Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Como a Rússia alavancou seu e-commerce em três anos com mudança na legislação

Quinta-feira, 08 de agosto de 2019   Tempo de leitura: 4 minutos

O e-commerce crossborder na Rússia, especialmente as vendas para fora do país, tem crescido exponencialmente nos últimos três anos.

O comércio das lojas russas para o resto do mundo movimentou US$ 430 milhões (R$ 1,68 bilhão) em 2016, US$ 746 milhões (R$ 2,92 bilhões) em 2018 e deve gerar US$ 10 bilhões (R$ 39,2 bilhões) nos próximos anos, segundo Igor Subow, vice-presidente de Logística e Crossborder da E-Commerce Russia Association. E esse crescimento aconteceu após uma mudança na legislação do país.

Igor Subow (sentado) e Maurits Bruggink no Fórum E-Commerce Brasil 2019/Dinalva Fernandes

Junto com Maurits Bruggink, secretário-geral da EMOTA (Associação de Omnichannel e Comércio Eletrônico da Europa, em tradução livre), durante o Fórum E-Commerce Brasil 2019, ele explicou os principais pontos que ajudaram nesse resultado e como isso pode ser exemplo para o Brasil.

“O Brasil e a Rússia têm muitas semelhanças, como a porcentagem da população que usa e-commerce: 30%. O que representa 1% do e-commerce global. O número de compradores online é baixo. Na Europa, por exemplo, o percentual é de 60%”, afirmou Subow.

Mudança na legislação

Em dezembro de 2015, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, criou um programa especial para desenvolver a área. A ideia é de que o governo russo apoiasse as empresas de comércio eletrônico do país para expandir a venda de produtos em mercados internacionais.

“Foi dessa forma que criamos o Centro de Exportação de E-commerce, há três anos, para ajudar as empresas a negociarem com companhias estrangeiras”, explicou o executivo. “O e-commerce crossborder não só abre novos mercados internacionais, mas também reduz o número de intermediários entre as empresas e o consumidor final.”

Exemplo europeu

“Um dos maiores problemas do crossborder é quando o produto desaparece. Na Europa, por exemplo, um item enviado à França pode aparecer na Espanha e, muitas vezes, o produto desaparece momentaneamente do sistema”, completou Bruggink, secretário-geral da EMOTA.

De acordo com Subow, três anos atrás, o número de vendas online da China para Brasil e Rússia era o mesmo. Agora, a Rússia movimenta cinco vezes mais. “Um dos fatores desse aumento é o rastreamento. 80% dos produtos não eram rastreados. Hoje, 60% dos produtos comprados de sites chineses podem ser rastreados. Então, você sabe onde estão”.

Outro ponto muito importante é a experiência do consumidor. “Na Rússia, existem procedimentos muitos bons para falar com clientes, e apenas 2% dos produtos são parados na alfândega. A demora também diminuiu. Os produtos demoravam até três semanas para chegar. Hoje, demora uma semana. 1% dos pacotes são devoluções de compras de até US$ 20, a maioria do Ebay. Mas ainda tem muito que melhorar”, ponderou.

Vantagens de vender por marketplace no crossborder

  • É mais fácil vender: cerca de 36% do comércio online da Rússia acontece em marketplaces;
  • Confiança nos compradores: muitos produtos são vendidos pelo eBay, que começou a atuar no país há dois anos;
  • Proteção dos vendedores: o Alibaba começou a desenvolver o próprio modelo de zona livre na Europa.

Em compensação, veja os três maiores desafios:

  • Experiência limitada dos vendedores;
  • Infraestruturas deficientes;
  • Ausência de apoio do governo.

Assista também: China X Brasil: diferenças inspiradoras

Por Dinalva Fernandes, da redação do E-Commerce Brasil

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.