Redação E-Commerce Brasil

Pandemia acelera e-commerce na Rússia e coloca áreas remotas no mapa online

Quinta-feira, 26 de novembro de 2020   Tempo de leitura: 9 minutos

A crise do coronavírus ajudou a alimentar um aumento nas compras online na Rússia, que colocou até mesmo a extensão gelada remota de Chukotka no mapa do comércio eletrônico.

A região varrida pelo vento no extremo leste da Rússia, onde as temperaturas no inverno podem cair abaixo de -50 graus celsius, começou a crescer para os varejistas online desde que a pandemia começou a manter os consumidores em casa.

É uma tendência que está ocorrendo em toda a Rússia, estimulando um crescimento explosivo para varejistas online. Tradicionalmente incapazes de fazer entregas rápidas no maior país do mundo, onde as estradas ficam obstruídas com gelo e neve por meses, eles têm investido pesadamente em centros de logística e pontos de entrega.

Com a grande ausência de players estrangeiros, as empresas russas estão lucrando com o aumento das compras online. “É muito conveniente”, disse Alina Lunina, uma professora de inglês da cidade de Samara que agora compra roupas, livros, maquiagem e, às vezes, mantimentos online.

Ela usa a empresa russa Wildberries, que ela diz entregar aos pontos de coleta em dois dias, embora Samara esteja a mais de 860 km de sua sede em Moscou. “Existem muitos pontos de pick-up na minha área. Demoro cinco minutos para andar ”, disse ela à Reuters.

Boom do e-commerce

O boom do comércio eletrônico é um desenvolvimento bem-vindo para os economistas que dizem que a Rússia depende demais das receitas do petróleo e do gás, especialmente porque as vendas no varejo, um indicador da demanda do consumidor, despencaram quando as medidas de bloqueio mantiveram as pessoas em casa no início da pandemia — que matou mais de 34.000 pessoas na Rússia.

O comércio eletrônico representou apenas 1,4% da economia do país em 2019, de acordo com a empresa de pesquisas Data Insight, em comparação com 2,6% nos Estados Unidos e 5,1% na China.

“O mercado de comércio eletrônico russo está crescendo significativamente mais rápido do que nos Estados Unidos ou nos maiores países da UE (União Europeia), graças ao efeito de base de baixa penetração”, disse o co-fundador do Data Insight, Boris Ovchinnikov, à Reuters.

Ele calculou o valor de mercado na Rússia para o primeiro semestre de 2020 em 1,16 trilhão de rublos (US$ 15,2 bilhões).

Analistas da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor esperam que as vendas online anuais na Rússia cresçam mais de 40% este ano, para cerca de 2,5 trilhões de rublos, e 10-15% ao ano nos próximos cinco anos.

Leia também: Rússia incentiva pagamentos digitais para limitar propagação de coronavírus

Fragmentação na Rússia

A penetração do comércio eletrônico na Rússia aumentou de 7% do total das vendas no varejo em 2019 para cerca de 11% em 2020, embora ainda seja menor do que nos Estados Unidos, onde a penetração é de cerca de 19%, disse Marija Milasevic da Euromonitor.

O mercado russo também é muito fragmentado.

A Wildberries, de propriedade privada, lidera com 15% do mercado, de acordo com a Data Insight, e a Ozon, que entrou com pedido de oferta pública inicial nos Estados Unidos, tem 7%.

Atrás deles está o AliExpress Russia, uma joint venture entre o gigante chinês de compras online Alibaba e parceiros russos. Outros rivais incluem a empresa russa de eletrônicos M.Video; Sbermarket, controlada por uma joint venture entre o maior banco da Rússia, Sberbank, e o grupo de internet Mail.Ru; e a empresa de internet Yandex.

A Amazon ainda não entrou na Rússia, onde o tamanho do país — tem 11 fusos horários — e seu competitivo mercado de TI representam desafios.

“Para cobrir pelo menos duas grandes cidades da Rússia, a empresa precisa investir pesadamente não apenas na entrega, mas também no armazenamento para ter mercadorias suficientes para manter o nível de qualidade atual”, disse Sergey Belyaev, da Sova Capital.

A Amazon não respondeu a um pedido de comentário da publicação.

A Wildberries, que disse ter atraído mais de 12 milhões de novos clientes para seu site nos primeiros nove meses de 2020, teve um crescimento espetacular.

Os pedidos entre abril e outubro aumentaram 490% em Chukotka, uma região remota localizada do outro lado do Estreito de Bering no Alasca, onde os invernos trazem noites intermináveis ​​e temperaturas abaixo de 50 graus celsius.

A Wildberries disse que as encomendas de abril a outubro também dispararam 385% na Inguchétia, no norte do Cáucaso, e 239% na Buriácia, uma região no leste da Sibéria.

A varejista, que afirma ter mais de 34 milhões de clientes, agora tem 13 depósitos e dezenas de centros de triagem e distribuição em toda a Rússia, o que reduz o tempo de entrega no Extremo Oriente e na Sibéria.

Grandes desafios

Logística e infraestrutura precária são grandes desafios, mas os serviços de entrega rápida aumentaram nas grandes cidades, com baixos custos de mão de obra ajudando as empresas a manter os preços baixos.

Os clientes da Wildberries podem solicitar itens para experimentar em pequenos locais espalhados pelas cidades. A Ozon opera uma rede de caixas drop-off para os clientes retirarem os pacotes.

A Ozon disse em março que estava gastando US$ 300 milhões em melhorias logísticas e abriu um centro de logística em Rostov-on-Don, perto da Ucrânia, para entrega no mesmo dia.

Em abril e maio, a Ozon registrou um aumento de 84% em novos compradores ativos ano a ano, e as regiões fora de Moscou respondem por mais de 55% de seu valor bruto de mercadorias, mostraram dados da empresa.

Como em outros países, os pedidos de compras online dispararam durante a pandemia e a corrida para reduzir ainda mais os prazos de entrega.

Yandex lançou no ano passado um serviço, Yandex.Lavka, para entrega de alimentos em 15 minutos. Seguiu-se o seu sucesso com um serviço de entrega de comida, Yandex.Eda.

Yandex.Lavka tem pequenos armazéns em Moscou e usa mensageiros em bicicletas, bicicletas elétricas ou motocicletas. Seus pedidos mensais aumentaram para mais de 1 milhão de cerca de 50.000 um ano atrás, disse a empresa.

Sbermaket disse que seus pedidos em cidades como São Petersburgo, Yekaterinburg e Nizhny Novgorod foram até 17 vezes maiores no terceiro trimestre do que nos primeiros três meses de 2020.

A Sbermarket espera que o setor de e-mercearia continue crescendo rapidamente na Rússia nos próximos anos, disse seu diretor financeiro, Michael Loyko.

A mercearia online Utkonos, que relatou um aumento de 65% nas vendas ano a ano no terceiro trimestre, também disse que a demanda por serviços de entrega provavelmente continuará crescendo agora que os consumidores têm o gosto pela conveniência das compras online.

Leia também: Como a Rússia alavancou seu e-commerce em três anos com mudança na legislação

Fonte: Reuters

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.