Projeto mantido por:

  Redação E-Commerce Brasil

Microsoft e Meta utilizam IA em data centers

Friday, 17 de June de 2022   Read time: 8 minutes

Os data centers são mais seguros do que costumavam ser. Mas em busca de soluções voltadas para o futuro, alguns gigantes da tecnologia dizem que estão explorando como a IA pode ser aplicada para evitar problemas de segurança. Por exemplo, a Microsoft está desenvolvendo um sistema de IA que analisa dados de várias fontes e gera alertas para equipes de construção e operações de data centers para “prevenir ou mitigar o impacto de incidentes de segurança”. Um sistema complementar, mas relacionado, também em desenvolvimento, tenta detectar e prever impactos nos cronogramas de construção de data centers.

“Essas iniciativas estão em fases iniciais de teste e devem começar a se expandir em nossos ambientes de produção ainda este ano”, disse um porta-voz da Microsoft ao TechCrunch por e-mail.

A Meta também afirma estar investigando maneiras de a IA antecipar como seus data centers operarão sob “condições ambientais extremas” que podem levar a ambientes de trabalho inseguros. A empresa diz que vem desenvolvendo modelos físicos para simular condições extremas e introduzindo esses dados nos modelos de IA responsáveis ​​por otimizar o consumo de energia, resfriamento e fluxo de ar em seus servidores.

“Temos dados operacionais significativos de nossos data centers, em algumas áreas em alta frequência com sensores embutidos em servidores, racks e em nossos data halls”, disse um porta-voz da Meta ao TechCrunch. “Cada servidor e dispositivo de rede, assumindo diferentes cargas de trabalho, consumirá diferentes quantidades de energia, gerará diferentes quantidades de calor e fará diferentes quantidades de fluxo de ar nos data centers. Nossa equipe de [infraestrutura] coleta todos os dados de cada servidor e desenvolve modelos de IA que podem alocar nossos servidores e racks nos data centers e enviar cargas de trabalho para esses servidores para otimizar o desempenho e a eficiência.”

É claro que as empresas têm motivações além da segurança para garantir que os data centers permaneçam em condições de pico. As interrupções são caras – e estão se tornando mais frequentes. De acordo com uma pesquisa de 2020 do IT Uptime Institute, uma empresa de consultoria de TI, um terço dos proprietários e operadores de data centers admitiram ter sofrido uma grande interrupção nos últimos 12 meses. Um em cada seis afirmou que a interrupção custou mais de US $ 1 milhão – acima de um em cada dez em 2019.

A Meta tem mais de 20 data centers em operação em todo o mundo, incluindo novos projetos no Texas e Missouri, estimados em US$ 1,6 bilhão combinados. Enquanto isso, a Microsoft gerencia mais de 200 data centers e diz que está no ritmo de construir entre 50 a 100 novos data centers a cada ano no futuro próximo.

A IA também promete encontrar oportunidades de economia de energia – e, portanto, de custos – no data center que normalmente voam sob o radar, outro aspecto atraente para as corporações. Em 2018, o Google afirmou que os sistemas de IA desenvolvidos por sua afiliada DeepMind foram capazes de oferecer economia de energia de 30% em média em comparação com o uso histórico de energia de seus data centers.

Quando contatado para comentar, a DeepMind disse que não tinha atualizações para compartilhar além do anúncio inicial. A IBM e a Amazon não responderam às perguntas. Mas tanto a Meta quanto a Microsoft dizem que agora estão usando a IA para fins semelhantes de ajuste de energia.

A Microsoft lançou “métodos de detecção de anomalias” de IA no final de 2021 para medir e mitigar eventos incomuns de uso de energia e água no data center, usando dados de telemetria de dispositivos elétricos e mecânicos. A empresa também está usando abordagens baseadas em IA para identificar e corrigir problemas com medidores de energia no data center e identificar pontos ideais para colocar servidores para minimizar o desperdício de energia, rede e capacidade de resfriamento.

A Meta, por sua vez, diz que tem aproveitado o aprendizado de reforço para reduzir a quantidade de ar que bombeia nos data centers para fins de resfriamento. (Em alto nível, o aprendizado por reforço é um tipo de sistema de IA que aprende a resolver um problema por tentativa e erro.) A maioria dos data centers da empresa usa ar externo e sistemas de resfriamento evaporativo, tornando a otimização do fluxo de ar uma alta prioridade.

A pegada ambiental reduzida é um benefício adicional dos sistemas de IA de regulação de energia. Os data centers consumiram cerca de 1% da demanda global de eletricidade e contribuíram com 0,3% de todas as emissões de dióxido de carbono em 2020, de acordo com um relatório da Agência de Investigação Ambiental. E o data center típico usa de 3 milhões a 5 milhões de galões de água por dia, a mesma quantidade de água de uma cidade de 30.000 a 50.000 pessoas.

A Microsoft disse anteriormente que planeja ter todos os seus data centers funcionando com energia 100% renovável até 2025. A Meta afirmou ter alcançado o feito em 2020.

Leia também: Google anuncia investimento de US$ 1,2 bilhão na América Latina

Fonte: Tech Crunch

Leave your comment

0 comments

Comments

Your email address will not be published.

Commenting as Anonymous

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

CADASTRE-SE EM NOSSA NEWSLETTER