Shopee, os vendedores podem alcançar novos clientes mais facilmente, porque temos uma das maiores comunidades de compras online, com usuários engajados não apenas durante mega campanhas como a Black Friday, mas com muito tráfego todos os dias.”

A partir de um ecossistema inclusivo, que torna a compra e venda acessível, a Shopee cresceu muito nesses – poucos – anos de atuação no Brasil, atraindo “ShopeeLovers”, como eles costumam chamar, e fortalecendo a imagem da plataforma entre o público brasileiro. Só no Instagram são 6,9 milhões de seguidores, mais do que muitos marketplaces nacionais e já consolidados como Magazine Luíza, Mercado Livre e Casas Bahia

“Muitos dos vendedores começaram sua experiência online conosco, pois somos uma plataforma inclusiva. Além das diversas ofertas e benefícios que oferecemos, nossa abordagem app first nos tornou uma plataforma mais conveniente para nossos clientes”, complementa.

Estrutura da Shopee conquista sellers

Essas vantagens proporcionaram à Karol Barbosa, mineira de 33 anos, passar a comercializar cerca de 2 mil biquinis de produção própria por semana em sua loja, Lookk, na Shopee. Em um ano, sua marca conquistou 69 mil seguidores na plataforma, e tem mais 35 mil avaliações e nota média de 4,8/5. 

“Em 2020, quando chegou a pandemia, eu vendia somente no atacado e muitos de meus clientes, que eram comerciantes e estavam de portas fechadas, suspenderam os seus pedidos e pagamentos. Eu estava com muitas unidades em produção e fiquei desesperada. Buscando uma solução, decidi abrir minha loja na Shopee. Logo, todo o meu estoque foi vendido e assim consegui manter o meu negócio”, conta a empreendedora.

A estrutura de logística e pagamentos integrados também são diferenciais, possibilitando aos vendedores montar suas lojas sem se preocupar com todos os processos de backend. 

“Vendendo na Shopee, o lojista conta com mais vantagens, pois estamos empenhados em apoiá-los localmente para crescer, adaptando-nos às suas necessidades, com campanhas para ajudá-los a alcançar novos clientes, isenção de taxas sobre pedidos cancelados, disponibilidade de cupons de frete grátis (sem custo para os vendedores) e ausência de taxas para anunciar os produtos”, finaliza ela. 

Mesmo com os impactos trazidos pela pandemia, muitos empreendedores digitais prosperaram e o comércio eletrônico se mostrou uma via de resultados positivos para muitos brasileiros. A faixa de empreendedores que faturam entre R$ 1 mil e R$ 5 mil por mês teve um crescimento de 50%. Além disso, os pedidos de sellers locais que venderam pela primeira vez em 2021 subiram 40%.

Leia também: Shopee cresce fatia em e-commerce para dois dígitos e vira ameaça para varejistas

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER