Redação E-Commerce Brasil

Projeto de Lei obriga lojistas a oferecerem agendamento de entregas

Terça-feira, 15 de agosto de 2017   Tempo de leitura: 3 minutos

Sem tempo para ler a notícia? Experimente o player acima!

A Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) aprovou, na última semana, projeto de lei que obriga lojistas a oferecerem agendamento de entregas. Ou seja, se o PLS 635/15, de autoria do ex-senador Douglas Cintra, for aprovado, ao comprar qualquer produto ou serviço, o consumidor deverá ter a opção de agendar a entrega na data e turno de entrega mais conveniente.

Além de produtos, se o projeto virar lei, a modalidade de entrega agendada também será obrigatória para a prestação de serviços. De acordo com a proposta, a empresa poderá cobrar pela entrega ou visita agendada, mas deverá explicitar o preço do serviço no momento da compra ou contratação.

O texto original, que altera o Código de Defesa do Consumidor, apenas autorizava a empresa a fornecer, de forma onerosa, o serviço de entrega agendada. A relatora substituta, senadora Regina Sousa (PT-PI), apresentou uma emenda substituindo a palavra “autorizar” por “obrigar”.

“Acerca do mérito, o projeto merece prosperar. Um pequeno ajuste, porém, deve ser feito. Ao invés de apenas ‘autorizar’ a empresa a fornecer, de forma onerosa, o serviço de entrega agendada com data e turno especificados, a norma deverá ‘obrigar’ a empresa a fornecer ao consumidor, também de forma onerosa, a opção pela contratação desse serviço”, afirmou Regina no parecer.

Se descumprir o horário, a empresa abrirá a possibilidade de o consumidor rescindir o contrato e deverá devolver o valor pago pelo agendamento. Também estará sujeita a outras sanções previstas no Código de Defesa do Consumidor.

Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça decidiu que a Via Varejo deveria pagar multa a um cliente que teve a entrega atrasada. A medida deve gerar impacto para lojistas do país inteiro.

“Embora alguns consumidores residam em prédios com porteiros ou disponham de pessoas que podem, sem prejuízo de suas rotinas, receber mercadorias ou serviços de acordo com a grade de distribuição das empresas, a vida moderna impõe muitas vezes que todos os membros de determinadas famílias trabalhem fora, não sendo raras as situações em que o consumidor se vê obrigado a deixar de lado seus afazeres para aguardar a entrega de um produto ou serviço”, defendeu o então senador no texto do projeto.

O projeto é terminativo, e por isso, seguirá para a Câmara dos Deputados caso não haja recurso para votação no Plenário. No momento, o texto aguarda leitura do parecer no Senado.

Com informações da Agência Senado de Notícias

Deixe seu comentário

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

  1. Ao consumidor que estará super feliz ao fim dessa leitura, fique sabendo que para tal fato ocorrer não existe mágica a empresa que for vender pedido e a transportadora que for entregar o pedido embutirá no preço final do produto ou no frete ou sem você perceber nos dois todo esse custo. É a tal comodidade que vai custar mais caro para todos nós. Deveria ser tão somente uma opção e somente aqueles que exigirem este serviço pagaria por isso.

    Responder

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Leads Qualificados: Dialhost Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss People Marketing: Dialhost

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.