Redação E-Commerce Brasil

Pix vai prever limite de valor da transação para diminuir risco de fraudes

Quinta-feira, 01 de outubro de 2020   Tempo de leitura: 3 minutos

Após manifestações de preocupações dos bancos para o regulador em relação a possíveis fraudes, o sistema de pagamentos instantâneos Pix, que estreia em novembro, será lançado com a possibilidade de limite para as transações. O sinal positivo do Banco Central em relação a essa demanda ocorreu na última sexta-feira (25). Bateu-se o martelo, assim, que o limite será o mesmo que das transações de débito.

“Discutimos muito com o Banco Central. Em todos os lugares do mundo tem limitação e, a princípio, não teria aqui. Sempre que se começa um sistema de pagamentos instantâneos há o risco de fraude, e não se ter uma limitação era uma preocupação grande”, disse o diretor de estratégias PME e open banking do Itaú Unibanco, Carlos Eduardo Peyser, em seminário sobre o Pix, organizado para jornalistas na quarta-feira (30). O BC estabeleceu, assim, que o limite do Pix deveria ser o mesmo de “transações equivalentes”.

Conforme Peyser, em um primeiro momento poderia se imaginar, segundo ele, que as operações mais próximas são os DOCs e TEDs, mas esses não operam fora do horário comercial, destacou, logo não seriam uma boa comparação em termos de segurança. Por isso, a conclusão foi de que o débito seria um equivalente mais apropriado.

Contudo, a redução de valor é uma possibilidade e vai ficar a critério de cada participante, até porque há aqueles, como as carteiras virtuais (wallets) que não possuem operação de débito. O limite da operação do Pix entre os bancos, por sua vez, não será igual, visto que cada um tem um limite diferente.

Pix com limites diferenciados

Para os bancos que têm um teto diferente para o uso do débito de madrugada, por exemplo, os limites do Pix poderão acompanhar essa mudança. Pelo o que foi estabelecido pelo BC, o limite da operação do Pix não pode ser inferior ao limite do débito.

O diretor de Segurança Corporativa do Itaú, Adriano Volpini, disse que tal limite não é “imutável” e que pode ser alterado conforme o sistema, as pessoas e a tecnologia evoluem.

“É quase óbvio que teremos um avanço nessas ofertas do canal para o cliente. Mas o limite hoje visa mais preservar as pessoas e o sistema de pagamentos em si do que propriamente limitar perdas. Os bancos têm uma experiência e resiliência importantes para esse tipo de problema”, disse o diretor, segundo a Agência Estado.

Leia também: Em quais pontos o Pix, pagamento instantâneo, vai transformar o e-commerce?

As informações são do 6 Minutos, com Agência Estado

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.