Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Grupo que comprou Rakuten no Brasil pede recuperação judicial

Wednesday, 05 de February de 2020   Read time: 6 minutes

O Grupo Gencomm, que adquiriu a operação da Rakuten no Brasil em outubro de 2019, entrou, na última segunda-feira (3), com pedido de recuperação judicial de todas as suas empresas. Segundo o processo, que corre no Tribunal de Justiça de São Paulo, o valor das dívidas passa de R$ 46,3 milhões.

Parte do passivo se refere a repasses que deveriam ser feitos a lojistas, mas que estão há meses congelados. Varejistas contam que o impasse já gerou prejuízos milionários e cobram o desbloqueio desses valores.

Além da plataforma, os braços de pagamento e logística do conglomerado – Genpay e Genlog, respectivamente -, além da holding NexGenesis Ltda., também entram no pedido de recuperação.

Na prática, isso significa que o grupo declara não ter condições de quitar seus débitos na atual situação e pede à Justiça auxílio para prorrogar prazos de pagamentos a credores.

Buraco sem fundo

De acordo com o documento, na sua argumentação à Justiça, a Gencomm afirma que a situação caótica da antiga Rakuten era pior do que se imaginava.

Apesar dos esforços para recuperar o caixa – o pedido judicial cita ações como mudança para um prédio 50% mais barato, redução de 90% nos custos do marketing e a demissão de 132 pessoas -, não existiriam condições para seguir com a operação.

Ainda segundo a versão da empresa, alguns dos problemas, especificamente a relação comercial com a loja virtual Xiaomi Brz (revendedora não oficial da marca) e o corte na principal linha de crédito do grupo só teriam sido descobertos após a aquisição da plataforma japonesa.

Xiaomi Brz

Segundo a Gencomm, a loja virtual era a principal cliente da Rakuten, chegando a representar 50% do faturamento da empresa. Para se ter uma ideia, o e-commerce teve faturamento de R$ 10 milhões por mês entre fevereiro e setembro de 2019. O detalhe: 60% das compras eram contestadas porque a Xiaomi Brz não entregava os pedidos.

“Em 24/09/2019, quando o saldo negativo deste lojista já era de cerca de R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais), as partes chegaram a reunir-se para buscar uma solução para o assunto, porém o cliente simplesmente declarou que não tinha os valores necessários para saldar sua dívida”, explica a empresa no pedido de recuperação judicial.

“Atualmente, o saldo de chargeback não reembolsado pela Xiaomi Brz alcança o valor de cerca de R$ 5.500.000,00 (cinco milhões e quinhentos mil reais), sendo que todas as tentativas de cobrança de tal valor até hoje restaram infrutíferas, não tendo sido possível localizar patrimônio da Xiaomie Brz para arcar com o prejuízo”, completam os advogados da Gencomm.

Com isso, a Cielo – adquirente da plataforma -, segundo o pedido, teria informado o fim das relações comerciais com a Gencomm no dia 31 de janeiro de 2020.

Crédito bancário

Outro problema enfrentado pelo marketplace é o corte de um crédito de R$ 65 milhões com o banco Itaú, que possibilitava o capital de giro da plataforma. “Inicialmente, a informação recebida pelo Grupo Gencomm era no sentido de que o banco não tinha intenção de descontinuar a linha de crédito até então vigente”, diz o pedido judicial.

“No entanto, com a iminência da alteração da estrutura societária e do controle nas Recuperandas, o banco passou a indicar que a continuidade da linha não estava garantida e a concessão de crédito sob as novas condições (novos sócios e novos administradores nas Recuperandas) deveria passar por um processo de avaliação e validação de inúmeros aspectos”, segue o texto.

A partir daí, todos os ganhos da Gencomm, inclusive os que seriam repassados aos lojistas, passaram a ir diretamente para o banco como forma de amortizar o financiamento. Ainda não há definição sobre o futuro dessa linha de crédito.

Processo na Justiça

O processo corre no Tribunal de Justiça de São Paulo, na 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais. Na última terça-feira (4), o juiz Tiago Henriques Papaterra Limongi deu 15 dias para a Gencomm informar o valor da causa.

Até a públicação desta matéria, a Gencomm não havia se manifestado sobre o pedido de recuperação. A reportagem será atualizada com o outro lado assim que houver resposta.

Por Caio Colagrande, da redação do E-Commerce Brasil

Leave your comment

3 comments

Comments

Your email address will not be published.

Commenting as Anonymous

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  1. Gente, parem de palhaçada… isso foi uma fraude arquitetada pela Rakuten para tirar o nome dela dessa RJ… e futura falência… . Mesmo eles sendo patrocinadores seus, vocês devem falar a verdade. Vocês tem que honrar a classe que pertencem e representam.
    Mais de 300 lojistas lesados, mais de 50 milhões devidos só aos lojistas, fora os 46milhões já protestados do banco Itaú, um golpe desse, onde retiram o CEO da Rakuten mundial do contrato social da empresa, entra esse fundo americano falido, e em menos de 4 meses da “venda” a empresa entra em RJ???? É mais do clara a fraude… , e vocês ainda fazem uma reportagem dessa??? Rakuten Brasil só tem a ensinar como lesar e roubar parceiros, tendo a Rakuten MUNDIAL, como mentora de tudo. ATENÇÃO GALERA… .

    Reply
    1. Não acho que seja isto. O que entendi pelas matérias é que a divida é basicamente o que tinha a pagar para os lojistas, e isto nao é exatamente uma divida. Explico. O dinheiro está no adquirente até que compras parceladas sejam recebidas. Entao se os lojistas venderam, o dinheiro existe mas não está disponível. O texto dos advogados da Gencomm é cheio de vitimismo, como era de se esperar aliás. Mas não menciona dívida feita pela Rakuten. Notem que dizem q a operacao tinha gasto 40MM nos meses anteriores, o valor é parecido, mas não diz que esta conta ficou para Gencomm, diz q a dívida é dos recebíveis não repassados. Os credores são os lojistas. Então o problema foi porque tiraram a linha de credito. Agora qualquer troca de controle de uma empresa vão revisar as linhas de crédito, isto é padrão. Será que compraram uma empresa com 65MM de linha de crédito e não sabiam? Não sei, não estou acusando nínguem. E não to defendendo nínguem, até porque nao tenho todos os documentos, só o que li o que saiu aqui no Ecommerce Brasil. Mas teria que ter alguem pra ir a fundo nisto. Ia esquecendo, os 5MM da xiaomibrz virou divida mesmo que não vai receber, mas é 5 em 46.

      Reply
  2. È isso mesmo. Tudo picaretagem. A Rakuten queria mesmo era vender no Brasil atraves da rakuten.com. Como não vendia nada, chamou o japa René Abe que era da PayPal e tinha nome, fez um auê no marketing e fisgou nós trouxas com sua credibilidade. O japa se pirulitou antes da venda em outubro. Acharam uns trambiqueiros “Ten Oaks Group” (quem???) do tal Michael Hahn e agora faliram. conclusão: no Brasil é fácil ser pilantra.

    Reply
CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER