Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Pesquisa sobre e-commerce indica que apenas 30% das lojas virtuais do Brasil estão ativas

Terça-feira, 31 de julho de 2012

O crescimento do comércio eletrônico brasileiro é feito com tecnologia e pessoas. Por trás desse crescimento há uma força de trabalho cada vez mais preocupada em melhorar suas habilidades para se diferenciar nesse mercado. Além disso, um grande contingente de vagas e oportunidades são abertas diariamente no varejo digital.

O problema se agrava pois as escolas tradicionais de graduação e formação profissional não conseguem formar profissionais para atender essa demanda, seja por lentidão na mudança de suas grades curriculares, seja por falta de professores especializados com experiência de mercado e didática.

Tendo isso em vista, a Ecommerce School fez uma pesquisa especial sobre o mercado de trabalho no ecommerce brasileiro. A pesquisa foi separada em duas fases: uma qualitativa e uma quantitativa.

De acordo com dados levantados na pesquisa, existem atualmente 23 mil lojas virtuais no Brasil. Dessas, apenas 30% estão ativas, ou seja, investem em divulgação e realizam pelo menos dez vendas por mês. Estima-se que esse número alcance 45.000 até o final de 2014, mantendo-se a proporção de 30% ativas.

As outras 70% estão no ar, mas foram “abandonadas”, ou seja, não investem e consequentemente não vendem. O principal motivo pelo qual tantas lojas, são criadas mas poucas dão certo, é que a barreira de entrada no mercado é muito baixa. Com menos de R$ 50,00 por mês é possível abrir uma loja virtual. Por outro lado, falta de conhecimento e planejamento são empecilhos para continuarem no mercado.

Confira no arquivo abaixo a pesquisa na íntegra.

Com informações de Blog Varejo Sebrae 

Deixe seu comentário

3 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

  1. Tal qual no comércio convencional, a mortalidade das lojas virtuais se mostra uma constante crescente no país, justamente devido ao sonho do brasileiro médio em ser seu próprio patrão,
    Isso porque daí ao desejo de preparar-se para a empreitada, a distância ainda mostra ser muito grande,
    Haja visto a quantidade de vagas de emprego em todos os níveis que o mercado não consegue preencher, muitas vezes unicamente por falta de preparo dos candidatos,
    Essa é a cara do brasileiro típico, tentando dar um jeitinho em tudo que faz.

    Responder
  2. O comércio eletrônico ainda é muito novo no Brasil; as pessoas entram iludidas e sem preparo. Acham que sabem utilizar as redes sociais, que podem vender sem conhecimento de marketing digital e acabam entrando num mundo que se torna cada vez mais exigente e implacável. Quem deseja vender na internet precisa de um bom profissional para gerenciar a loja, precisa de conhecimento….e claro: precisa de estrutura e investimento.

    Responder
  3. E verdade, para ter sucesso com vendas online e preciso ter os mesmo cuidado da loja offline, tem que ter conhecimento, planejamento e invertimento sem esses trio não chega a lugar nenhum.

    Mas como consultor de venda online se eu tive-se de dar uma unica dica seria, foque em um publico especifico. Qual problema meu produto ou serviço resolve, e quem é esse publico alvo, e homem, mulher, qual a idade dele, e que ele mais deseja.

    se você tem um produto que resolva um determinado problema, então encontre essas pessoas que busque por essas solução.

    desculpe mais não para aprofundar, mas se tiver alguma pergunta pode me mandar no meu mail que terei o maior prazer em ajudá-lo.
    contato@gildasioduarte.com.br

    Responder

O projeto E-Commerce Brasil é mantido pelas empresas:

Oferecimento:
Hospedado por: Dialhost Transmissão de Webinars: Recrutamento & Seleção: Dialhost Métricas & Analytics: MetricasBoss

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.