Acesso rápido
  Redação E-Commerce Brasil

Mobile já representa 50% das vendas online no Brasil, aponta Criteo

Quarta-feira, 23 de maio de 2018   Tempo de leitura: 3 minutos

A Criteo S.A. divulgou o estudo Análise do E-commerce no Mundo, referente ao primeiro trimestre de 2018. De acordo com o relatório, que analisou dados de navegação e compra de mais de cinco mil varejistas em mais de 80 países, as transações feitas no mobile já correspondem a 50% de todas as vendas online no Brasil.

O estudo revela ainda que varejistas que possuem aplicativos têm cerca de um terço (30%) dos pedidos no ambiente mobile sendo feitos nesses canais. Além disso, a taxa de conversão em apps de compras é três vezes maior que na web mobile.

“Nosso estudo mais recente mostra mudanças contínuas das compras via desktop para compras mobile, bem como de sites de varejo para aplicativos. O consumidor de hoje está em movimento e pesquisa em várias telas, exigindo uma abordagem coesa orientada por dados para cruzar e influenciar as decisões de compra”, afirma Alessander Firmino, diretor geral da Criteo para o Brasil e América Latina. “Para os varejistas com lojas físicas, a adoção de aplicativos e a melhoria da infraestrutura de dados estão abrindo novos horizontes no marketing omnichannel, com a combinação entre online e offline em uma jornada de compras ininterrupta e mensurável”.

As três principais conclusões da pesquisa são:

Os varejistas devem priorizar e otimizar aplicativos de compras ou correrão o risco de perder dinheiro e oportunidades de gerar receita, já que as transações móveis não estão mais restritas apenas a sites para web mobile.

Os consumidores navegam entre dispositivos, browsers e walled gardens, e aos poucos os smartphones têm se tornado o meio preferido para transações.

A combinação de dados online e offline é fundamental para compreender a intenção e o poder de compra do cliente, especialmente porque os consumidores omnichannel geram o maior lifetime value em termos de vendas.

Veja abaixo mais descobertas da pesquisa:

Aplicativos em ascensão

Considerando as vendas online no Brasil de varejistas que possuem aplicativos, durante os primeiros três meses deste ano 50% das transações foram feitas por meio de desktops, 35% via web mobile e 15% dentro de apps.

Nesse período, globalmente, as compras via aplicativo cresceram 22% em comparação ao primeiro trimestre de 2017.

O comportamento dos brasileiros em relação aos dispositivos

Ao analisar as vendas por dispositivos, as transações concluídas via smartphone registraram aumento de 48% em relação ao primeiro trimestre de 2017, enquanto vendas por tablets e desktops tiveram queda de 24% e 15%, respectivamente.

Os consumidores estão mais propensos a comprar utilizando aparelhos mobile durante a noite e aos finais de semana. O desktop continua sendo o ambiente de compras preferido durante o horário comercial.

Oportunidades omnichannel

Globalmente, os omnishoppers representam apenas 7% dos consumidores, mas eles são responsáveis por 27% das vendas.

Dados omnichannel são a chave para otimizar os esforços de marketing. Varejistas que combinam informações online e offline têm quatro vezes mais informações para serem aplicadas em suas estratégias de marketing.

Metodologia do estudo

O estudo Análise do E-commerce no Mundo analisou individualmente dados de navegação e compra de mais de cinco mil varejistas, em mais de 80 países, durante o primeiro trimestre de 2018.

O relatório completo pode ser acessado aqui. Confira também o mapa interativo que mostra uma visão global com dados regionais agregados.

Deixe seu comentário

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Assine nossa Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Obrigado!

Você está inscrito em nossa Newsletter. Enviaremos, periodicamente, novidades e conteúdos relevantes para o seu negócio.

Não se preocupe, também detestamos spam.