Redação E-Commerce Brasil

Nos EUA, vendedores do marketplace da Amazon lutam para manter estoque de produtos

Terça-feira, 10 de março de 2020   Tempo de leitura: 8 minutos

Para o americano Zev Bernard, que vende equipamentos de beisebol e softbol na Amazon, fevereiro costuma ser uma das épocas mais movimentadas do ano — com atletas, treinadores e torcedores se preparando para a nova temporada. Afinal, o dia de abertura da liga de Baseball é no final de março.

Leia também: Facebook, Amazon e eBay rejeitam anúncios relacionados à doença

Com a rápida disseminação do coronavírus, no entanto, vendedores terceirizados como Bernard estão em risco de perder grandes empresas. Muitas fábricas na China, epicentro do coronavírus, permanecem fechadas devido a quarentena em massa. Isso perturbou as cadeias de suprimentos de empresas em todo o mundo, incluindo comerciantes que vendem no mercado da Amazon, que responde por mais da metade do volume de varejo da empresa.

Bernard diz que sua empresa, a Guardian Baseball, atualmente tem estoque suficiente para muitos itens populares fabricados nos EUA como óculos de sol. Porém, muitos outros itens são originários de fabricantes chineses. Devido a uma potencial desaceleração da produção, o empresário disse que em cerca de 2 meses poderá ter itens em falta no estoque. “Ainda não nos afetou, mas estamos muito perto de ficar sem estoque”, disse.

Os vendedores da Amazon representam apenas uma fatia do mundo dos negócios que corre o risco de cair em queda quando o pânico se instala ao redor do coronavírus. Na semana passada, o S&P 500 e o Dow Jones Industrial Average caíram 11% e 12%, respectivamente. Isso marcou o pior desempenho semanal desde a crise financeira. A Amazon se manteve relativamente bem, caindo 10% nesse trecho.

Jerry Kavesh, lojista da Amazon que vende botas de cowboy, chapéus, cintos e outros itens, disse que está ficando cada vez mais preocupado, pois as fábricas nas quais ele conta com produtos permanecem fechadas. “As fábricas não estão abertas e não temos previsão de quando estarão”, disse.

Pausa nos transportes

O tempo de inatividade inesperado também pode prejudicar as empresas de logística que ajudam a transportar mercadorias do exterior para que possam chegar ao mercado dos EUA. Durante o mesmo período do ano passado, o volume da Unicargo seria de 60 a 70 embarques por dia. Agora, a empresa está vendo “10 remessas por dia ou até menos”, disse Refael Elbaz, CEO da Unicargo. A empresa de logística e frete possui clientes que incluem vendedores da Amazon.

“Ficamos muito otimistas até pouco tempo. Mas o fato é que muitas fábricas ainda não voltaram ao trabalho ou voltaram com muito pouca capacidade. A produção ainda está tendo dificuldades para se recuperar”, disse Elbaz.

Nos EUA, nem todos os vendedores estão sentindo a dor. Pelo menos ainda não

Alison Lawrence, CEO da produtora de chapéus Wallaroo, disse que sua empresa está bem abastecida na Amazon. Isso porque ela fez vários pedidos nos últimos meses para se preparar para a movimentada temporada de férias da primavera e o Dia do Trabalho. “O pedido acima da média amortizou as repercussões do surto”, disse ela.

Outra empresa americana, a Grunt Style afirmou que sua cadeia de suprimentos não foi afetada pelo coronavírus, uma vez que recebe a maioria de suas matérias-primas, como algodão, da América do Sul. No entanto, à medida que o vírus se espalhou, a empresa implementou planos com seus fornecedores, caso o surto começasse a afetar os fabricantes fora da China.

“Estamos em uma ótima posição agora, mas como fica a cauda longa?”, disse Glenn Silbert, CEO da Grunt Style. “Se isso se tornar um evento em nível de pandemia, teremos de mudar a estratégia em breve”, completou.

Dica da Amazon: colocar “status de férias”

Nos EUA, a Amazon tem aconselhado vendedores sobre como gerenciar o impacto do coronavírus em seus negócios. No início deste mês, ela enviou um aviso aos vendedores, aconselhando-os a cancelar pedidos feitos anteriormente que não são mais capazes de atender. A empresa também sugeriu que eles colocassem seus negócios em “status de férias” para proteger suas listas de serem rebaixadas nos resultados de pesquisa por seus algoritmos de classificação. Os vendedores disseram que a Amazon vai adiar ainda mais as listagens nos resultados de pesquisa, caso detectar que eles estão com pouco ou nenhum estoque.

Marketplace quer entender fornecedores

De acordo com uma cópia do documento obtido pela CNBCA, a Amazon enviou pesquisas a vendedores na Europa e na China para “entender melhor a capacidade do fornecedor”, a fim de entender pedidos de produtos atuais e futuros. A pesquisa solicita que os vendedores indiquem onde sua fábrica está localizada, se está funcionando com capacidade total, se há algum atraso de fabricação e o que os está causando — bem como se esperam atrasos na produção nas próximas semanas.

Os vendedores dizem que estão usando uma variedade de táticas diferentes para tentar gerenciar seu inventário e manter sua classificação de pesquisa superior. “Se você ficar sem estoque de produtos, o algoritmo o derrotará severamente”, disse Kavesh. “Voltar aonde estava é muito difícil, porque outros produtos agora o substituíram e você terá de gastar muito em publicidade”.

Poupar publicidades

Kavesh disse que reduziu os gastos com publicidade em produtos com baixo estoque. Embora isso prejudique os resultados da pesquisa, ele disse que é “melhor cair de 20 a 30%, em vez de 100%. Aumentar os preços dos produtos é o último recurso, pois significará perder posições”, disse completou.

Alguns vendedores consideraram diversificar sua fabricação fora da China se as fábricas estiverem fechadas por muito tempo. Refael Elbaz disse que os vendedores da Amazon já analisaram Turquia, Camboja, Índia e Malásia. Ainda assim, há uma razão pela qual eles são tão dependentes da China: o país oferece os preços mais baixos e a produção mais eficiente. “Se você tem uma cadeia de suprimentos baseada há 15 anos, não será em um mês que resolverá a situação.

Os EUA e o impacto nos brinquedos

No mercado de brinquedos — onde a China responde por mais de 80% das importações — o impacto pode ser ainda maior. Os analistas da S&P Global, liderados por Emile Courtney, disseram em fevereiro que há “muita incerteza” sobre o efeito do vírus no segundo trimestre. Empresas como Mattel e Hasbro, por exemplo, podem em breve enfrentar interrupções em suas cadeias de suprimentos.

A Hasbro acrescentou o coronavírus à sua lista de fatores de risco para os investidores. O motivo seria a possibilidade de lentidão de trabalho, atrasos ou faltas na produção ou remessa de produtos, aumentos nos custos ou atrasos na receita.

Via CNBC

Deixe seu comentário

0 comentários

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.